Jornalismo

Histórico do curso de Jornalismo

O Departamento de Jornalismo e Editoração é uma das seis unidades pioneiras da então chamada Escola de Comunicações Culturais da USP, criada pelo decreto estadual nº 46.915, de junho de 1966.

Os alunos aprovados no primeiro vestibular do curso, em 1967, foram agrupados em duas turmas, ambas com 30 alunos, uma no período matutino e outra no vespertino. O departamento foi implantado oficialmente na estrutura da antiga Escola de Comunicações Culturais (ECC), em 05 de fevereiro de 1968, com um número reduzido de professores.

Com a reforma universitária aprovada em 1970 (Decreto 52.326, de 16 de dezembro de 1969), a ECC passou a chamar-se Escola de Comunicações e Artes (ECA) e o seu Departamento de Jornalismo foi ampliado para Jornalismo e Editoração, com a criação do curso de Produção Editorial. Este novo curso, porém, só iniciou suas atividades em 1972.

Nesse mesmo ano, foi criada a pós-graduação stricto sensu de Ciências da Comunicação, na qual o jornalismo veio a constituir uma sub-área. Atualmente, com a reestruturação dos cursos de Pós-Graduação ocorrida na Escola em 2003, as sub-áreas de jornalismo e editoração foram extintas, passando seus docentes credenciados a orientar em outras das novas áreas do novo curso.

Em seus 32 anos de atividades, o departamento já formou um total de 1.154 bacharéis em jornalismo e 286 em Editoração.

Na pós-graduação, também se destaca a grande produção científica do CJE, juntamente com a habilitação de pesquisadores, tendo formado até 2003, um total de 212 mestres e 86 doutores.

Sofrendo o impacto das reformas ocorridas no país nos anos 90, o CJE perdeu oito claros docentes, estando atualmente com apenas 30 professores contratados pela USP em seus diferentes regimes de trabalho (sendo três deles já aposentados, mas que continuam a colaborar com o curso), embora o número de alunos na graduação tenha crescido 22% nos últimos oito anos. Em decorrência desses fatos, o CJE veio a preencher algumas disciplinas com professores conferencistas, em regime temporário, nos últimos anos.

O processo educacional que caracteriza o Departamento de Jornalismo e Editoração desdobra-se em duas lógicas – a lógica própria à função acadêmica e a lógica adequada à formação profissional. Ao longo de sua história, o Departamento vem se empenhando na articulação da formação acadêmica com a profissional, proporcionando uma reflexão sobre o mercado de trabalho, mas sem se submeter diretamente às suas exigências, geralmente imediatistas.

Em 1993, para se adequar às projeções de um curso que atendesse a uma práxis ética, intelectual e profissional vinculada ao exercício do jornalismo, foi implantado um novo currículo, assentado em fóruns, pesquisas e sugestões de 14 profissionais renomados das áreas de jornalismo impresso e eletrônico, 28 professores do Departamento e cerca de 140 alunos. O currículo representou uma proposta muito inovadora em termos de Brasil – uma vez que tornou possível que parte da formação do aluno passasse a ser realizada em outras unidades da própria USP, o que proporciona uma visão integrada de universidade. A proposta que reorganizou o processo educativo, concedendo um substancial peso às áreas formativas, procurou estabelecer uma dinâmica mais efetiva na área de formação profissional, visando, deste modo, obter maior eficácia nesse campo.

Com isso, o currículo divide-se em três partes que se completam: a fase introdutória, cobrindo vários campos do conhecimento; a vertente do aprofundamento na formação profissional; e a vertente do aprofundamento na formação complementar.

A fase introdutória do curso está constituída por disciplinas obrigatórias que ocupam por inteiro os dois primeiros semestres. É seu objetivo proporcionar conhecimentos indispensáveis ao aluno nos principais campos com os quais o jornalismo interage (artes, sociologia, ética, filosofia, economia, política, comunicações, ciências exatas etc.). Desse elenco de disciplinas obrigatórias fazem parte, também, matérias de iniciação aos fazeres jornalísticos.

A partir do terceiro semestre e até o sétimo, inclusive, o aluno percorre, simultaneamente, as duas vertentes de aprofundamento. O aprofundamento progressivo na Formação Jornalística se dá por uma sucessão de disciplinas laboratoriais, de caráter obrigatório, e por um conjunto mínimo de disciplinas optativas oferecidas na ECA e em outras unidades da USP. No terceiro e quarto semestres, os Laboratórios são comuns a todos os alunos. A partir do quinto semestre, há a possibilidade de escolha entre dois percursos: um que privilegia os meios eletrônicos; outro, os meios impressos. O conjunto mínimo de disciplinas optativas de jornalismo é de livre escolha dos alunos, mas cada um deve buscar orientação de um professor do curso para elaborar o seu elenco de matérias.

A vertente da Formação Complementar inicia-se no terceiro semestre e exige o cumprimento, em cinco semestres, de um mínimo de créditos num dos seguintes campos complementares de conhecimento: Humanidades; Ciências Exatas e da Natureza; Artes e Letras; Comunicação.

As possibilidades garantidas pela Resolução 3045 e as aberturas criadas pela cooperação de algumas unidades já tornaram possível a estruturação de elencos de disciplinas em cada um dos quatro campos complementares, entre as quais o aluno – sob a orientação de um sistema de tutoria – compõe, de modo optativo, a sua carga individual, podendo, para isso, frequentar disciplinas em qualquer turno e unidade da USP.

O oitavo semestre é integralmente dedicado ao Trabalho de Conclusão de Curso, o qual, por seu grau de exigência conceitual, técnica, estética e metodológica, constitui um período importante de aperfeiçoamento na formação universitária e na capacitação profissional dos graduandos.

 

GRADE CURRICULAR
Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo – matutino
Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo – noturno