HOME II BIENAL CALENDÁRIO APRESENTAÇÕES TEXTOS PARCEIROS EXPEDIENTE CONTATO
Arquitetações do lembrar e do esquecer
(Espetáculo: Villa)

Texto por Maria Eugênia de Menezes, publicado originalmente em Teatro Jornal

Memória e esquecimento são os componentes com os quais Guillermo Calderón construiu Villa + Discurso. Originalmente, o diretor e dramaturgo chileno – talvez o mais destacado de sua geração – concebeu a peça como um díptico. Ao lado de Villa, encenada pelo mesmo elenco, aparecia também Discurso, um fictício pronunciamento de Michelle Bachelet no momento em que se preparava para deixar a Presidência. Sua fala contundente, na qual transformava em palavras tudo aquilo que os políticos costumam deixar em silêncio, vinha lidar com as feridas que a ditadura de Augusto Pinochet deixou sobre uma mulher, sobre sua conduta política, sobre o Chile – a herança neoliberal da ditadura e as possibilidades de futuro.

Na Bienal Internacional de Teatro da USP, Villa foi apresentada de forma independente. Talvez, porque Bachelet esteja de volta ao poder. Talvez, porque seu discurso, hoje, seria de retorno e não de despedida. Especulações à parte, fato é que Villa funciona como obra autônoma. Lidando com o real, olhando a barbárie em seus detalhes mais prosaicos. Transcendendo, porém, a discussão sobre os horrores da repressão ao olhar para o complicado equilíbrio entre lembrar e esquecer.

Qual o sentido de se falsear o passado com um cópia do antigo centro de horrores? A simples tentativa de simular o que se passou não é uma violação?

Ao redor de uma mesa, três jovens mulheres (interpretadas por Francisca Lewin, Macarena Zamudio e Maria Paz Gonzalez) devem decidir o que fazer com os resquícios da Villa Grimaldi, o maior centro de tortura e extermínio do período Pinochet. As razões para terem sido elas, todas de nome Alejandra, as escolhidas para tal missão só se esclarecem ao longo da encenação. Mas é menos nesse mistério e mais na palavras que escolhe para compor esse percurso que Calderón sobressai.

No ascético cenário, reduzido ao mínimo, as três mulheres debatem as possíveis destinações da Villa. Estamos no terreno do realismo, mas não podemos observar a construção de personagens em sua acepção clássica: desconhecemos seus passados, seus conflitos, seus desejos. E, mesmo quando suas origens são reveladas, não faria sentido supor que alguma “verdade interior” da personagem virá à tona. Não há “mundo subjetivo” a ser revelado. Há discursos a serem sustentados. Há visões de mundo, ideias, possibilidades. Um pêndulo, incessante, entre passado e futuro.

Existem, inicialmente, duas opções em debate: reconstruir a edificação da Villa Grimaldi tal como era antes (hoje, restam apenas escombros do prédio original) ou fazer um museu no local. Um centro de memória que poderia contar o que se passou durante o período de tortura, lembraria aqueles que lá passaram e poderia trazer a arte para suavizar esse quadro.

Incontáveis são os argumentos contra e favor a cada uma das teses. Qual o sentido de se falsear o passado com um cópia do antigo centro de horrores? A simples tentativa de simular o que se passou não é uma violação? A experiência não pode ser repetida. Não será por meio de uma cópia do cenário que se repetirá a vivência. Contudo, se o espaço não for reconstruído, mas modificado, transformado em espaço museológico, não estariam a ‘embelezar’ o que deveria ter sido mantido em sua crueza e horror?

Tudo poderia resultar em mero exercício de oratória. Um ziguezague infinito de elucubrações. Mas Villa se faz da incapacidade de encontrar uma solução pacificadora. Não há meios de se apagar o que passou. Nem de se vingar. Tampouco de reviver indefinidamente o que já aconteceu. Todas as torturas, todas as mortes fizeram um rasgo no tempo. Ficaram ali, aprisionadas. Ainda que continuem a reverberar.

