ISSN 2359-5191

19/09/2011 - Ano: 44 - Edição Nº: 86 - Sociedade - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas
Duas visões de um rearranjo político
Seminário expõe as ideias opostas de Habermas e Dahrendorf sobre a reunificação alemã e a Europa atual

São Paulo (AUN - USP) - Há cerca de 20 anos, a geopolítica mundial sofreu repentina reviravolta. Com a queda do chamado Bloco Comunista, liderado pela União Soviética, seus países-membros foram forçados a se inserir numa economia de mercado. Como qualquer evento histórico, essa transformação é avaliada até hoje das mais diferentes maneiras por vários intelectuais. Duas dessas possíveis avaliações foram expostas na última quinta-feira, 1º de setembro, por Gangolf Hübinger, professor titular de História Contemporânea Comparada da Europa-Universität Viadrina, em Frankfurt, Alemanha, no seminário "Jüergen Habermas e Ralf Dahrendorf. Intelectuais Alemães Ocidentais e a Revolução de 1989", realizado na FFLCH. A apresentação expôs a antiga polêmica entre os dois sociólogos quanto ao significado da reunificação alemã e do rearranjo político europeu.

Não seria exagero dizer que os dois intelectuais representam visões opostas da reunificação, resultado de posicionamentos ideológicos antagônicos. Enquanto muitos alemães celebravam a unificação com o slogan ??Nós somos o povo; nós somos UM povo?, Jürgen Habermas apresentava uma visão muito mais sombria dos acontecimentos. Além de considerá-la vazia e ??sem ideias para o futuro?, o sociólogo reclama acima de tudo da hegemonia do oeste capitalista, o qual, nas suas palavras pretendia ??comprar a República Democrática Alemã (Alemanha Oriental)?.

O intelectual defendia a elaboração de uma nova constituição, com base na consulta de todo o povo do país, como previsto pelo artigo 146 da constituição então vigente na Alemanha Ocidental. ??Devemos dar à tarefa de re-legitimação da República Federal como uma nação de cidadãos, ele [Habermas] argumenta, todo o tempo necessário?, explica Hübinge. No entanto, não era isso que estava acontecendo na opinião do pensador, que via os alemães ??desperdiçar sua oportunidade histórica? de realizar a tarefa descrita.

No outro extremo, encontramos Ralf Dahrendorf, defensor ferrenho do liberalismo e decididamente favorável ao processo de reunificação. ??Sua tese era a de que a antiga República Federal (Alemanha Ocidental) estava seguindo um caminho árduo, mas legítimo em direção a tornar-se uma sociedade de cidadãos baseada em um patriotismo constitucional ativo?, diz Hübinger. Enquanto Habermas almejava o fim da sociedade de dominação então vigente em favor de um contrato social mais horizontal, Dahrendorf via essa substituição como algo impossível e enxergava com olhos otimistas a unificação nos moldes em que foi realizada. ??Nas revoluções de 1989, Dahrendorf vê um prospecto de oportunidades econômicas, demandas políticas e inclusão social melhorando a qualidade de vida para comunidades políticas?, explica Hübinger.

Outro ponto de discordância entre os pensadores diz respeito ao papel da Europa no globo. Dahrendorf criticava abertamente a idéia de Habermas de Europa pós-nacional. Hübinger cita o primeiro: ??Na Europa atual, o Estado nacional ainda é o espaço no qual os direitos fundamentais de todos os cidadãos são garantidos e os alemães ocidentais devem orgulhar-se de poder estender seu estado legítimo a 16 milhões de alemães orientais?. O pensador opunha-se também à constituição de um bloco europeu essencialmente antagônico a Washington. Enquanto Habermas celebrava os protestos populares contra a Guerra do Iraque em 2003 como uma ??declaração de independência da Europa?, seu rival afirmava ceticamente: ??Cada tentativa de definição da Europa contra os Estados Unidos só vai separá-la, em vez de uni-la?.

??Dahrendorf e Habermas criticam-se ferinamente, mas com respeito?, afirma Hübinger. Com suas idéias opostas contribuíram para o debate político da atualidade (o segundo, ainda vivo, continua publicando teses e análises) em um continente que já dominou o mundo e tenta, hoje, redefinir seu papel e permanecer relevante nas esferas política e econômica.

Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br