Repúdio aos ataques à liberdade de pensamento, expressão e imprensa

São Paulo, 26 de agosto de 2020.

No início desta semana fomos surpreendidos com os novos ataques proferidos pela mais alta autoridade da República contra as liberdades de expressão e imprensa.

Chama a atenção o fato de que estas agressões estão se tornando cada vez mais frequentes e disseminadas, com outras autoridades, políticas, policiais e da gestão pública, praticando atos de autoritarismo – declarações abusivas, pedidos de prisão, condução coercitiva, entre outros ataques –, que revelam desprezo pelo trabalho da imprensa e, de maneira em geral, pelo pensamento livre. Na verdade, os ataques se estendem não apenas aos jornalistas, mas a todos os profissionais que têm como base de suas atividades a liberdade de pensamento e expressão, caso dos cientistas, pesquisadores, professores, entre outros, que dedicam suas vidas ao ensino e a pesquisa, em um esforço coletivo para tentar melhorar a sofrida realidade brasileira.

Liberdade. Liberdade de pensamento, expressão e imprensa são a base da democracia e do convívio civilizado.

Como centro formador de profissionais, editores e jornalistas, cuja matriz do trabalho é, justamente, a liberdade de pensamento, expressão e imprensa, um dos pilares fundamentais da democracia, o Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP) reafirma, como tem feito reiteradamente, por meio de outras manifestações, seu repúdio a estes ataques e à sua frequência, a qual, sem dúvida, está contribuindo para a formação de uma cultura do ódio, que corrói o tecido social e, em última instância, a democracia.