HOME II BIENAL CALENDÁRIO APRESENTAÇÕES TEXTOS PARCEIROS EXPEDIENTE CONTATO
TEXTOS
O humor de um teatro cínico
Em 1988, circulou no Brasil uma propaganda dos publicitários da conhecida agência W-Brasil (aquela da canção do Jorge Bem) para o jeans Staroup intitulada Passeata. Jovens vestindo calças jeans da referida marca fugiam da polícia que tentava dispersar...
Daniele Avila Small, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
O espectador, um intruso
A tarefa a cumprir neste breve texto é fazer uma crítica de Stereo Franz, peça do grupo[pH2]: estado de teatro, que está na programação da II Bienal de Teatro da USP. A peça parte de Woyzeck, de Georg Büchner, texto muito usado no teatro por grupos...
Daniele Avila Small, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Cubalândia traça imagens da decadência
As dimensões territoriais de Cuba são inversamente proporcionais às paixões que essa ilha já despertou em gente de todo mundo. O cromatismo afetivo compõe um paradoxo de julgamentos, o que inclui sua própria população. Da revolução socialista à...
Ivana Moura, para Horizonte da cena
CONTINUAR LENDO
A dívida como horizonte, herança e história
Crítica do espetáculo “O que fazíamos em 1985?”, das companhias [pH2| Estado de Teatro (Brasil), La Maldita Vanidad (Colômbia) e Lagartijas Tiradas al Sol (México) Há, decerto, uma lógica perversa que permeia a prática de empréstimos e a...
Daniel Toledo, para Horizonte da cena
CONTINUAR LENDO
Arquitetações do lembrar e do esquecer
Memória e esquecimento são os componentes com os quais Guillermo Calderón construiu Villa + Discurso. Originalmente, o diretor e dramaturgo chileno – talvez o mais destacado de sua geração – concebeu a peça como um díptico. Ao lado de Villa,...
Maria Eugênia de Menezes, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Estar só: uma crença anacrônica
Não é sem dificuldades que procuro fazer uma aproximação crítica com Bravíssimo, espetáculo solo de Ricardo Guilherme apresentado na SP Escola de Teatro na programação da Bienal de Teatro da USP. Assistindo ao espetáculo, tudo me parecia...
Daniele Avila Small, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
É preciso estar atento e forte
Crítica do espetáculo “O Rumor do Incêndio”, do grupo Lagartijas Tiradas al Sol (México). A concentração do poder em poucas mãos e as variadas táticas desenvolvidas, ao longo da história, para redistribuí-lo servem como eixo ao espetáculo “O...
Daniel Toledo, para Horizonte da cena
CONTINUAR LENDO
Teatro historiográfico do presente
A primeira coisa que me chama a atenção em O rumor do incêndio, do grupo mexicano Lagartijas Tiradas al Sol, que se apresenta neste novembro de 2015 na II Bienal de Teatro da USP, é a ideia de um projeto artístico. Pode parecer uma coisa óbvia, que...
Daniele Avila Small, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
De imagens, estados, belezas e vaidades
Em cartaz na SP Escola de Teatro e integrando a programação da II Bienal de Teatro da USP, Anatomia do Fauno do Teatro da Pombagira – Coletivo de Criadores apresenta uma dramaturgia de estados com imagens da vida sexual homoafetiva na solidão da vida...
Daniele Avila Small, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Um grito parado no olhar
A dramaturga, atriz e pesquisadora Nina Caetano dispensa a função de porta-voz que fala pelo outro, em geral um sujeito institucionalizado, e transforma a mudez em ato ressonante. Misto de denúncia e metáfora, a performance O Espaço do...
Valmir Santos, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
O indivíduo e o processo histórico
O futuro dos museus está dentro de nossas próprias casas”, prognostica o escritor Orhan Pamuk, autor de O museu da inocência (2008). O romancista turco reivindica a escala humana para as instituições fixadas em narrativas nacionais, de Estado, em...
Valmir Santos, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Formas para a transgressão e a reintegração
Crítica de “Notas de Cocina”, do grupo Teatro do Embuste (Colômbia). No acúmulo das cenas de “Notas da Cocina”, o grupo colombiano Teatro do Embuste segue linhas do texto do dramaturgo argentino Rodrigo García para percorrer alguns dos desvios do...
Luciana Romagnolli, para Horizonte da cena
CONTINUAR LENDO
Esse silêncio grita por humanidade
Em média, 13 mulheres são assassinadas por dia no Brasil. Uma a cada duas horas, segundo o Mapa da Violência Contra a Mulher. Os dados são alarmantes, mas essa realidade pode ser ainda pior. As políticas públicas são insuficientes para barrar a cultura...
Ivana Moura, para Satisfeita, Yolanda?
CONTINUAR LENDO
“Muertos que no hacen ruído” ou Em defesa da...
Crítica do espetáculo Stereo Franz, da companhia [pH2] Estado de Teatro (São Paulo) Logo de início, já se percebe que há algo de estranho na banda que recebe o público do espetáculo Stereo Franz, realizado pela companhia [pH2] Estado de Teatro, de...
