São Paulo, 17 de dezembro de 1999 n.492/99
Nova técnica 
para detectar o câncer
O Instituto do Coração do Hospital da Clínicas está usando Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET) para detectar e diagnosticar o câncer. O método, inédito no Brasil, dispensa a retirada por cirurgia de amostras do tecido do paciente para análise.

Instituto da Criança é o quinto no mundo a fazer diagnóstico precoce da Cistinose
 

TV USP apresenta episódio da série As aventuras do Dr. Broca que ensina a prevenção contra as cáries


Destaques


Nova tecnologia para detectar e diagnosticar o câncer
        Pesquisadores e médicos do Instituto do Coração (Incor) do HCFM-USP, estão utilizando nova tecnologia para detectar o câncer. Trata-se da Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), usada em alguns países desenvolvidos e ainda inédita no Brasil. A técnica substitui o método convencional, usado em todo mundo, em que é necessário retirar, por meio de cirur-gia, uma amostra do tecido para análise, que causa danos psicológicos ao paciente.
        Segundo o diretor do Serviço de Radioisótopos do Incor/Hospital das Clínicas, José Cláudio Meneghetti, a nova tecnologia oferece inúmeras outras vanta-gens para o paciente. Além de ser usado para detectar vários tipos de câncer, como o de pulmão, testículo, fígado, mama, ovário, útero e tumores ósseos, o PET possui uma alta capacidade de diagnóstico. "Nos casos em que já se sabe que o paciente está com câncer, o PET oferece informações mais precisas sobre as características do tumor, sem enfraquecer o indivíduo. Com isso o paciente é submetido a um tratamento de maior precisão, seja por radioterapia, quimioterapia ou mesmo cirurgia, aumentando suas chances de recuperação".
        A nova técnica, além de diagnos-ticar o tumor com maior eficiência, o faz de maneira mais rápida. Meneghetti explica que as células precisam de energia, retirada da glicose, para suas atividades. As cancerígenas se reproduzem com muito mais intensidade do que as células normais e por isso consomem maiores quantias de glicose. "Modificamos as moléculas de glicose, sem alterar sua função, marcando-a com um elemento radioativo de baixa energia e injetamos a substância no paciente. Com a Tomografia por Emissão de Pósitrons podemos observar através de imagens a maior concentração de glicose nos tumores malignos".
        O PET pode beneficiar também os pacientes com doenças benignas. No caso de pessoas que sofreram enfarto, o exame feito com o PET pode estudar com maior precisão se a área do coração lesada, que leva o paciente à insuficiência cardíaca, pode ser recuperada por meio de uma cirurgia de revascularização miocárdica. "Se a lesão apresentar um metabolismo, e isso será detectado pelo consumo de glicose na região afetada, isso quer dizer que o paciente pode melhorar sua qualidade de vida através de uma cirurgia". Além disso, o exame pode especificar o tipo de demência sofrida por uma pessoa, localizando as regiões em que há maior concentração de glicose no cérebro.
        O objetivo, segundo Meneghetti, é difundir essa nova técnica em todo País, inicialmente nas principais capitais, já que o PET é utilizado apenas no Incor, atendendo pacientes apenas um dia por semana. A Tomografia por Emissão de Pósitrons ainda é uma tecnologia que está sendo implantada, inclusive com a for-mação de recursos humanos. "Provavelmente, a partir do meio do ano que vem, já teremos o PET onde for necessário". Para isso, está-se trabalhando junto ao Governo Federal para se conseguir a modificação da lei que dá ao Estado o direito de monopólio de comercialização e produção de radioisótopos. "Com a iniciativa privada comercializando e produzindo radioisó-topos se viabilizaria a possibilidade de levar o PET a outras regiões do País".
        Mais informações: ( (0XX11) 3069-5266.

Instituto da Criança faz diagnóstico de doença rara
        O Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (ICr-HCFMUSP) será o primeiro na América Latina e o quinto no mundo a realizar exame para diagnóstico precoce e tratamento da Cistinose, doença genética rara que leva à diálise e transplante renal infantil. A patologia é considerada grave e progressiva, exigindo atendimento especializado constante. Sua evolução acomete o sistema nervoso central, podendo causar grave incapacidade.
        A Cistinose é o resultado de mutações ou deleções no cromossomo 17. Algumas alterações genéticas já foram mapeadas. Além de acometer o rim, é uma doença sistêmica generalizada, que ataca a tireóide e os olhos, principalmente a cór-nea. Os problemas renais evoluem para insuficiência renal crônica, obrigando a realização de diálise e depois o transplante. Outras complicações são o acometimento do pâncreas, da musculatura periférica, orofaríngea e esofageana, do fígado, baço e sistema nervoso central, entre outros. A cistinose pode causar dano a qualquer célula em que haja acúmulo de cistina e formação de cristais.
        Segundo a médica Vera Koch, responsável pela Unidade de Nefrologia do ICr, o Brasil não tem nenhuma estatística da doença, mas há consenso de que hoje ela é subdiagnosticada. O Instituto atende 20 portadores de cistinose, sendo cinco transplantados, um na fila de transplante e 14 em diversos estágios de acometimento.
        O grupo de Nefrologia Pediátrica do Instituto da Criança atende crianças e adolescentes com doenças dos rins e vias urinárias. Muitos pacientes apresentam doenças originadas do trato urinário, enquanto outros adquirem a doença em decorrência de doenças em outros órgãos e sistemas ou do uso de drogas tóxicas. Eles atendem pacientes do ambulatório e das diversas Unidades de Internação do Ins-tituto da Criança. Também são atendidos pedidos de consulta de outros Institutos do Complexo Hospitalar do HCFMUSP.
        Mais informações: ( (0XX11) 3069-8507 e 3862-6924, com Geralda Privatti.


