ISSN 2359-5191

30/12/2008 - Ano: 41 - Edição Nº: 154 - Saúde - Faculdade de Medicina
Medicina de viagem ganha espaço

São Paulo (AUN - USP) -Vêm ganhando importância nos últimos tempos os cuidados médicos que as pessoas devem ter antes de viajar. Planejar as vacinas necessárias e atentar para doenças que podem ser contraídas nos percursos ou nos locais visitados é uma tarefa da chamada medicina de viagem, uma especialização da área.

A questão atrai diversos médicos que têm se dedicado a estudar e trabalhar em formas de melhor garantir uma viagem segura aos pacientes. ??Acho que dentro de pouco tempo seremos uma área da medicina?, diz Jaime Luis Lopes Rocha, ex-professor da Universidade Federal do Paraná e dono de um consultório exclusivo para viajantes.

Como forma de estudar mais a fundo o tema, Rocha e outros participaram de um simpósio recente realizado na Faculdade de Medicina da USP com o intuito exclusivo de debater a medicina de viagem em seus diversos aspectos. Entre outros assuntos, se colocou a importância da vacinação dos viajantes.

As vacinas se dividem em três tipos de necessidade, para os quais o médico deve orientar seus pacientes. A obrigatória é aquela que é requisitada por organismos internacionais do setor, e hoje abrange apenas a imunização contra febre amarela quando o viajante vai estar em alguma área de risco.

Outro tipo são as vacinas de rotina, aquelas que constam do calendário básico da saúde pública, como sarampo e tétano, mas que ganham importância em viagens para áreas mais afastadas, nas quais o acesso a elas é difícil. Por último há ainda as vacinas recomendadas apenas para viajantes, das quais a mais importante é a da Hepatite A, doença que atinge três em cada mil turistas.

Um outro problema comum com viajantes é a diarréia, que atinge de 30% até 60%, número que na América Latina chega a dois em cada três viajantes. Rocha recomenda que se atente principalmente para a qualidade da comida consumida nas viagens, já que não há uma vacina única que previna o problema. Devido a importância da medicina de viagem, o Ministério da Saúde já discute o tema. Um grupo criado pela Secretaria de Vigilância em Saúde vêm estudando formas para criar uma política de saúde para viajantes, com o estabelecimento de normas e procedimentos para otimizar a vacinação dessas pessoas.

??Não temos um atendimento igualitário porque dependemos dos técnicos? diz o representante do Ministério da Saúde, Cristiano Gregis, que completa defendendo a criação de normas técnicas. Segundo ele, até janeiro as recomendações do ministério estarão prontas.

Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br