ISSN 2359-5191

29/12/2008 - Ano: 41 - Edição Nº: 153 - Economia e Poltica - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
De conglomerados industriais a centro de idéias

São Paulo (AUN - USP) - ??Barulho, poluição, trânsito, aglomeração e grandes construções?. Essas são as principais imagens citadas pelas pessoas que tentam descrever as metrópoles. Aquela idéia ligada à produção fabril que guiou o surgimento das cidades durante a Primeira Revolução Industrial já não faz mais sentido.

Naquela época, as cidades tinham como principal função concentrar mão-de-obra e mercado para as indústrias. Hoje, a história mudou. O economista, Ciro Biderman, em palestra na Faculdade de Economia e Administração da USP, afirmou que ??na configuração atual, as indústrias saem das grandes cidades e dão lugar à produção de alta tecnologia?. Ele considera que atualmente, as cidades são centros de disseminação idéias.

Essa desconcentração industrial teve início, no Brasil, na década de 80. Até os anos 70, a região metropolitana de São Paulo era responsável por cerca de 80% do valor da produção de todo o Estado. Já nos anos 90, aconteceu o esvaziamento do território metropolitano e as cidades do interior passaram a atrair as indústrias, por oferecer condições mais vantajosas como mão-de-obra barata e incentivos fiscais.

Hoje, a região da capital paulista é responsável por menos de 60% da produção industrial do Estado. Porém, a cidade ainda tem um papel diretor na dinâmica espacial e sócio-econômica. Ela executa o comando das atividades ligadas à produção e à gestão da informação, que agora faz da metrópole paulista um importante centro informacional.

As melhores universidades brasileiras estão concentradas em grandes centros produtores de tecnologia. Regiões como a de São Paulo, São José dos Campos, Campinas e Ribeirão Preto são pólos de disseminação de idéias e pesquisas acadêmicas. Nessas regiões estão instaladas centros de excelência e desenvolvimento. Tanto é assim que, os dez maiores centros urbanos do país são responsáveis pelo registro de 80% das patentes de produtos em território nacional.

Para o professor da Escola Politécnica da USP, Orlando Strambi, as metrópoles enfrentam uma disputa por espaço. Essas grandes cidades só existem porque há a demanda por proximidade. ??As pessoas demandam por estar juntas. Querem um local onde seja possível a troca de idéias sem que haja grandes distâncias entre as pessoas.?, diz o especialista.

As metrópoles perderam as características que fizeram delas centros globais de produção industrial no começo do século passado. De fato, hoje, elas são clusters de aprendizado e especialização, e é justamente por isso que elas não deixarão de crescer. ??Por essa expansão ser inevitável, temos que fazer a cidade crescer para o lado certo, orientando as diretrizes do trânsito, poluição e intensificando a troca de idéias e informações?, conclui Orlando Strambi.

Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br