ISSN 2359-5191

08/12/2009 - Ano: 42 - Edição Nº: 95 - Saúde - Escola de Educação Física e Esporte
Apenas exercício aeróbio não basta para saúde de idosos

São Paulo (AUN - USP) - Existem provas científicas de que a prática de atividades físicas aumenta a expectativa de vida. Porém, os exercícios mais adotados por quem busca uma saúde melhor, como caminhada e corrida, não bastam para que idosos tenham maior longevidade e possam executar determinados movimentos no dia-a-dia.

Para o professor Carlos Ugrinowitsch, da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP, a condição essencial para a vida é evitar a perda de massa muscular com o envelhecimento. ??Quem só anda e corre não preserva a massa muscular. Para não perder funcionalidade, pessoas com mais de 65 anos devem fazer mais que exercícios aeróbios?, afirma Ugrinowitsch. A funcionalidade depende da manutenção do nível de força muscular, que diminui naturalmente com o passar dos anos, em processo denominado sarcopenia.

Diversas pesquisas recentes buscam estudar doenças em que ocorre perda de massa muscular e, consequentemente, de força. Ao envelhecer, as fibras enfraquecem, tornam-se mais suscetíveis a danos musculares e demoram mais para se recuperarem. A missão de pesquisadores é desenvolver programas de exercícios que aumentem a funcionalidade dos músculos em idosos.

??Buscamos proporcionar uma vida saudável e autônoma ao idoso, sem nenhuma deficiência. No caso, deficiência é qualquer limitação para executar tarefas diárias, por mais simples que elas sejam?, explica Ugrinowitsch. O ser humano produz força, potência e resistência, que são ligadas ao tecido muscular. O envelhecimento faz com que as produções diminuam e o idoso passa a fazer menos atividades físicas, o que aumenta suas deficiências. A ocorrência de quedas de idosos durante o banho, por exemplo, é altamente relacionada à perda de força, pois ela diminui a densidade mineral óssea no ser humano. Para o professor, esse ciclo deve ser interrompido com exercícios físicos.

??Duas semanas na cama podem ocasionar perda de 5% do volume muscular em uma pessoa idosa. Primeiramente, é importante realizar qualquer tipo de exercício, desde pendurar uma roupa no varal a subir escadas. Depois, pode-se procurar uma atividade específica para evitar a perda de massa?, conclui Ugrinowitsch. Em sua publicação mais recente o professor estudou pessoas de 72 anos que não fizeram nenhuma atividade física durante cinco anos e outras que se exercitaram dois anos e depois pararam. Mesmo após três anos de sedentarismo, a massa muscular estava 15% maior em relação ao início dos estudos. No outro grupo, que se manteve inativo durante todo o período analisado, houve queda de 12% de massa, provando que, independente da frequência, o importante é dedicar alguns momentos à prática de exercícios.

Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br