Ferramenta consegue mapear opinião de usuários no Twitter

Gabriela Vilas Boas, do Serviço de Comunicação da Prefeitura do Campus USP de Ribeirão Preto

Ferramenta permite visão atualizada da opinião dos usuários sobre o impeachment

Mapeamento criado pelos pesquisadores do Departamento de Computação e Matemática (DCM) da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP mostra a porcentagem diária de tweets a favor e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. A ferramenta gera um resumo quantitativo diário, por estado, permitindo que a sociedade tenha uma visão atualizada do posicionamento dos usuários da rede social Twitter, com relação ao processo de impeachment.

O Brasil é o quinto país com mais usuários do Twitter no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Austrália. Segundo Mateus Tarcinalli Machado, mestrando do Programa de Pós-graduação em Computação Aplicada da FFCLRP e idealizador do trabalho, o mapa foi desenvolvido por um software coletor que monitora constantemente o Twitter, salvando as mensagens que contenham a palavra impeachment.

“Esses tweets são analisados diariamente e classificados em favoráveis ou contra o processo de impeachment, através de um sistema de categorização de textos amparado em métodos de Inteligência Artificial”, afirma Machado. Após essa análise, é verificado o estado de origem de cada tweet e assim, atualizada a página com os gráficos.

Pesquisa de opinião
De acordo com o professor Evandro Eduardo Seron Ruiz, orientador do trabalho, o site foi criado apenas como exercício para demonstrar ao público que os conhecimentos teóricos e os resultados de pesquisa podem ser aplicados em situações do cotidiano. “Este trabalho não tem nenhuma característica político-partidária, foi apenas um exercício desenvolvido com dados públicos e realizado com todo o rigor metodológico necessário. É uma forma de complementar as pesquisas de opinião”, esclarece.

“Nos primeiros dias estávamos capturando cerca de 45 mil tweets diários, mas nos dias 28 e 29 de março, este número saltou para mais de 90 mil tweets por dia”, conta o professor Evandro Eduardo Seron Ruiz, orientador do trabalho. Ao todo, já foram analisados mais de 850 mil tweets. O estado de Pernambuco tem a maior porcentagem de tweets contrários 33%, e entre os favoráveis a liderança está com os estados do Mato Grosso do Sul e Rondônia, com 95%.

Com relação ao perfil do público deste mapa, Machado diz que “não foi feito nenhum filtro ou análise sobre o público”, apenas os tweets que contenham a palavra impeachment. O projeto integra as atividades desenvolvidas pelo grupo compText, que faz parte do Laboratório de Sistemas Computacionais Complexos do DCM, da FFCLRP.

Formado por professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação da USP, o grupo se dedica à pesquisa e desenvolvimento de aplicações de computação de texto, também conhecido como processamento de texto. Além de ser composto por membros da FFCLRP, o compText recebe a colaboração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEARP) da USP e também, da Faculdade Estácio.

Gráfico: Gabriela Vilas Boas

Mais Informações: (16) 3315-0203; e-mails evandro@usp.br e mateusmachado@usp.br

Agência USP de Notícias
| Créditos | Direitos autorais | Newsletter | Sobre a Agência
Rua da Reitoria, 109 bloco L - 5º andar
CEP 05508-900 - São Paulo - Brasil
E-mail: Fale Conosco


© 2000-2017 Universidade de São Paulo