ISSN 2359-5191

18/08/2015 - Ano: 48 - Edição Nº: 77 - Ciência e Tecnologia - Instituto de Matemática e Estatística
Desenvolvimento de superfícies interativas incorpora novas utilidades para computação
Pesquisa de mestrado do IME-USP cria superfície ??mágica? interativa que traz a computação para o ambiente físico

O ramo da computação ubíqua prevê que o poder computacional esteja sempre presente no cotidiano do ser humano, de forma que máquinas percam suas fisionomias típicas e integrem ao ambiente de maneira interativa. A máquina computacional, portanto, tornar-se-ia imperceptível, adquirindo interfaces e designs inovadores. Nesse sentido, surgem as superfícies interativas, projetos com o objetivo de facilitar o cotidiano através de técnicas computacionais.

Utilizando conhecimentos do ramo da computação ubíqua, o pesquisador Alexandre Martins Ferreira de Sousa desenvolveu seu projeto de mestrado “Superfície Mágica: criando superfícies interativas por meio de câmeras RGBD e projetores”, este ano, orientado pelo professor Carlos Hitoshi Morimoto, do Instituto de Matemática e Estatística (IME-USP). “Durante a pesquisa, desenvolvemos uma série de algoritmos e de modelos matemáticos que permitem adicionar, a superfícies comuns, computação e interação”, explica Alexandre. Além dos modelos matemáticos, um software especial para equipamentos como câmeras e projetores foi desenvolvido.

Superfície Mágica

O pesquisador explica que, atualmente, em computação pessoal, o computador é delimitado a certas formas físicas que já estamos muito habituados, como notebooks, smartphones, entre outros. “A capacidade dos computadores aumentou muito nos últimos tempos, porém, a forma como interagimos com eles pouco tem avançado”, conta Alexandre. Portanto, considerando essa nova realidade e uso da computação além dos ambientes de trabalho, o estudo e a pesquisa acerca de novas formas de interação computacionais tornam-se interessantes.

Uma nova forma de interação desenvolvida por Alexandre em sua pesquisa foi a Superfície Mágica. A partir de estudos de como possibilitar a união do mundo virtual com o real e explorando formas de interação inspiradas em habilidades humanas como desenhar, gesticular e agarrar, a Superfície Mágica transforma uma superfície comum (por exemplo, uma mesa rígida e opaca) em um espaço interativo multi-toque.

Toca-se uma parede com os dedos das mãos/Risca-se uma parede com uma caneta colorida. Crédito: Alexandre Martins

Através de modelos matemáticos, “a superfície ganha ‘inteligência’ de modo a saber quando, onde e por qual objeto ela é tocada”, explica Alexandre. Dessa forma, ela identifica toques de dedos de mãos, de canetas coloridas e de um apagador, oferecendo também suporte a uma varinha mágica para interação 3D.

A Superfície Mágica suporta a execução de aplicativos, permitindo que a superfície utilizada se transforme em uma área interativa para desenho, em um explorador de mapas, simulador 3D para navegação em ambientes virtuais, além de outras diversas possibilidades. Visto isso, as aplicação do sistema vão desde áreas educacionais até artísticas e do entretenimento. A instalação do protótipo envolve um sensor Microsoft Kinect, um projetor de vídeo e um computador pessoal.

Para saber e entender mais sobre o projeto, assista ao vídeo produzido pela AUN TV abaixo:






Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br