Laranja Mecânica - A morfologia narrativa de Propp na Jornada do Anti-Herói
Autor: Vitor Machado de Andrade - Ciências da Linguagem II - 2014 Matutino
Postado em 05/12/2014 às 18:05:59 - Editado por Vitor Machado de Andrade em 08/12/2014 às 10:22

 

Laranja Mecânica: A morfologia narrativa da Jornada do Anti-Herói

 

O filme

Laranja Mecânica é um filme de 1971, dirigido por Stanley Kubrick, que apresenta o Reino Unido em um futuro distópico, caótico e repleto de gangues sadistas, adeptas da "ultraviolência". O governo sofre forte oposição por não conseguir segurar esta onda de crimes, o que os leva a pesquisar e testar métodos não-ortodoxos para mudar isto. O protagonista da trama é Alex DeLarge, um adolescente líder de uma gangue de droogs, que se comunica em Nadsat(mistura de inglês, russo e girias rímicas), e cuja rotina consiste em beber leite com drogas no Korova Milk Bar e sair pelas ruas de Londres para cometerem quantos crimes puderem imaginar.

 

O Anti-Herói

A figura do anti-herói consiste em um personagem principal que não possui as virtudes do herói e realiza suas ações, mesmo que sejam justas, por motivações egoístas e por sentimentos de vingança, vaidade ou simplesmente raiva. Esta figura é relativamente recente na história das narrativas, tendo suas primeiras aparições no século 16, com os personagens Fausto(Fausto) e Falstaff(Henrique V e outras obras shakesperianas), porém no contexto contemporâneo se tornou mais comum, tendo exemplos populares como Severus Snape, Homem de Ferro, Capitão Nascimento, Jack Sparrow, Walter White, Vegeta e recententemente a Bruxa da Branca de Neve em Maleficente.

 

Alex DeLarge foi um dos primeiros anti-heróis no cinema moderno, e também um dos mais polêmicos. Em comparação a outros anti-heróis famosos, Alex se destaca por ser o mais sádico. Seus atos, que incluem estupro, xenofobia, violência, assassinato, uso de drogas, autoritarismo, abandono escolar, entre outros, fazem de Laranja Mecânica um dos filmes mais controversos da história.

 

 Narratologia de Propp

 

Vladimir Propp foi um folclorista russo que, ao escrever "A Morfologia do Conto Maravilhoso", analisou centenas de contos tradicionais e dividiu suas estruturas em aspectos em comum das tramas, que totalizaram 31 funções narrativas. Algumas décadas depois, este estudo inspiraria Christopher Vogler, da Walt Disney, a escrever o "Guia Prático para o Herói de Mil Faces", um texto que se tornou guia para os próximos filmes da produtora e de inúmeros outros longas. A seguir está a analise de Laranja Mecânica a partir das 31 funções:

 

1. Afastamento: uma personagem se desloca de um local familiar, seguro.

O local familiar e seguro é o Korova Milk Bar, onde Alex e seus droogs vão rotineiramente, antes de seus arrastões de "ultraviolência". Após a primeira cena no bar, a gangue sai nas ruas para bater num mendigo escocês, brigar com outra gangue, sair em alta velocidade em uma estrada rural, invadir a casa de um famoso escritor, o Sr. Alexander, bater nele e estuprar sua esposa. Tudo isso comporia um cenário normal na vida de Alex, que continuaria não fossem os próximos acontecimentos.

2. Interdição: existe algo que a personagem não deve fazer, um aviso, uma intimação. Não cumprir pode levar a uma pena ou castigo – mas geralmente leva ao problema apresentado na história.

Depois de chegar em casa, Alex dorme e após acordar, recusa a ir à escola. Depois de se levantar, ele encontra seu tutor, Sr Deltoid, que sabe o que ele fez e diz que se Alex cometer mais algum crime, não vai hesitar em deixá-lo ir para a cadeia.

3. Transgressão: a personagem desobedece.

Alex ignora as recomendações de Deltoid e segue da mesma maneira. Em resposta às ordens do seu tutor, Alex encontra duas meninas numa loja de discos, as leva pra casa e faz sexo com ambas.

4. Interrogação: aparece uma antagonista, um agressor surge procurando encontrar meios para atacar a personagem – geralmente perguntando à própria vítima.

Os seus droogs, insatisfeitos com a tirania de Alex, exigem que sejam tratados como iguais. Alex finge aceitar, porém depois os ataca pra assegurar sua liderança, o que deixa seus cúmplices mais insatisfeitos ainda. 


5. Informação: a personagem informa o agressor sobre quem ela é, entregando assim também os meios pelos quais a antagonista procurará atacá-la.

Os droogs fingem aceitar a liderança de Alex novamente, e sugerem novos planos para a próxima noite.

6. Engano: o agressor tenta enganar a vítima.

Georgie, um dos droogs, sugere a Alex que invadam a casa de uma rica idosa, a "mulher-gato". Alex aceita, sem saber que seus comparsas planejam fazer disso uma armadilha.



