ISSN 2359-5191

09/04/2008 - Ano: 41 - Edição Nº: 14 - Saúde - Hospital das Clínicas
Hospital das Clínicas desenvolve tratamento para viciados em internet
Doença do século XXI torna-se um desafio para medicina contemporânea

São Paulo (AUN - USP) - O Instituto de Psiquiatria (Ipq), do Hospital das Clínicas, está triando adolescentes e adultos que apresentam dependência de Internet. O grupo formado por quatro psicólogos, um psiquiatra e uma gerente de projetos científicos, estudou durante um ano temas relacionados a essa dependência. A equipe criou um programa psicoterapêutico, realizado no período de 18 semanas, com o objetivo de oferecer tratamento a indivíduos com dependência de internet.

O avanço tecnológico pode acarretar grandes problemas à sociedade, caso não a usufrua com sabedoria. Um compulsivo à Internet ou um cyberviciado é uma pessoa que passa grande parte do dia navegando na rede. Essa dependência manifesta-se como uma incapacidade do indivíduo em controlar o uso excessivo dessa tecnologia, que por sua vez causa efeitos significativamente negativos na vida funcional e cotidiana. As pessoas que despendem muitas horas do dia na Internet tendem a utilizá-la como meio para aliviar a tensão e a depressão. Um fator que pode ser considerado como preditor para a dependência é quando o individuo utiliza a ferramenta como meio social e de comunicação, pois sentem muito prazer e satisfação quando estão on-line. Grande parte dessas pessoas sente dor nas costas, aumento de peso, isolamento social, baixa auto-estima, depressão, problemas oftalmológicos, além de outros.

Pode parecer cômico e até paradoxal, mas na internet, tema aqui tratado como um vício, é possível encontrar vários ??testes? que servem de termômetro para que o individuo se auto-avalie a respeito do grau de dependência da mesma.

Fique atento aos sintomas que podem diagnosticar se uma pessoa está dependente da rede:

  • Preocupação excessiva com a Internet;
  • Permanece mais tempo conectado (on-line) do que o programado;
  • Irritabilidade e/ou depressão;
  • O trabalho e as relações sociais ficam em risco pelo uso excessivo;
  • Mente a respeito da quantidade de horas conectadas;
  • Quando o uso da Internet é restringido, apresenta instabilidade emocional.

    Os tipos de dependência são: e-mails, chats (salas de bate-papo), jogos on-line, compras, sites com conteúdo especifico (eróticos, de relacionamento, bolsa de valores). Para especialistas não há regra, qualquer pessoa, de qualquer idade, pode se tornar viciado em Internet.

    Vale lembrar que esta doença é de âmbito global, atinge países desde os menos desenvolvidos, passando pelos que estão em processo de desenvolvimento até as superpotências mundiais, diga-se de passagem, que este projeto teve como base os estudos publicados pela especialista em comportamento de cyberviciados da Universidade da Pensilvânia nos EUA, Kimberly Young, (http://www.netaddiction.com/bio/bio.htm).

  • Leia também...
    Nesta Edição
    Destaques

    Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

    Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

    Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

    Edições Anteriores
    Agência Universitária de Notícias

    ISSN 2359-5191

    Universidade de São Paulo
    Vice-Reitor: Vahan Agopyan
    Escola de Comunicações e Artes
    Departamento de Jornalismo e Editoração
    Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
    Professores Responsáveis
    Repórteres
    Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
    Editora de Conteúdo
    Web Designer
    Contato: aun@usp.br