Grupos de Pesquisa

Epistemologia do Diálogo Social
Grupo de pesquisa e laboratório das narrativas da contemporaneidade

Ano de formação: 1986

Desde 1986 até hoje, a jornalista e professora Cremilda Medina junta-se a estudantes de graduação e pós-graduação para desenvolver pesquisas em torno de novas noções para operar o Diálogo Social. Em uma trajetória de seis décadas, as pesquisas lideradas por Medina atravessam a profissionalização do Jornalismo; a teoria e prática da reportagem, ou das narrativas da contemporaneidade, e os desafios paradigmáticos da relação Ciência e Sociedade; bem como as problemáticas latino-americanas frente a crise dos paradigmas científicos e dos processos de comunicação.

Na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), Cremilda Medina é orientadora na pós-graduação no âmbito dos Programas em Ciências da Comunicação (PPGCOM) e Integração da América Latina (Prolam). Dessa forma, o grupo de pesquisa Epistemologia do Diálogo Social é marcado por uma perspectiva inter e transdisciplinar e reúne pessoas interessadas na dialogia social, nas narrativas da contemporaneidade e na ação comunicativa em circulação no Brasil e na América Latina.

O grupo é constituído pelas linhas de pesquisa do Projeto Plural e a Crise de Paradigmas e do Diálogo Social, que confluíram para a uma teoria do signo da relação. Tal caminho é registrado desde 1990 por meio de seminários, oficinas-laboratório, ensaios e reportagens que compõem as séries Novo Pacto da Ciência e São Paulo de Perfil, coletâneas organizadas por Cremilda Medina, além do registro epistemológico nos livros de sua autoria.

O grupo defende, por meio das teses, dissertações, artigos, ensaios e TCCs, que, nas narrativas da contemporaneidade, a autoria se sobressai à divulgação de conteúdo. Em outras palavras, a autoria relacional e articuladora de conteúdos plurais (polissemia) e da regência de vozes conflitivas (polifonia) transforma e efetiva a comunicação.

Entre os desafios de pesquisa do grupo estão a ampliação do laboratório epistemológico das mediações autorais em torno de transformações paradigmáticas provenientes de algumas noções de complexidade: relação sujeito-sujeito, intercausalidade, pluralidade complexa de ideias, contextualização cultural, compreensão de processos, dinâmica das incertezas e busca das verdades em conflito.

Projeta-se ainda o estudo de uma metodologia da Pesquisa Empírica, Pesquisa Teórica (proposta da observação-experiência, da observação e do contato somados ao convívio dos saberes científicos, cotidianos ou locais e das expressões artísticas); das Narrativas da Contemporaneidade (estudo da pluralidade de narradores e outras inovações teóricas necessárias à construção de um cosmo de sentidos teóricos-empíricos); e da Pedagogia do Diálogo (proposta de inspiração para as relações: educador-educando / jornalista-protagonista social).

Site: https://epistemologiadodialogosocial.wordpress.com


Jornalismo, Direito e Liberdade (JDL)

Ano de formação: 2015

Líderes do grupo: Eugênio Bucci e Vitor Blotta

O principal objetivo do grupo Jornalismo, Direito e Liberdade é fazer avançar a pesquisa sobre os princípios normativos da imprensa livre e os direitos à informação e comunicação correlatos, além dos deveres de transparência e publicidade do Estado. A necessidade desse estudo sistemático e prolongado realizado pelo grupo se faz necessário ao passo que estes múltiplos padrões normativos podem tanto concorrer para o aprimoramento das condutas jornalísticas, como podem atuar como ameaças à liberdade. Em resumo, o grupo lida com os conceitos fundamentais – o que define e diferencia o jornalismo em relação às outras atividades profissionais que com ele convivem no vasto campo da comunicação social, como a publicidade e as relações públicas, entre outras – e com os marcos que o identificam no plano dos seus procedimentos, dos seus métodos, do seu discurso, do seu ponto de observação e de sua legitimidade como uma das instituições fundamentais da democracia. Por meio de pesquisas, leituras críticas, colóquios, seminários e produção de textos (e outros formatos de conteúdo), sempre num exercício de caráter transdisciplinar, o grupo contempla tanto os modos sociais de fazer da imprensa (sua prática diversa) como a ética aplicada e os cânones jornalísticos que se consagraram como parâmetros da excelência na profissão (excelência fundada na liberdade, no pluralismo, no domínio virtuoso das diversas linguagens, na visão crítica e na investigação independente capaz de fiscalizar o poder).

