ISSN 2359-5191

04/12/2008 - Ano: 41 - Edição Nº: 138 - Educação - Estação Ciência
Célula gigante ensina a adolescentes os segredos do funcionamento da vida

São Paulo (AUN - USP) -Uma célula com 40 metros cúbicos de volume. Com relação à estrutura, idêntica às células do corpo humano, mas, 130 mil vezes maior. ? assim que o Centro de Estudos do Genoma Humano, ligado ao Instituto de Biociências da USP, ensina a alunos do ensino médio o funcionamento da unidade básica da vida.

Criado em 2006, o Projeto Célula Gigante consiste em uma estrutura que reproduz o interior de uma célula humana, com todas as suas organelas, como o núcleo, o complexo de Golgi, as mitocôndrias e outras. Dessa forma, alunos e professores podem caminhar por dentro da célula, tornando acessível uma realidade antes distante, sobretudo pelo fato de ser microscópica.

??O funcionamento celular é difícil de ser visualizado. Se a célula for ensinada com base em um modelo composto apenas por nomes, fica algo sem significado para os alunos. Eles precisam ter essa noção de tridimensionalidade, além de associar os nomes às funções que as organelas desempenham no corpo, tendo como meta a compreensão da formação da vida?, explica a professora Eliana Dressen, coordenadora do projeto Célula Gigante.

A célula é um cenário itinerante e já passou por mais de 20 escolas, tanto em São Paulo quanto em outros estados. Alunos de graduação ou pós-graduação ficam responsáveis por monitorar as visitas, explicando aos visitantes o funcionamento das organelas que compõem o ambiente celular.

Atualmente a estrutura se encontra desmontada para reparos. ??Uma célula itinerante tem vantagens e desvantagens?, diz Eliana. ??Ela é funcional porque pode ser levada para qualquer canto, porém, depois de tantas viagens, os materiais se desgastam?.

A professora declara que a intenção do projeto é desenvolver, para o próximo ano, uma célula fixa, que ficará exposta na Estação Ciência, além de renovar a itinerante. Caso as escolas se interessem em abrigar a célula móvel para visitação dos alunos, devem entrar em contato com o Centro de Estudos do Genoma Humano, por meio de sua página na internet (genoma.ib.usp.br). Basta acessar o link ??Contatos? e enviar uma mensagem por meio do site.

Eliana ressalta que as instituições de ensino que desejarem trazer a célula às suas dependências deverão apresentar ao Centro um projeto pré-elaborado das atividades que pretendem desenvolver. A escola deverá se responsabilizar, inclusive, pelas pessoas que ficarão responsáveis por orientar os visitantes.

Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br