USP poderá aumentar bônus para alunos de escolas públicas no vestibular

Por Júlio Bernardes e Leonardo Zanon

A reitora da USP, Suely Vilela, declarou nesta quinta-feira (18) que está em estudos o aumento do bônus na pontuação no vestibular da Fuvest para alunos que fizeram o ensino médio em escolas públicas. A afirmação foi feita após a apresentação dos números do Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp) para um grupo de deputados estaduais que integram a Comissão de Educação da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. Atualmente, o acréscimo na nota é de 3%.

A apresentação aconteceu no Salão de Atos da Reitoria da USP, ao meio-dia. O Inclusp, que aumentou em 11% o número de ingressantes na USP provenientes de escolas públicas, também terá ações para garantir a permanência dos aprovados na Universidade. Os deputados fizeram perguntas a respeito dos efeitos e do andamento do projeto. “Foi uma oportunidade para compartilhar e avaliar as ações do Inclusp, em função das demandas que os deputados trazem da sociedade", disse Suely Vilela.

A pró-reitora de graduação, Selma Garrido Pimenta, explicou o funcionamento do Inclusp. “As ações são implantadas antes, durante e depois do ingresso do aluno na Universidade”, afirmou. “O acompanhamento após o ingresso se deve ao perfil dos alunos auxiliados pelo programa, geralmente com baixa renda familiar, o que dificulta a manutenção dos estudos”.

Resultados
De acordo com Selma, a participação dos alunos provenientes de escolas públicas aumentou de 24,7% em 2006 para 26,7% em 2007. “O início das aulas na USP Leste, em 2005, causou um aumento dos aprovados”, explicou a pró-reitora. “Projeções mostram que o Inclusp reverteu uma tendência de queda nesse número, possivelmente causada pela redução dos pedidos de isenção da taxa do vestibular e pela criação de novas instituições públicas de ensino superior”.

A renda familiar declarada dos candidatos beneficiados de forma decisiva pelo bônus de 3% na pontuação do vestibular está em sua maior parte nos patamares mais baixos da pesquisa socioeconômica feita pela Pró-Reitoria de Graduação a partir dos dados da Fuvest (abaixo de R$ 3 mil mensais). “O Inclusp contribuiu para aumentar a participação dos alunos da rede pública entre os matriculados nas carreiras mais concorridas, como Medicina e Direito, além de ajudar a ampliar em 9,5% o número de matrículas efetuadas por estudantes negros”, disse Selma.

Suely Vilela destacou a importância da pontuação acrescida no vestibular, uma das medidas do Inclusp, frente às dificuldades enfrentadas pela maioria dos estudantes: “Os resultados do primeiro ano são impactantes e mostram que a proposta de promover inclusão por mérito para alunos do ensino público, tanto sócio-econômica quanto étnica, poderá ser concretizada".

A reitora anunciou que está em estudos o aumento do bônus para os alunos de escolas públicas. "Também há um projeto para a implantação da avaliação seriada ao longo do ensino médio", anunciou. "A proposta será analisada pelo Conselho de Graduação da USP e o objetivo é iniciar o processo de avaliação em 2008".

Expectativas
O deputado Roberto Felício (PT), presidente da Comissão de Educação da Assembléia Legislativa, acredita que a importância de projetos como o Inclusp está no fato de que a Universidade está consciente dos problemas sociais e está adotando procedimentos para que as dificuldades sejam diminuídas, independentemente da fórmula adotada. “Na medida em que vão sendo superadas as desigualdades sociais, nós haveremos de dispensar, no futuro, qualquer discussão que envolva política de cotas”.

Felício comentou a possibilidade do aumento do bônus para os egressos de escola pública: “Os dados de que dispõe a Universidade permitem alterar, no futuro, a participação destes alunos, talvez até para uma proporção equilibrada entre aqueles e os provenientes de escolas particulares”.

O deputado considera ainda uma obrigação da Assembléia Legislativa o apoio às experiências de inclusão. “Se os projetos conseguirem fazer que o aluno da escola pública enxergue a USP em seu horizonte, já será uma coisa fantástica”. A pró-reitora de Graduação afirmou que as ações de divulgação do Inclusp e da isenção nas taxas de inscrição serão aumentadas, como forma de atrair mais alunos das escolas públicas.

Também estiveram presentes à reunião os deputados estaduais José Bruno (DEM) e Rita Passos (PV). A reitora estava acompanhada do vice-reitor, Franco Lajolo, e dos pró-reitores de Graduação, Selma Garrido Pimenta, de Cultura e Extensão, Sedi Hirano, e de Pós-Graduação, Armando Corbani Ferraz.

Agência USP de Notícias
| Agência USP agora é Jornal da USP | Créditos | Direitos autorais | Newsletter | Sobre a Agência
Rua da Reitoria, 109 bloco L - 5º andar
CEP 05508-900 - São Paulo - Brasil
E-mail: Fale Conosco


© 2000-2020 Universidade de São Paulo