Site: jdlusp.org


Entretextos

Ano de formação: 2008

Líderes do grupo: Profª Drª Terezinha Fátima Tagé Dias Fernandes e Prof.Dr. Atílio Avancini

Grupo de pesquisa: Textos da Cultura em Mídias Diferenciadas, do CJE-ECA-USP credenciado no CNPq (relatório de atividades periódicas de 2008)

Local: Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP

1º Coordenadora: Profª Drª Terezinha Fátima Tagé Dias Fernandes (ECA-USP)
tertage@terra.com.br

2º Vice-Coordenador: Prof.Dr. Atílio Avancini

Apresentação:
O Grupo de Pesquisas “Texto da Cultura em Mídias Diferenciadas”, cadastrado no CNPq e na Pró- Reitoria de Pesquisas da USP, tem caráter multidisciplinar e seu objetivo é o de reunir pesquisadores, professores, alunos de graduação, mestrado, doutorado, profissionais de notório saber e experiência comprovada e outros interessados em compartilhar estudos sobre Comunicação, Linguagens e Mídias tradicionais e diferenciadas que interagem com seus textos e discursos verbais e não -verbais no cotidiano da vida urbana na atualidade e em diferentes épocas.

Fundamenta-se no diálogo entre diferentes tendências teóricas de estudos sobre textos e discursos (diferentes estudos do discurso, teoria do dialogismo, teorias da enunciação, teorias do texto, semiótica da cultura) sempre voltadas para questões relacionadas com processos de produção de sentido na comunicação e na cultura.

Está vinculado às atividades acadêmicas da coordenadora do grupo, Profª Drª Terezinha Fátima Tagé Dias Fernandes, docente e pesquisadora do Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP e do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação , na Área de Conhecimento: “Teoria e Pesquisa em Comunicação” e na Linha de Pesquisa: “Linguagens e Produção de Sentido em Comunicação”.

Palavras-chave:
Comunicação e Linguagens; Produção de Sentido; Mídias Diferenciadas; Memória Textual; Semiosfera; D

Projeto geral do Grupo de Pesquisa: “Comunicação e linguagens do cotidiano nas mídias: a memória textual na vida urbana em diferentes épocas (2008-2010)”

Site: www.usp.br/cje/entretextos


Jornalismo Popular e Alternativo (ALTERJOR)

Ano de formação: 2008

Líderes do grupo: Luciano Victor Barros Maluly e Dennis de Oliveira

O Alterjor é Grupo de Pesquisa de Jornalismo Popular e Alternativo que reúne professores, pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação e profissionais que se interessem em desenvolver estudos e pesquisas em jornalismo popular e alternativo. O grupo é sediado no Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA/USP e se rege pelas normas da Portaria Interna ECA 03/2008 e o seu regimento interno. Define-se jornalismo popular as práticas jornalísticas realizadas em organizações do movimento social e popular, incluindo o chamado Terceiro Setor, que tenham como objetivo central o fortalecimento institucional de tais organizações, a socialização de temáticas que envolvam a defesa da cidadania e que defendam o protagonismo de segmentos sociais não hegemônicos. Por jornalismo alternativo, define-se as experiências de jornalismo nas diversas mídias que tenham como objetivo central fomentar o debate público sobre as mesmas temáticas delimitadas na definição de jornalismo popular. EVENTOS: 1) É importante destacar a realização da “1ªSemana de Jornalismo Popular e Alternativo”, realizada no Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP, de 22 a 26 de setembro de 2008, em que vários pesquisadores discutiram os temas de análise do Alterjor, como o jornalismo impresso e o rádio. Também foram oferecidas duas oficinas para jornalistas e leigos: “Radiojornalismo Comunitário” e “Imprensa popular e alternativa”. 2) 1º Encontro dos Pesquisadores do Alterjor no CJE-ECA-USP, no dia 18 de dezembro de 2008. 3) II Semana Alterjor e I Curso Aplicado Pesquisa sobre Jornalismo Popular e Alternativo – dezembro de 2009.