7. Cumplicidade: de forma inocente, a personagem se deixa engrupir pelo agressor.

Ao chegar na casa, Alex invade pela janela enquanto os outros esperam na porta da frente. A idosa flagra Alex e o manda sair da sua casa. Os dois têm um conflito e o protagonista acerta a idosa com um escultura. Porém ao ouvir as sirenes dos policiais que a mulher havia chamado,  ele foge para a frente da casa.

8. Dano/vilania: surge o problema, o cerne da narrativa.

Ao chegar na frente e advertir os droogs para fugir, Dim dá uma garrafada na cabeca de Alex, que, atordoado, é facilmente capturado pela polícia.

9. Mediação: O infortúnio e a culpa chegam ao herói

Sob custódia na cadeia, Alex fica sabendo pelo Sr. Deltoid que a idosa estava morta e que ele iria responder pelo crime.

10. Consenso/Punição: O heroi sofre uma sanção

Alex é condenado a 14 anos de prisão. Agora sua missão principal é se encontrar livre novamente.

11. Partida: o herói sai de seu lar para cumprir sua missão.

Alex chega na cadeia, onde é revistado minuciosamente. E permanece esperando sua liberdade pelos próximos dois anos, até o Método Ludovico chegar a seus ouvidos. 


12. Função do doador: surge uma personagem actante, na forma de doador, o qual ajudará o heroi de alguma maneira. Para isso, o herói precisa passar por uma prova.

O padre, que havia sido seu único contato durante os últimos dois anos, vê uma alma boa em Alex e o revela sobre um plano secreto do governo que o faria livre: O Método Ludovico. Porém ele deve ter bom comportamento para poder participar.


13. Reação do herói: o herói supera a prova e é ajudado pelo doador.
Quando os representantes do governo chegam na cadeia, Alex é recomendado por seu bom comportamento, e é rapidamente aceito para ser a primeira cobaia do experimento.

14. Recepção do objeto mágico: não precisa ser um objeto mágico, mas também um conselho. É o prêmio da prova superada.

Alex recebe um dom que talvez nao seja tão bom no final, porem o torna extremamente virtuoso: ele é incapaz de agredir as pessoas, fisicamente ou verbalmente.

15. Deslocamento: o heroi se dirige para o local do conflito.

Depois de aprovado, Alex volta para a "liberdade", porém com um comportamento completamente diferente.


16. Luta: o herói se atraca ao agressor.

Após o mesmo mendigo que havia atacado no início da história o reconhecer, vários sem-teto o agridem, até policiais chegarem para intervir. Porém os policiais são George e Dim, que o reconhecem também e o levam para a um lugar afastado, onde batem e afogam Alex, indefeso.



17. Marca: durante a luta, o agressor deixa uma marca no herói.

Alex fica cheio de marcas pelas agressões e sai cambaleando atrás de um refúgio. Porém a principal marca de Alex foi adquirida antes:a incapacidade de ouvir Beethoven, que mais tarde será peça importante.

18. Vitória: o bem vence o mal.

A primeira vitória de Alex é sobreviver e chegar em um local "seguro": A casa do Sr. Alexander,que não o reconhece. Alexander é um forte opositor do governo, e planeja usar Alex para fazer um escândalo contra o governo.

19. Reparação: o dano é corrigido.

Alexander traz uma reparação aparente pra Alex:ele o dá comida e abrigo e promete trazer justiça.

20. Volta: o heroi retorna para casa.

O retorno pra casa seria o status atual de Alex. Porém o escritor identifica Alex e não consegue segurar a vontade de se vingar de Alex, que havia o deixado paraplégico e matado sua mulher. Esta vontade irá levar aos próximos acontecimentos da trama.



21. Perseguição: o herói é perseguido pelo agressor ou seu ajudante.

Incapaz de segurar sua raiva, o escritor faz uma armadilha contra Alex, o trancando em um quarto e tocando a Nona Sinfonia de Beethoven a alto volume. Alex sente uma ânsia forte e vê que sua única saída é se matar. Ele abre a janela e se joga ao chão.


22. Socorro: o herói se salva ou é salvo por outrem.

Apesar de gravemente ferido, Alex sobrevive e após certo tempo, acorda no hospital.


23. Chegada incógnita: o heroi retorna sem se identificar.

Durante os primeiros momentos no hospital, Alex passa por um tratamento normal: recebe visita de enfermeiras, uma psicóloga e mesmo dos seus pais, que o aceitam após saberem o que aconteceu de fato.


24. Pretensões falsas: alguém se faz passar pelo heroi.

Um representante do governo chega ao quarto de Alex, com a intenção de reparar a imagem destruída do governo.

25. Tarefa difícil: o herói precisa cumprir uma prova que mostre que ele realmente é quem diz ser.

O representante faz uma proposta difícil: Em troca de apoio financeiro pelo resto dos seus dias, Alex deve cooperar com o governo "fazendo as pazes" com eles, apesar de tudo que foi sofrido.

26. Tarefa cumprida: o herói supera a prova.

Alex supera o ressentimento e aceita a proposta, usufruindo dos favores prometidos. 