A memória e o esquecimento. A luta e a conciliação. Ficar ou seguir? A obra de Guillermo Calderón propõe ficar e seguir. É evidente a conotação política de seu teatro. Em duas criações anteriores do autor, Neva e Dezembro, esse vínculo com a dimensão histórica já se colocava. E nelas também o bordado intrincado que tece entre o público e o indivíduo. A dimensão social se dá para cada um e de maneira particular. O que não nos leva a pensar que todos os fatos são relativos e todas as verdades passíveis de desconstrução. Não o assalta a histeria relativista da contemporaneidade. Mas todas as ideias, ao fim, parecem mesmo estar meio fora de lugar.

.:. Escrito no contexto da II Bienal Internacional de Teatro da USP (27/11 a 18/12).

Ficha técnica:
Direção e dramaturgia: Guillermo Calderón
Assistência de direção: María Paz González
Com: Francisca Lewin, Macarena Zamudio e María Paz González
Direção de arte: María Fernanda Videla
Produção: Fundación Teatro a Mil (Fitam) e Compañía Teatro Playa

Baixe a Agenda ou o Catálogo completo da II Bienal
CALEN-
DÁRIO
22h
27 NOV
2015
Brasil
Espetáculo: Anatomia do Fauno
Sp Escola – Roosevelt
17h
28 NOV
2015
Brasil
Abertura da Bienal: Maria Arminda do Nascimento Arruda
TUSP - Teatro da USP
17h
28 NOV
2015
México
Conferência: Alberto Villarreal
TUSP - Teatro da USP
20h
28 NOV
2015
México
Espetáculo: O Rumor do Incêndio
TUSP - Teatro da USP
22h
28 NOV
2015
Brasil
Espetáculo: Anatomia do Fauno
Sp Escola – Roosevelt
20h
29 NOV
2015
México
Espetáculo: O Rumor do Incêndio
TUSP - Teatro da USP
CARREGAR MAIS
apoios /
parce-
rias /
agrade-
cimen-
tos

Agradecimentos Abílio Tavares, Abril Alzaga, Adriana Fragalle Moreira, Aline Rosa Lopes Santana Barros Dezio e equipe de compras Reitoria/USP, Beatriz Elena Paredes Rangel, Camila Rodrigues, Camilla de Carli, Carla Estefan, Cecílio de Souza, Celso Frateschi, Centro de Estudos Migratórios, Consulado Geral do México em São Paulo, Eduardo Alves, Elen Londero, Embaixada do México no Brasil, Flavio Desgranges, Flávio Pontes, Gabriel Salles, Giuliana Simões, Grupo Coordenador de Atividades de Cultura e Extensão Universitária do Campus de São Carlos, Guilherme Marques, Hamilton de Castro Teixeira Silva, Ileana Dieguez, Inerte, Ivam Cabral, Jean Carlo Cunha, João Marcos de Almeida Lopes, José Gerardo Traslosheros Hernández, Kil Abreu, Leticia Carvalho, Limão Rosa Café e Duilio Ferronato, Luis Carlos da Conceição, Mara Célia Ramos Teixeira, Marcelo Denny, Marcelo D’Avilla, Maria Arminda do Nascimento Arruda, Maria Fernanda Vomero, Mario Espinosa, Missão Paz, Movimento dos Teatros Independentes de São Paulo, Oscar Soberane Benítez, Pe. Antenor Dalla Vecchia, Pe. Paolo Parisi, Pedro Granato, Ricardo Pettine, Sandra Cristina Campos, Sesc Santos, Socorro Barbosa, Sonia Gra etti, Sonia Sobral, SP Escola de Teatro, Stenio Ramos, Sylvia Caiuby Novaes, Sylvia Moreira, Tuca Capelossi, Valdecir Gouvea, Valdir Previde, Vicente Mattos e Valmir Santos.