Site: www.usp.br/alterjor


Midiato – Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas

Ano de formação: 2006

Líderes do grupo: Mayra Rodrigues Gomes e Rosana de Lima Soares

A terminologia “ciências da linguagem” tem sido empregada pelas mais diversas linhas de pensamento; entre elas, lembramos as de Noam Chomsky, Gilles Deleuze, Jacques Derrida, Michel Foucault. Vale ainda ressaltar que, entre essas linhas, algumas se mostram divergentes, como é o caso daquelas de Noam Chomsky e de Jacques Derrida. Essa terminologia designa estudos que levam em conta as condições e implicações, para a espécie humana, da assunção da linguagem. A realização de tais estudos encontra sua possibilidade no cruzamento dos achados da antropologia, das ciências cognitivas, da filosofia; da lingüística, da lógica, da psicanálise, da semiótica etc. Ocorre que, para o vasto campo da comunicação e das mídias, e para o abrangente campo do jornalismo em particular, é justamente este tipo de estudo que promove uma compreensão melhor do poder das palavras, de seus efeitos e da responsabilidade de que se reveste quem assume a produção de discursos. Por essa razão, ao propormos esse tipo de estudo e ensinamento, colocamos nossas disciplinas de graduação e pós-graduação numa seqüência sob a rubrica Ciências da Linguagem.

Site: midiato.wordpress.com


Commais – Grupo de Pesquisa em Comunicação, Jornalismo e Mídias Digitais

Ano de formação: 2006

Líderes do grupo: Elizabeth Nicolau Saad Corrêa, Marcelo Oliveira Coutinho de Lima

O COM+ é a denominação na web que escolhemos para o Grupo de Pesquisa em Comunicação, Jornalismo e Mídias Digitais da ECA-USP, vinculado ao seu Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação – PPGCOM. Reúne pesquisadores, estudantes de pós-graduação (mestrado e doutorado) e bolsistas de Iniciação Científica (IC) envolvidos acadêmica e cientificamente com temas relacionados à comunicação e mídias digitais, seja em seus trabalhos individuais, seja nos projetos atualmente em desenvolvimento pelo próprio grupo. São objetivos do COM+: Realizar atividades de estudo e reflexão, aprofundando conteúdos e autores vinculados aos temas de comunicação e mídias digitais; Desenvolver projetos de pesquisa coletivos seja no âmbito do próprio grupo, seja em parceria com outros grupos de pesquisa similares no Brasil e no exterior; Promover discussões e debates em torno das pesquisas individuais em andamento como um meio de agregação de valor aos seus conteúdos; Participar e promover eventos sobre seu tema central; Disseminar sua produção por meio de artigos científicos, capítulos de livros, livros, teses e dissertações, material em meios digitais (blogs e websites) e mídia em geral.

Site: grupo-ecausp.com/commais


Obcom (Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura)

Consolidado pelo Núcleo de Apoio a Pesquisa (NAP), Pró-Reitoria de Pesquisa da USP, sob coordenação da Profa. Dra. Maria Cristina Castilho Costa e vice coordenação da Profa. Dra. Mayra Rodrigues Gomes.

Ano de formação: 2005

Líderes do grupo: Maria Cristina Castilho Costa e Mayra Rodrigues Gomes

“Classificação Etária” é uma linha de pesquisa vinculada ao Obcom, antigamente NPCC, em que já trabalhamos com linhas de pesquisa dedicada a palavras que foram censuradas e a manifestações no jornalismo, em épocas ditatoriais, sobre censura em geral e, especificamente, sobre a censura a peças teatrais. Agora, considerando que não mais temos censura prévia, procuramos averiguar junto aos órgãos supervisores, como o do Ministério da Justiça, os mecanismos de controle. É o caso da Classificação Indicativa, exercida sobre produtos culturais, porque pode gerar efeitos de censura. Paralelamente, interessa-nos um levantamento das bases sócio-discursivas, captáveis através dos princípios a que recorrem os guias condutores dos sistemas de classificação etária e dos argumentos presentes nas próprias classificações impostas a cada produto cultural. Como discursos circulantes, essas bases fundam os modos de ver/ser e compõem o território em que os possíveis efeitos censórios devem ser examinados.