Agenda Cultural

Programação da TV USP
        A TV USP exibe, na semana de 20 a 26 de dezembro, os seguintes programas:
        PANORAMA Qual é o curso?, sobre a formação do nutricionista; As aventuras do Dr. Broca, episódio da série produzida pela TV USP em parceria com a Faculdade de Odontologia da USP no centro de São Paulo em que o Dr. Broca ensina, de forma bem-humorada, a prevenção contra as cáries; Cotidiano/Arte: O Consumo, programa sobre a exposição no Itaú Cultural que discute a relação entre arte e consumo através do design, da moda e da produção artística contemporânea, além de trazer uma entrevista com Cyro Del Nero, curador da mostra Metamorfose do Consumo. Terça (21) e sexta-feira (24), às 6h30, 11h, 15h30, 20h e 00h30; e domingo (26), às 11h, 20h e 00h30.
        OLHAR DA USP Águas. O professor de Geografia da USP, Wagner Ribeiro, e a Dra. Heloísa Di Cunto, vice-presidente da ONG SOS Guarapiranga, discutem a racionalização e maneiras de alertar a sociedade para o problema da água. Quarta-feira (22) e sábado (25), às 6h30, 11h, 15h30, 20h e 00h30; e domingo (26), às 6h30 e 15h30.
        A POLÍTICA DO CINEMA EM SÃO PAULO, mesa-redonda promovida pela Associação Brasileira dos Documentaristas (ABD) com o cineasta Hermano Penna, diretor de "Sargento Getúlio", e Leopoldo Nunes, cineasta e presidente da ABD. Segunda (20) e quinta-feira (23), às 6h30, 11h, 15h30, 20h e 00h30.
        Mais informações: ( (0XX11) 818-4101.

Mostra de Artes em Bauru
        Acontece até o dia 23 de dezembro, das 8 às 12h e das 14 às 18h, a Mostra de Artes Plásticas do Centro Cultural da USP de Bauru. A exposição conta com 50 pinturas em tela e 50 esculturas, confeccionadas por 24 artistas plásticos, alunos do Centro Cultural e do Projeto Re-Vivendo. A mostra está na Alameda Octávio Pinheiro Brisola, 9-75, Bauru.
        Mais informações: ( (0XX14) 235-8394.


Livros, Revistas e Publicações

Museus e modernidade
        A Editora da USP (Edusp) promove no dia 22, a partir das 18h30, o lançamento do livro Museus Acolhem Moderno, de Maria Cecília França Lourenço. O evento acontece na Livraria da Vila, que fica na Rua Fradique Coutinho, 915, em Pinheiros.
        Mais informações: ( (0XX11) 814-5811.


Quadro de Avisos

IEA seleciona professores visitantes
        O Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP receberá, até o dia 4 de janeiro, as inscrições para o processo de seleção de dois professores visitantes. O período de contratação é de um ano, podendo ser renovado por mais um, e os interessados não podem possuir vínculo empregatício com a USP. No ato da inscrição, deverá ser apresentado o currículo, o projeto de pesquisa e o comprovante da mais alta titulação acadêmica obtida. Será dada preferência a projetos nas áreas de Informação e Comunicação, e Lógica e Teoria da Ciência.
        Mais informações: ( (0XX11) 814-3919/4442, e-mail iea@edu.usp.br .


Teses e Dissertações

Escola de Enfermagem
Doutorado
        O pensar, o sentir, o agir da enfermeira na rede SUS local: o (re)velado de uma práxis. Maria Lúcia Silva Servo. Dia 22/12, 9h30.
        Mais informações: ( (0XX11) 3066-7533.

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Mestrado
        A auditoria de desempenho nos tribunais de contas brasileiros: uma pesquisa exploratória. Elizabeth Ferraz Barros. Dia 20/12, 14h.
        Avaliação de performance de fundos - estudo de caso dos fundos administrados pelo Banco do Estado do Ceará. José Ernani de Aragão Brandão. Dia 21/12, 9h.
Doutorado
        O regime fiscal brasileiro. Eduardo Refinetti Guardia. Dia 21/12, 14h30.
        Mais informações: ( (0XX11) 818-5811.

Instituto de Pesquisas e Energético Nucleares/Cnen
Mestrado
        Determinação de componentes inorgânicos em plástico pelo método de análise por ativação neutrônica. Sandra Fonseca Mateus. Dia17/12, 9 horas.
        Mais informação: ( (0XX11) 818-9092.
 
Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa J, nº 374, conj. 244, São Paulo - SP. 
Tel. 818-4411/818-4691 - Fax: 818-4476/ 818-4426/818-4689 - E-mail: agenusp@edu.usp.br
Home Page: http://www.usp.br/agen/agweb.html
Jornalista Responsável: Marcia Furtado Avanza (Mtb 11552) mfrsouza@usp.br
Repórteres: Antonio Carlos Quinto acquinto@usp.br , Ivanir Ferreira ivanir@usp.br
Estagiários: Caco Cardoso, Ciro Bonilha, Júlio Bernardes e Renata Bessi.