Pesquisa detalha o comportamento dos escorpiões

Laura Lopes, especial para a Agência USP

Vídeo acasalamento escorpiões
Vídeo acasalamento escorpiões

Para estudar o comportamento reprodutivo de escorpiões da espécie Tityus bahiensis, conhecido como escorpião-marrom, pesquisadores do Instituto de Biociências (IB) da USP filmaram inúmeras vezes o acasalamento desses animais. As imagens, pacientemente analisadas, revelam um verdadeiro “jogo de sedução” em que o macho lança mão de um demorado “cortejo”, que nada lembra as fobias que o aracnídeo causa em seres humanos.

Primeiro ele segura a fêmea, e se ela estiver muito arredia, tenta massageá-la. Depois, pega-a pelos braços (ou melhor, pelos pedipalpos, que são os apêndices que terminam em forma de pinça) e a leva para passear, com passos para frente e para trás, numa dança nupcial. Isso pode durar até quase 50 minutos. Num determinado momento, o macho ejeta uma estrutura rígida, com seu esperma, para fora do corpo, e puxa a fêmea sobre ela, para concretizar o ato de reprodução. Esse é o comportamento básico do Tityus na hora do acasalamento, registrado por Sabrina Outeda Jorge, aluna de mestrado do professor Ricardo Pinto da Rocha, do IB.

<a href="http://youtube.com/watch?v=MFQUP_Xnr4M">http://youtube.com/watch?v=MFQUP_Xnr4M</a>

“Queremos detalhar cada movimento dos escorpiões e entender seu comportamento”, conta a pesquisadora. Ela explica que cada espécie tem uma conduta diferente. “Umas injetam veneno, outras não; umas são mais demoradas, outras agem rapidamente. Há até fêmeas que matam e comem o macho depois de realizado o ato, como acontece com algumas aranhas”, descreve Sabrina. Trata-se, portanto, de um tema complexo e pouco conhecido. Segundo o professor Rocha, a literatura científica descreveu o comportamento de apenas 35 espécies de escorpiões, sendo que há cerca de 1.400 catalogadas, 120 delas no Brasil.

“Até o momento, todos os estudos de comportamento reprodutivo de escorpiões tiveram seu enfoque na descrição de episódios isolados”, conta a aluna. Por isso, elaborou um etograma – nome que se dá ao detalhamento dos comportamentos, sua freqüência e seqüência em qualquer animal – baseando-se em muitas observações para estabelecer padrões à espécie Tityus bahiensis, responsável pela maioria dos casos de acidentes domésticos em São Paulo.

O sexo dos escorpiões

No meio científico, a conduta sexual dos escorpiões é dividida em três fases: iniciação, dança e transferência de espermatozóides. No caso do escorpião-marrom, na iniciação, há o encontro do casal e o reconhecimento mútuo, específico e sexual, com ampla movimentação corporal e até massagem das quelíceras (apêndices que ficam ao lado da boca, como se fossem garras). Durante a dança, o macho estimula a fêmea e a conduz segurando seus pedipalpos.

Esta fase promove a exploração do ambiente à procura da superfície adequada para depositar o espermatóforo, que é uma haste feita de quitina (a mesma substância dura que forma o exoesqueleto) onde fica o esperma. Na transferência de espermatozóides, o macho abaixa a parte central do corpo, expele o espermatóforo, que gruda no solo, e posiciona a fêmea sobre o mesmo. Ela se abaixa e seu orifício genital se abre, permitindo a fecundação. A espécie observada demorou de 22 a 49 minutos para finalizar o acasalamento.

Sabrina usou lâmpada incandescente vermelha, que não interfere nas reações do animal e dá contraste, e registrou sons e imagens. “Na fase de pós-transferência, o casal se separa, a fêmea caminha ativamente e o macho permanece parado a maior parte do tempo, encolhendo o corpo e os pedipalpos, com movimentos rápidos do par de pernas como num comportamento de limpeza”, conta. Além disso, o macho pode ou não comer seu próprio espermatóforo. Sabrina também fez alguns experimentos com uma espécie de outra família, Bothriurus araguayae, que demora até três horas para completar o ritual. Diferentemente do escorpião-marrom, os machos Bothriurus aplicam veneno na fêmea, para acalmá-la.

Mais informações: (0XX11) 3091-7614, com Ricardo Pinto da Rocha e Sabrina Outeda Jorge, ou pelos emails ricrocha@usp.br" target="_blank">ricrocha@usp.br e sabrinascorpiones@yahoo.com.br" target="_blank">sabrinascorpiones@yahoo.com.br

Agência USP de Notícias
| Base de Especialistas | Créditos | Direitos autorais | Newsletter | Sobre a Agência
Rua da Reitoria, 109 bloco L - 5º andar
CEP 05508-900 - São Paulo - Brasil
+55 11 3091-4411 - E-mail: agenusp@usp.br


© 2000-2014 Universidade de São Paulo