Site: obcom.nap.usp.br/conheca-o-obcom.php


FiloCom Núcleo de Estudos Filosóficos da Comunicação

Ano de formação: 2000

Líderes do grupo: Ciro Juvenal Rodrigues Marcondes Filho

O FiloCom – Núcleo de Estudos Filosóficos da Comunicação é um grupo de pesquisadores cujo interesse é o de contribuir para aprofundar os estudos de comunicação e desenvolver uma metodologia específica de trabalho de pesquisa em comunicação. De sua produção teórica, discursiva e investigativa resultaram, em sua 1a. fase, publicações como A produção social da loucura, 1989; A sociedade Frankenstein, 1991; Pensar-Pulsar, 1996; Vivências eletrônicas, 1997; SuperCiber – A civilização místico-tecnológica do século 21, 1997; Viagem na irrealidade da comunicação, 2000. A partir de 2000, o FiloCom inicia a trilogia Nova Teoria da Comunicação, composta de O espelho e a máscara, S.Paulo, 2002; O escavador de silêncios, Paulus, 2005, vol.2 e O princípio da razão durante, em 2010. Paralelamente a isso forema publicadas as obras: Até que ponto de fato nos comunicamos, 2006; Para entender a comunicação, 2008; Dicionário da Comunicação, 2009. No ano de 2010, em novembro, o Núcleo realiza o seminário nacional de comunicação 10 anos de FiloCom nos 44 anos de ECA , evento comemorativo da finalização de sua pesquisa Nova Teoria da Comunicação , iniciada em 1989 e desenvolvida em três fases: Pré-NTC, de 1989 a 1992; NTC, de 1992 a 2000, e, finalmente, FiloCom, nos últimos dez anos. A comemoração desse Evento se dará com o lançamento do Vol. 3 da série Nova Teoria da Comunicação composta de 5 Tomos: Comunicação para os antigos, a fenomenologia e o bergsonismo (Tomo 1); Da Escola de Frankfurt à crítica alemã contemporânea (Tomo 2); O Círculo Cibernético: o observador e a subjetividade (Tomo 3); Diálogo, poder e interfaces sociais da comunicação (Tomo 4) e O conceito de comunicação e a epistemologia metapórica (Tomo 5). Sobre o tema da incomunicabilidade será lançado o livro Homem & Mulher: uma comunicação impossível? , São Paulo, Annablume, 2010. Na sequência foi produzido o volume seguinte: Fascinação e miséria da comunicação na cibercultura , 2010.

Site: sites.google.com/site/ecafilocom


Jornalismo e a Construção da Cidadania

Ano de formação: 1995

Líderes do grupo: Alice Mitika Koshiyama e Maria Otilia Bocchini

O grupo de pesquisa “Jornalismo e Construção da Cidadania” possibilitou o desenvolvimento de pesquisas e atividades de ensino e extensão dos docentes Profa. Dra. Alice Mitika Koshiyama e Profa. Dra. Maria Otília Bocchini da ECA-USP (líderes do grupo), orientadoras de Mestrado e Doutorado. As docentes trabalham atualmente na área 3-Interfaces da Comunicação, na linha de pesquisa Políticas e Estratégias da Comunicação do Curso de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (PÓS-COM/ECA-USP). O grupo desenvolve o projeto de pesquisa “A Construção da Cidadania na Comunicação”, aprofundando questões relacionadas à comunicação no Brasil a partir da segunda metade do século passado. Os pesquisadores do grupo abordam temas relativos a comunicação, jornalismo e editoração, na perspectiva da história e da cidadania, estudam práticas de organizações em questões de políticas públicas, gênero, saúde, trabalho, educação e meio ambiente.
O grupo mantém um intercâmbio constante com o grupo de pesquisa coordenado pelo Prof. Dr. José Roberto Montes Heloani “Gestão, Saúde e Subjetividade”, da área 1-Políticas Públicas e Sistemas Educativos, do Curso de Pós Graduação da Faculdade de Educação da Unicamp. Roberto Heloani concluiu um pós-doutoramento na ECA-USP sobre qualidade de vida dos jornalistas paulistas,no grupo de pesquisa “Jornalismo e Construção da Cidadania”. Em 2008, o Prof. Dr. Lívio Lima de Oliveira, recém-doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, integra o grupo de pesquisa e desenvolve pesquisa no campo da editoração e mercado. Nos últimos cinco anos, o grupo realizou várias atividades com ex-alunos de pós-graduação formados pela ECA/USP e que resultaram em trabalhos sobre ensino de comunicação e gênero e comunicação, com destaque para os trabalhos apresentados em conjunto em congressos como os da INTERCOM (2005 a 2008).