27. Reconhecimento: o herói é identificado – às vezes, graças à marca deixada pelo agressor.

Várias capas de jornal são mostradas, com a história de Alex emplacando-as. A mídia se mostra favorável a Alex por causa do seu sofrimento causado pelo Método. Após o acordo, vários fotógrafos chegam para registrar o momento.


28. Desmascaramento: o pretenso herói é desmascarado.

Há dois heróis desmascarados durante o final: o próprio governo é exposto pela mídia, enquanto o Sr. Alexander,em quem Alex confiava como protetor, tem suas intenções expostas pelo representante.


29. Transfiguração: o herói é encoberto por uma aura que o muda em algum aspecto.

A imagem de Alex perante a sociedade muda completamente: ele vai de um delinquente reprovado a uma vitima das medidas drasticas do governo e um representante do movimento libertario.

30. Punição: o agressor, seus ajudantes e/ou o pretenso heroi são punidos.

O representante revela que tanto George e Dim como Alexander são presos. Todos aqueles que agrediram Alex após sua soltura são punidos para a proteção8 dele.

31. Núpcias: O herói regojiza dos prazeres da carne após o cumprimento do dever.

A última função pode ser representada pela última cena, em que Alex faz sexo na neve com uma mulher desconhecida enquanto uma platéia aplaude, uma metáfora para a aprovação pela sociedade da liberdade dos costumes de Alex.


Conclusão

Laranja Mecânica apresenta uma trama muito semelhante estruturalmente a outros longas, como foi observado. A aventura de Alex DeLarge segue(com algumas diferenças marginais) o mesmo roteiro de construção narrativa que historias de heróis admirados e virtuosos da ficção, como Aladdin, Neo(Matrix), Harry Potter, entre outros. O que isso pode significar em uma analise mais profunda do filme? Uma inversao de valores? Uma tentativa de ser "advogado do diabo"?

Porém Alex tem uma peculiaridade: ele não possui o mesmo comportamento durante todo o filme. Após se submeter a um tratamento de condicionamento behaviorista extremo, Alex se torna um ser fisicamente e psicologicamente incapaz de realizar mal aos outros, seja qual for a cirscustância.

 

A partir da sua prisão, a função de Alex se transforma: ele deixa sua personalidade anti-heróica original(livre, auto-determinada, violenta por natureza) e passa a ter a virtude e personalidade de um herói, porém de maneira condicionada(limitada, submissa a sua própria condição,pacífica por falta de escolha), que o faz uma vítima da sociedade após a sua soltura. Umas das grandes questões que a trama deixa é: Alex realmente merece isso? É certo mudar a personalidade de uma pessoa pelo fato dela não se encaixar? O nome do filme e uma referência a este processo: Laranja Mecânica é uma alusão à manipulação e condicionamento, como fossem peças(mecânica), de algo orgânico(laranja) como os seres humanos, que ocorre em uma sociedade governada. Laranja Mecânica se encontra como um filme de propósito claramente libertarianista. A proposta de um protagonista anti-herói e uma tentativa de esclarecer um lema desta política: "liberdade acima de tudo"

 

Estes fatos explicam o protagonismo de Alex na história. Ele é totalmente independente das regras impostas. Seu próprio nome representa isso(a/lex: sem/lei). Sua única virtude se encontra em ser de fato livre. Mesmo que a maneira que usa esta liberdade não seja aprovável, ele a usa sem limitações. E sua luta no filme é contra as limitações da sua sociedade. Não é a toa que todos os personagens do filme mostram atitudes reprováveis durante a trama. É uma maneira de mostrar que, dentro da lei ou não(ou por causa da presença da lei), todos ainda falhamos em ser justos. Laranja Mecânica é uma "fábula dos maus".


Bibliografia

http://pt.m.wikipedia.org/wiki/Narratologia

http://volobuef.tripod.com/op_propp_teoria.pdf

http://pt.m.wikipedia.org/wiki/Anti-herói

"Laranja Mecânica"(filme), de Stanley Kubrick

"Laranja Mecânica"(livro), de Anthony Burgess

Experiência com o Wiki

Trabalhar com o wiki foi muito gratificante, já que tive a liberdade para propor meu tema nas duas vezes, o que me permitiu fazer os artigos sobre coisas que me interessavam. Além disso, a própria plataforma é flexível e permite recursos extras com foto, vídeo, gifs, e etc. Isto ajuda bastante o aluno em inserir múltiplos conteúdos para defender seu ponto. A experiência que a escrita dos artigos me trouxe foi diferente de qualquer outro trabalho do curso até então.

Universidade de São Paulo
Reitor: Marco Antonio Zago
Vice-Reitor: Vahan Agopyan
Escola de Comunicações e Artes
Diretora: Margarida Maria Krohling Kunsch
Vice-Diretor: Eduardo Henrique Soares Monteiro
Departamento de Jornalismo e Editoração
Chefe: Dennis de Oliveira
Chefe Suplente: Ciro Marcondes Filho
Professores Responsáveis
Mayra Rodrigues Gomes e Rosana Lima Soares

Alunos da Disciplina Ciências da Linguagem II