ISSN 2359-5191

28/11/2008 - Ano: 41 - Edição Nº: 134 - Ciência e Tecnologia - Centro de Tecnologia da Informação de São Paulo
USP e empresas privadas discutem uso de substâncias tóxicas em equipamentos eletrônicos

São Paulo (AUN - USP) -O Centro de Computação Eletrônica da USP adquiriu esse ano mais de dois mil computadores para uso na Universidade. A novidade da compra é que a licitação incluiu recomendações sobre quantidades máximas de substâncias tóxicas nos equipamentos, como Mercúrio e Chumbo. Trata-se de uma iniciativa da Comissão de Sustentabilidade do CCE, que desde o segundo semestre de 2007 têm trabalhado em programas de conscientização e preservação ambiental. "Ainda é uma comissão interna, mas as políticas adotadas aqui refletem em toda a USP", diz Irã Mariano, da Divisão de Microinformática do CCE.

A iniciativa mais recente dessa comissão foi a I Semana de Sustentabilidade do CCE. Durante três dias empresas e órgãos públicos convidados discutiram "maneiras dinâmicas de contribuir para um mundo sustentável". O segundo dia do evento foi marcado pela fala de Luciana Furukama, gerente de Logística Reversa da Itautec, que ganhou a última licitação de compra de microcomputadores. A empresa do Grupo Itausa fatura hoje R$ 1,7 bilhão por ano e produz em média 180 mil toneladas de material eletrônico no mesmo período. Apesar da magnitude do negócio, entre 2001 e 2006 a Itautec investiu "apenas" R$ 4,6 milhões em programas de consciência ambiental no processo produtivo (0,05% do faturamento). ? um investimento modesto, mas Luciana garante que foi suficiente para mudar todo o processo produtivo da empresa.

O programa ambiental da Itautec foi lançado em 2001, na crista da crise energética que, na época, provocou uma reflexão geral sobre meio ambiente. O projeto inicial custava R$ 1,6 milhões e baseava-se na redução de desperdício e ganho de eficiência, apenas em 2003 a empresa produziu o primeiro computador reciclado. Em 2004, na falta de legislações brasileiras sobre o assunto, a Itautec "importou" da Europa a Diretriz Rohz, que prevê uma produção livre de chumbo e de outras substâncias perigosas como o Mercúrio, o Cádmio e o Cromo Hexavalente. Nessa parte do processo foram investidos R$ 3 milhões, principalmente na readequação da linha de produção, a expectativa é que até o final de 2008 a fabricação de equipamentos seja totalmente dentro da Diretriz Rohz.

O cenário traçado pela gerente da Itautec, no entanto, não é animador: uma pesquisa do WWF do começo da década afirma que o homem já consome 25% mais do que a natureza pode suportar, são mais de 300 milhões de equipamentos eletrônicos obsoletos, perigosos e sem destino seguro. No Brasil, nos próximos anos, espera-se um descarte de dezenas de milhões de TVs de tubo, isso por causa da substituição dos aparelhos tradicionais pelas telas de Plasma e LCD. Cada um desses televisores trás até quatro quilos de óxido de chumbo. Para Furukama, o consumidor baseia a sua compra em preço e tecnologia agregada, e não considera questões ambientais, e isso dificulta ainda mais a adoção de medidas ambientais: a produção dentro do padrão Rohz costuma ser em média 2% mais cara que a convencional.

Apesar das barreiras, Furukama fala também sobre algumas motivações para produzir com menos substâncias tóxicas: 14 estados brasileiros adotaram recentemente legislações sobre esse tema, o mercado de reciclagem está em evolução e é cada vez mais comum instituições como a USP incluírem características ambientais em editais e processos licitatórios.

Entre muitas perguntas da platéia, Furukama terminou sua fala provocando: "Existe uma diferença entre consciência e comprometimento, não basta estar ciente de algo, você precisa colocar sua consciência em ações práticas".

No final do evento foi oferecido um "coquetel sustentável" a base de produtos orgânicos e tipicamente brasileiros: bolinhos de parmesão com recheio de cenoura, empadas finas com creme de mandioquinha, palitos de gergelim com purê de queijo, bolo de maracujá e muffin de banana com gengibre; para beber, suco orgânico de goiaba e de manga.

Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br