NO ‘DIVERSIDADE EM CIÊNCIA’ (RÁDIO USP), CYDA BAÚ E GABRIELA RABELO FALAM DO TEATRO COMO EXPRESSÃO DA MEMÓRIA NEGRA

[A entrevista foi ao ar no sábado, dia 1º de dezembro, às 14 horas, na Rádio USP]

No ‘Diversidade em Ciência’, Ricardo Alexino Ferreira entrevista a atriz e pesquisadora Cyda Baú e Gabriela Rabelo, que é dramaturga, diretora, atriz, educadora e doutora em Teoria e História do Teatro pela ECA-USP. Elas irão falar sobre o teatro como expressão da memória negra.

Para abordar essa temática, elas irão falar sobre a peça “Os rastros das Marias”, monólogo atuado por Cyda Baú com dramaturgia e direção de Gabriela Rabelo. A peça é baseada na biografia de Cyda, que nasceu no Quilombo do Baú, no Vale do Jequitinhonha mineiro e, a partir de inquietações existenciais, foi morar em Diamantina, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Alemanha, São Paulo, perfazendo a jornada da heroína.

De empregada doméstica, Cyda Baú se tornou, com muito estudo e desafios, atriz reconhecida. Também estudou Artes Cênicas, na Escola de Teatro Martins Pena, no Rio; Letras, na Universidade Anhembi-Morumbi e Alemão, no Institut Goethe, em São Paulo e Berlim.  Para ela, a sua vida, que segue os rastros de mulheres negras históricas, é um ato de resistência no enfrentamento de uma sociedade racista.

O trabalho de Cyda mais conhecido pelo grande público foi a sua atuação na telenovela do SBT “Esmeralda”, em que interpretava a personagem Jacinta, ao lado do ator Antonio Petrim e das atrizes Emanuelita Lustosa, Lucinha Lins, entre outros.

Ela atuou ainda na telenovela “Carrossel”, também do SBT; “O quinto dos infernos”, minissérie da TV Globo; na série “Unidade básica”, do Universal Channel (Universal Networks International), canal internacional especializado em minisséries.

Atuou também no cinema, tendo feito mais de quatro filmes, dentre eles o filme alemão “Der Kleine Ben”, de Piotr Reimer. No teatro atuou em mais de sete peças e leituras dramáticas.

Gabriela Rabelo, que dirige “Os rastros das Marias”, é dramaturga, diretora, atriz e educadora, sendo a primeira mulher a receber o Prêmio de Melhor Dramaturgia em Língua Portuguesa, pelo Instituto Camões e Funarte, em 2013, com a obra “Luiz Gama ou o diabo coxo”. Como atriz e autora já recebeu diversos prêmios como Mambembe, APCA, Molière, Apetesp,  dentre outros. Ela é doutora em Teoria e História do Teatro: Dramaturgia, pela Escola de Comunicações e Artes da USP.

O monólogo “Os rastros das Marias”, tem como pano de fundo a trajetória da própria Cyda Baú, mas traz a história de outras mulheres negras como Tereza de Benguela, Maria Firmina dos Reis, Carolina Maria de Jesus, Ruth de Souza, Elza Soares, dentre outras.
“Nossa Maria é uma mulher simbiose de todas elas, modelos de resistência e afirmação de sua identidade e cultura”, afirma Cyda.

“Os rastros das Marias” tem composição e direção musical de Renato Gama; cenário e figurino de Luís Carlos Rossi, produção de Amanda Prado, preparação vocal de Frederico Santiago.

O monólogo está em cartaz no Teatro do Incêndio (rua Treze de Maio, 48, na cidade de São Paulo), nos dias 28 e 29 de novembro e 5 e 6 de dezembro.

O ‘Diversidade em Ciência’ é um programa de divulgação científica, voltado para as ciências das diversidades e direitos humanos e vai ao ar toda segunda-feira, às 13 horas, com reapresentações às terças-feiras, às duas horas da manhã e aos sábados, às 14 horas, com direção e apresentação do jornalista e professor da USP, Ricardo Alexino Ferreira e edição de áudio de João Carlos Megale.

O ‘Diversidade em Ciência’ é gravado nos estúdios do Departamento de Comunicações e Artes/Educomunicação, da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

A Rádio USP-FM pode ser sintonizada em 93,7 MHz/SP ou pelo link http://www.radio.usp.br/?page_id=5404

Texto e foto: Ricardo Alexino Ferreira

Na foto: Cyda Baú (à esquerda) e Gabriela Rabelo (à direita)