São Paulo, 
saúde
10/06/2002
Encanamentos inadequados podem
contaminar a água com chumbo
A substância pode contaminar á agua usada para beber e preparar refeições causando danos a saúde. Pesquisa da Faculdade de Ciências Farmacêuticas analisou amostras de 100 escolas municipais da cidade de São Paulo
Júlio
Bernardes

imprimir 

Concentrações excessivas de chumbo podem causar problemas de audição e crescimento, perda de QI, redução da síntese de vitamina D e da produção de glóbulos vermelhos no sangue
A potabilidade da água é garantida pelo processo de tratamento realizado antes da distribuição à população. Porém, condições inadequadas do sistema de encanamento podem influir na potabilidade da água. O chumbo, substância tóxica que pode estar presente nos encanamentos de casas e prédios pode contaminar a água usada para beber e preparar refeições. Isso causa uma exposição em pequenas doses que, se ocorrer de forma contínua, é nociva a saúde. A presença de chumbo na água utilizada por 100 escolas municipais da cidade de São Paulo foi tema de uma dissertação de mestrado defendida por Paulo Teixeira na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, sob orientação da professora Nilda Fernícola.

O trabalho analisou duas amostras de água obtidas em cada escola. A primeira foi coletada pela manhã, no primeiro jato da torneira, com a água que ficou parada nas tubulações do prédio, e a segunda após a água da torneira ter corrido com uma vazão máxima de dois minutos. As amostras foram coletadas entre novembro de 2000 e abril de 2001. Apenas no grupo das amostras coletadas do primeiro jato foram observadas a ocorrência de valores que ultrapassaram a concentração máxima permitida de chumbo na água potável. "Como a água permaneceu por um longo período de tempo parada no interior dos encanamentos, é possível que haja presença de chumbo no cano e a migração para a água", diz Teixeira.

A legislação brasileira admitia um valor máximo permitido de 50 microgramas de chumbo por litro de água potável. Após uma revisão, este valor foi reduzido para 10 microgramas por litro, com adequação ao valor proposto pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Das 100 escolas pesquisadas, 11 apresentavam concentração de chumbo superior a 10 microgramas de chumbo por litro de água e, em duas, havia mais de 50 microgramas. "O chumbo é uma substância de toxicidade elevada e as crianças são mais suscetíveis, inclusive às baixas concentrações", relata o pesquisador.

Conseqüências
Uma criança que tenha absorvido o chumbo em seu organismo e tenha uma concentração sanguínea de 10 microgramas por decilitro de sangue pode ter problemas de audição e no crescimento, e diminuição de quociente de inteligência (Q.I.). Concentrações de 20 microgramas por decilitro de sangue podem reduzir a síntese de vitamina D, se a quantidade for acima de 50 microgramas por decilitro, pode ocasionar a diminuição da produção de hemoglobina (presente nos glóbulos vermelhos do sangue)

A pesquisa verificou, por meio de questionários, as condições dos encanamentos das escolas. O pesquisador relata não ter sido possível estabelecer uma relação entre a época de construção das escolas e os níveis de chumbo encontrados, pois a maioria já passou por reformas nos encanamentos de água. "Entretanto, fomos informados que até o começo da década de 70 era comum o uso de encanamentos de chumbo. Posteriormente, o ferro, ferro galvanizado e por último o PVC tornaram-se os materiais mais usados", cita Teixeira.

Os resultados do estudo serão encaminhados a Secretaria Municipal de Educação. A providência mais adequada para evitar a contaminação da água por chumbo é substituir os encanamentos das escolas. Um cuidado mais simples é o de não usar a água do primeiro jato da torneira, que tem maior probabilidade de ter concentração elevada de chumbo, para beber ou fazer merenda. "O ideal é deixá-la correr por pelo menos dois minutos, para que não haja desperdício. Esta água pode ser usada para limpeza", diz Paulo.







vínculos:
Faculdade de Ciências Farmacêuticas

· mais informações:
(0XX24) 9262-8632, com Paulo Teixeira


sobre a Agência USP de Notícias |  direitos autorais |  créditos |  boletim |  mande um email

Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa J,n.374 Sala 244 CEP05586-000 São Paulo Brasil
(00XX11) 3091-4411  agenusp@usp.br