Daniel Toledo, para Horizonte da cena
CONTINUAR LENDO
Os discursos do corpo
Fiel aos preceitos da performance, o La Pocha Nostra preocupa-se, essencialmente, com a criação de imagens em Spiritus Mundi versus Aztec Ouroborus. Na obra que foi apresentada dentro da programação da II Bienal Internacional de Teatro da USP, o grupo...
Maria Eugênia de Menezes , para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Tessitura de tempos históricos
Do trio de solos trazidos pelo cearense Ricardo Guilherme à II Bienal Internacional de Teatro da USP, Ramadança é o mais arriscado. Trata-se de um experimento de hibridização de linguagens, como já indica a palavra dança embutida no título, e há...
Beth Néspoli, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Entre projeto e realização
Projeto 85 – A dívida em três episódios é o resultado do projeto idealizado pelo grupo [pH2]: estado de teatro, de São Paulo, com a companhia La Maldita Vanidad, da Colômbia, e oLagartijas Tiradas al Sol, do México. O espetáculo apresentado no...
Daniele Avila Small, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Pela livre circulação de identidades complexas
No recém-inaugurado Centro Compartilhado de Criação, na Barra Funda, em São Paulo, as pessoas tomam um café, bebem uma cerveja, se reúnem em pequenos grupos de conversas animadas. Nada muito diferente dos minutos que antecedem qualquer espetáculo; mas...
Pollyanna Diniz, para Satisfeita, Yolanda?
CONTINUAR LENDO
A desordem do tempo
Pouco antes do início do solo Bravíssimo, apresentado pelo artista cearense Ricardo Guilherme no âmbito da II Bienal Internacional de Teatro da USP, um confronto entre policiais e estudantes secundaristas – que há semanas vêm protestando contra a...
Beth Néspoli, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Máscara expressionista
A participação do artista cearense Ricardo Guilherme na II Bienal Internacional de Teatro da USP com um trio de solos – Bravíssimo, Flor de obsessão e Ramadança – faz pensar na insistente validade dos versos “o Brazil não conhece o Brasil/o...
Beth Néspoli, para Teatro Jornal
CONTINUAR LENDO
Obsessões rodrigueanas
Em Flor de Obsessão, o ator e diretor de teatro cearense Ricardo Guilherme trilha um caminho de desejo dual oposto ao mundo de incerteza e extrema insegurança em que vivemos. As fragilidades nas relações sociais de que fala Zygmunt Bauman são...
Ivana Moura, para Satisfeita, Yolanda?
CONTINUAR LENDO
Empreendedorismo Made in Cuba
Crítica do espetáculo Cubalândia, do grupo Teatro El Cervo Encantado (Cuba) Conforme o próprio nome já sugere, o espetáculo Cubalândia, realizado pelo grupo cubano Teatro El Cervo Encantado, apresenta aos espectadores um curioso programa de turismo na...
Daniel Toledo, para Horizonte da cena
CONTINUAR LENDO
apoios /
parce-
rias /
agrade-
cimen-
tos

Agradecimentos Abílio Tavares, Abril Alzaga, Adriana Fragalle Moreira, Aline Rosa Lopes Santana Barros Dezio e equipe de compras Reitoria/USP, Beatriz Elena Paredes Rangel, Camila Rodrigues, Camilla de Carli, Carla Estefan, Cecílio de Souza, Celso Frateschi, Centro de Estudos Migratórios, Consulado Geral do México em São Paulo, Eduardo Alves, Elen Londero, Embaixada do México no Brasil, Flavio Desgranges, Flávio Pontes, Gabriel Salles, Giuliana Simões, Grupo Coordenador de Atividades de Cultura e Extensão Universitária do Campus de São Carlos, Guilherme Marques, Hamilton de Castro Teixeira Silva, Ileana Dieguez, Inerte, Ivam Cabral, Jean Carlo Cunha, João Marcos de Almeida Lopes, José Gerardo Traslosheros Hernández, Kil Abreu, Leticia Carvalho, Limão Rosa Café e Duilio Ferronato, Luis Carlos da Conceição, Mara Célia Ramos Teixeira, Marcelo Denny, Marcelo D’Avilla, Maria Arminda do Nascimento Arruda, Maria Fernanda Vomero, Mario Espinosa, Missão Paz, Movimento dos Teatros Independentes de São Paulo, Oscar Soberane Benítez, Pe. Antenor Dalla Vecchia, Pe. Paolo Parisi, Pedro Granato, Ricardo Pettine, Sandra Cristina Campos, Sesc Santos, Socorro Barbosa, Sonia Gra etti, Sonia Sobral, SP Escola de Teatro, Stenio Ramos, Sylvia Caiuby Novaes, Sylvia Moreira, Tuca Capelossi, Valdecir Gouvea, Valdir Previde, Vicente Mattos e Valmir Santos.