ISSN 2359-5191

12/08/2016 - Ano: 49 - Edição Nº: 102 - Arte e Cultura - Instituto de Estudos Brasileiros
O silenciamento e o protagonismo no samba paulista
Pesquisa de Lucas Marchezin analisa como os sambistas são vistos pela cidade e como o samba e seus espaços são construídos nela.
Solano Trindade, organizador do Teatro Popular Brasileiro que uniu grandes sambistas em São Paulo, buscava ??pesquisar na fonte e devolver ao povo na forma de arte?.



“Silêncio

O sambista está dormindo

Ele foi mas foi sorrindo

A notícia chegou quando anoiteceu

Escolas eu peço o silêncio de um minuto

O Bexiga está de luto

O apito de Pato n'água emudeceu”

A canção Silêncio no Bexiga, escrita por Geraldo Filme, relata a morte de Pato n’Água, apitador de bateria da Vai-Vai, escola de samba que ajudou a fundar no Bexiga. A canção está no álbum Plínio Marcos em Prosa e Samba com Geraldo Filme, Zeca da Casa Verde e Toniquinho Batuqueiro, e é objeto de pesquisa do historiador Lucas Tadeu Marchezin, pelo Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Uma de suas hipóteses é a invisibilização de alguns personagens, como a do sambista em São Paulo, considerando sua classe social e sua negritude, como observamos no verso “e é mais um que foi sem dizer adeus”. Para comprovar essa hipótese, Lucas analisa não só a letra das canções, mas também a forma de cantar, a estrutura melódica e rítmica, assim como as intervenções de Plínio Marcos entre as canções.

A proposta inicial de Marchezin vem do nome original da pesquisa: a ideia de estudar a história do samba em São Paulo e sua formação. Esse recorte tem a ver com sua formação como historiador. Entretanto, no decorrer de sua pesquisa encontrou outros pontos interessantes além do estudo da construção histórica, uma vez que a marginalização do samba paulista frente ao carioca deriva também da imagem que a cidade construiu para si: a cidade do progresso e do trabalho, sem se mencionar que esse desenvolvimento nasce da intensificação das desigualdades sociais urbanas. Assim, há não somente um silenciamento do samba de São Paulo, mas também dos seus agentes de produção. A alteração se deu também no título da pesquisa: de Os bambas da Pauliceia: o samba e os espaços de sociabilidade populares na cidade de São Paulo para Um samba nas quebradas do mundaréu: a história do samba paulista na voz de Geraldo Filme, Zeca da Casa Verde, Toniquinho Batuqueiro e Plínio Marcos (veja matéria publicada anteriormente pela AUN).

O narrador e os silenciados

Plínio Marcos, que assume papel de narrador, ganha um protagonismo que o coloca à frente dos demais. Por isso, o pesquisador busca entender como os outros sambistas aparecem na obra, encontrando pistas nas análises dos trechos musicais que refletem experiências deles, uma vez que a estrutura rítmica e a melodia também são encaradas como forma de fala. “Existe um protagonismo e um silenciamento, isso são partes de um mesmo problema, tem a ver com o fato da gente viver numa sociedade estruturalmente racista e de classes, é preciso fazer essa crítica, mas também é preciso pensar como a voz desses sambistas aparecem na obra'”, explica.

A problemática vem do protagonismo conferido a Plínio, artista branco, e da posição secundária conferida aos sambistas, sobretudo pela crítica. Geraldo, por exemplo, participava dos eventos do Teatro Popular Brasileiro, organizado por Solano Trindade, que tinha forte atuação no movimento negro e no Partido Comunista, e trazia essa experiência temática nas suas canções. Marchezin entrevistou Raquel Trindade, filha de Solano, com quem pode confirmar o mote do dramaturgo: “pesquisar na fonte e devolver ao povo na forma de arte”. Tal pensamento casa com sua pesquisa, uma vez que esses eventos em espaços próprios dessa cultura reforçavam os espaços de sociabilidade, que possibilitavam a discussão dessa problemática e da criação de encontros como os de Geraldo. Desde modo, o sambista pôde registrar no álbum o que é ser negro dentro de uma perspectiva de transformação social em São Paulo, explicitando não só a cultura popular negra mas também esse processo de transformação.

Documentário O Legado de Solano Trindade

Na mesma linha, Zeca da Casa Verde e, principalmente, Toniquinho também são estudados. Uma vez que o ritmo paulista tem origens no interior, as referências rurais e elementos como o samba de bumbo encontrados na obra tem grande importância para a construção da narrativa musical e de marcos na cultura popular.

A criação de espaços e memórias em São Paulo

Lucas também trabalha na articulação entre uma memória histórica e uma memória coletiva, fundada a partir da experiência de grupos distintos e suas relações com o universo do samba, e como esses elementos se mesclam na construção de uma memória social sobre o samba de São Paulo, trazendo a discussão sobre a existência de um samba tipicamente paulista, diferente do carioca, com origem própria (das manifestações rurais), que se relaciona com determinadas experiências históricas, como a cena cultural na região de Embu das Artes.


Atualmente, de acordo com Marchezin, existem diversos espaços de sociabilidades da cultura negra, ilustradas, por exemplo, nas diversas escolas de sambas em diferentes regiões da cidade, o que mostra que essa temática não se prende somente à década de 70, na criação do álbum ou na oficialização do Carnaval paulista. "No fundo o que torna mais interessante toda essa discussão é pensar que essa discussão sobre a história do samba na cidade de São Paulo, as perspectivas dessa história ‒ que são perspectivas sobre a cidade, sobre o que é ser pobre e periférico, sobre o que é ser negro ‒ não é uma questão que deixou de existir, isso está em pauta ainda”, explica. “E essa memória social do samba não é só construída por aqueles que pesquisaram, mas também pelos seus agentes, é nessa relação que se constrói a memória, e isso ainda está em jogo".

Leia também...
Nesta Edição
Destaques

Educação básica é alvo de livros organizados por pesquisadores uspianos

Pesquisa testa software que melhora habilidades fundamentais para o bom desempenho escolar

Pesquisa avalia influência de supermercados na compra de alimentos ultraprocessados

Edições Anteriores
Agência Universitária de Notícias

ISSN 2359-5191

Universidade de São Paulo
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Repórteres
Alunos do curso de Jornalismo da ECA/USP
Editora de Conteúdo
Web Designer
Contato: aun@usp.br