Poli apresenta veleiro e equipamentos de remo para atletas paraolímpicos

Neste sábado (26), a represa do Guarapiranga (zona Sul de São Paulo) será o local da apresentação do veleiro-escola Poli 19, para deficientes físicos, e dos projetos de prótese e equipamentos para a prática de remo adaptável. O barco e os equipamentos foram desenvolvidos por docentes e alunos da Escola Politécnica (Poli), dentro do Programa Poli Cidadã. Os projetos irão colaborar com o treinamento dos atletas paraolímpicos para as Olimpíadas de Beijing, na China, neste ano.

O Poli 19 é um barco de 19 pés, concebido para treinamento de atletas paraolímpicos e praticantes de vela. O projeto, desenvolvido ao longo de dois anos, é resultado do trabalho conjunto entre o Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Poli e a Federação de Vela do Estado de São Paulo (Fevesp). A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, viabilizou a iniciativa.

São duas as categorias das competições paraolímpicas: veleiro individual e veleiro para 3 pessoas. O Poli 19 atende a categoria 3 pessoas. "O veleiro utilizado nas competições é um barco inglês, de 23 pés, de quilha fixa (dificulta transporte em carretas), que tem um custo médio de US$ 40 mil. Este valor limita a aquisição de novos barcos", aponta o professorda Poli, Alexandre Nicolaos Simos, que orientou o projeto juntamente com o professor André Luis Fujarra. "O POLI 19, completo, com todos os recursos desejáveis, sairá por menos de R$ 20 mil", completa.

Visando a praticidade de transporte, o projeto exigiu o desenvolvimento de um mecanismo de içamento da quilha. Original, este equipamento já está em processo de patente. Trata-se de uma estrutura, montada no convés, que é acionada por manivela.

"A maioria dos mecanismos com quilha funcionam por meio de cabos, o que torna o manuseio perigoso, principalmente para velejadores com ausência ou dificuldades nas mãos, braços, pés e pernas”, explica Simos. “O içamento por manivela é seguro, o velejador pode parar no meio do processo, caso sinta a necessidade, sem comprometer a manobra ou correr riscos de se machucar".

Remo
A Poli, a Confederação Brasileira de Remo, a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED) do município de São Paulo, e o Banco Nossa Caixa investiram em pesquisa e desenvolvimento para melhorar o esporte paraolímpico. Unir Engenharia à Biomedicina foi o passo inicial do projeto da prótese de um membro humano para ser empregado na prática do remo adaptável.

O trabalho foi realizado pelo alunos de engenharia André Molina, Fábio Yukiyoshi Missawa, Hiralindo do Carmo Silva Neto, Ronaldo Tadashi Aoki, orientados pela professora Izabel Fernanda Machado. O processo envolveu visita a oficina ortopédica, fábrica de próteses, estudos dos materiais e suas resistências, compreensão do movimento de remada, entre outras etapas. A construção teve a colaboração de uma atleta modelo da ONG Projeto Próximo Passo e a prótese pode ser adaptada a outros atletas, de acordo com suas características individuais.

A pesquisa de uma cadeira fixa para remo adaptável foi o projeto de formatura dos alunos da Poli, Laurence Vinícius Nakatu, Rubens Kazuto Tsukamoto e Gustavo de Andrade Poletto. Eles estudaram uma série de adaptações necessárias à cadeira de forma a tornar a prática do remo mais acessível aos praticantes, como leveza, regulagens e fácil manuseio, priorizando a segurança do atleta na água, seu desempenho e conforto.O projeto, totalmente inovador, teve seu protótipo patrocinado pela Federação Paulista de Remo e apoio da Jaguaré Protótipos Ltda.

Os estudantes Diego Tonin e Gustavo Partel Young desenvolveram flutuadores compatíveis com os importados, porém baratos, funcionais e de fácil fabricação, para a prática de remo adaptável. O projeto envolveu escolha dos materiais, formatos de casco, tipo de preenchimento e métodos de fixação do flutuador ao barco.

Por meio de simulação computacional foram comparados os resultados do protótipo aos dos flutuadores atualmente utilizados. "O projeto também prevê desenvolver um sistema de fixação com possibilidade de ajuste de posição e encaixe rápido, a fim de permitir que o mesmo flutuador seja utilizado por diversos atletas", explica a professora Isabel, orientadora do trabalho.

A apresentação pública do veleiro e dos equipamentos, aberta e gratuita, acontece no dia 26 de abril, sábado, às 11 horas, no salão principal do São Paulo Yacht Club, localizado na Rua Francisco de Seixas, 225, represa do Guarapiranga. O evento terá a presença da atleta Claudia Cícero dos Santos, campeã mundial de Remo Adaptável.

(Com informações da Assessoria de Imprensa do Ddepartamento de Engenharia Mecânica da Poli)

Mais informações: (0XX11) 3735-7219, 9264-7185 

Agência USP de Notícias
| Créditos | Direitos autorais | Newsletter | Sobre a Agência
Rua da Reitoria, 109 bloco L - 5º andar
CEP 05508-900 - São Paulo - Brasil
E-mail: Fale Conosco


© 2000-2018 Universidade de São Paulo