Estatuto dos Servidores da Universidade de São Paulo

ESTATUTO DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

(Versão Consolidada)

PORTARIA GR – Nº 239, DE 3 DE MAIO DE 1966

Baixa o Estatuto dos servidores da Universidade de São Paulo.

 

LUÍS ANTÔNIO DA GAMA E SILVA, Reitor da Universidade de São Paulo, usando de suas atribuições legais, nos termos do art. 6º das Disposições Transitórias dos Estatutos da Universidade de São Paulo, baixados pelo Decreto nº 40.346, de 7 de junho de 1962, e na conformidade com o deliberado pelo Conselho Universitário em sessão de 9 de agosto de 1965, baixa a seguinte Portaria:

Artigo 1º – Fica aprovado o Estatuto dos Servidores da Universidade de São Paulo, que com esta baixa.

Artigo 2º – O Estatuto referido no artigo anterior entrará em vigor no dia 1º de maio de 1967. (redação dada pela Portaria GR 309/66 / para visualizar o texto original clique aqui)

Artigo 3º – Revogam-se as disposições em contrário.

Reitoria da Universidade de São Paulo, aos 3 de maio de 1966.

LUÍS ANTÔNIO DA GAMA E SILVA – Reitor

Júlio Mário Stamato, – Secretário Geral

 

ESTATUTO DOS SERVIDORES DA
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

TÍTULO I

Disposições Preliminares

Artigo 1º – Este Estatuto regula as relações jurídicas de emprego existentes entre a Universidade de São Paulo e seus servidores técnicos e administrativos.

Parágrafo único – O pessoal docente da Universidade de São Paulo continuará sujeito à legislação aplicável ao funcionalismo público civil do Estado, no que não colidir com o ordenamento jurídico que lhe é próprio.

Artigo 2º – São servidores autárquicos da Universidade de São Paulo:

I – os que ingressarem na Universidade de São Paulo com base no presente Estatuto;

II – os que ingressaram no Quadro da Universidade de São Paulo posteriormente à vigência da Lei nº 6.826, de 6 de julho de 1962;

III – os exercentes de funções autárquicas, admitidos com base no Decreto nº 40.929, de 23 de outubro de 1962;

IV – os enquadrados no regime do presente Estatuto, nos termos do artigo 217.

Artigo 3º – Observadas as exceções contidas no artigo 211, fica vedada a criação de cargos na Universidade de São Paulo, devendo os atualmente existentes ser extintos à medida em que se vagarem.

Parágrafo único – Os serviços técnicos e administrativos da Universidade de São Paulo serão desempenhados através de funções.

Artigo 4º – A instituição e extinção de modalidades de funções autárquicas serão sempre feitas através de Portaria do Reitor, aprovada pelo Conselho Universitário, com indicação expressa, em cada caso, de sua denominação e respectivo padrão de salário.

Parágrafo único – Caberá exclusivamente ao Reitor a iniciativa de propor ao Conselho Universitário a fixação e modificação dos salários das funções autárquicas.

Artigo 5º – As funções são isoladas ou escalonadas em classes sucessivas, conforme a respectiva natureza.

Artigo 6º – As funções autárquicas são acessíveis a todos os brasileiros e estrangeiros residentes no país, observados os requisitos legais.

§1º – O número de estrangeiros, em cada Instituição Universitária, não poderá exceder de um terço do total de servidores autárquicos da respectiva Instituição.

§2º – Algumas ou todas as funções autárquicas poderão, em determinadas Instituições Universitárias, na forma do respectivo ordenamento jurídico, ser privativas de brasileiros.

Artigo 7º – As expressões “função”, “salário” e “admissão”, constantes do presente Estatuto, dizem respeito, no que o mesmo não dispuser em contrário, tanto a cargos como a funções propriamente ditas.

 

TÍTULO II

Da investidura, do exercício e da vacância das funções

CAPÍTULO I

Da investidura

Artigo 8º – Compete ao Reitor prover as funções autárquicas.

Artigo 9º – As funções serão providas por:

I – admissão;

II – reintegração;

III – reversão;

IV – aproveitamento.

Artigo 10 – São requisitos para o provimento em função autárquica:

I – ter o admitendo a idade mínima de dezoito anos e inferior a cinqüenta e cinco;

II – estar em dia com as obrigações relativas ao serviço militar;

III – ter cumprido os seus deveres de eleitor;

IV – ter boa saúde, verificada através de exame médico feito por entidade oficial;

V – possuir aptidão para o exercício da função, comprovada através de concurso público;

VI – atender às condições especiais prescritas ou inerentes a determinadas funções.

§1º – Os requisitos indicados nos itens II e III somente são exigíveis para os brasileiros; e o indicado no item II, somente para os candidatos do sexo masculino.

§2º – Não ficarão sujeitos ao limite máximo de idade a que se refere o item I deste artigo os candidatos que já sejam servidores do Estado, desde que contem mais de dois anos de efetivo exercício.

§3º – Na hipótese de novo provimento, é válido o exame médico a que anteriormente se submeteu o servidor, desde que o interstício não seja superior a dois anos.

§4º – O exame a que se refere o item IV poderá ser dispensado nos casos de acesso de que trata o §2º do artigo 24.

§5º – O servidor admitido para função autárquica, sem interrupção de exercício, não está sujeito a novo exame de suficiência física, desde que tenha mais de dez anos de serviço, contados da data da admissão ao serviço público até a do ato que lhe atribui a nova investidura.

§6º – O servidor investido, por concurso, em função que ocupa interinamente ou a título precário, ou aproveitado na forma do artigo 34, fica dispensado de novo exame de saúde.

§7º – Fica igualmente dispensado de novo exame médico o servidor da Universidade de São Paulo que, admitido para função autárquica com atribuições correspondentes às funções por ele desempenhadas anteriormente, conte, no serviço público estadual, à data de ingresso na nova função, pelo menos 5 anos de exercício nas funções anteriores. ( acrescentado pela Resolução 1363/78 / para visualizar o texto original clique aqui)

§8º – A equivalência das funções anteriormente exercidas pelo servidor com as correspondentes à nova função para a qual é admitido será examinada, em cada caso, pelo Órgão de pessoal da CODAGE e submetida à aprovacão do Reitor. ( acrescentado pela Resolução 1363/78 / para visualizar o texto original clique aqui)

CAPÍTULO II

Das admissões

SECÇÃO I

Das formas de admissão

Artigo 11 – As admissões serão feitas através de concursos.

Parágrafo único – ( suprimido pela Portaria GR 352/67, para visualizar o texto original clique aqui )

Artigo 12 – As funções de chefia ou de direção administrativa serão sempre providas por servidores que contem pelo menos cinco anos de exercício na Universidade. ( redação dada pela Portaria GR 352/67, para visualizar o texto original clique aqui ).

Artigo 13 – Os candidatos classificados em concurso serão admitidos em estágio experimental.

Artigo 14 – Estágio experimental é o período de exercício do servidor, durante o qual é apurada a conveniência ou não de sua confirmação.

§1º – O estágio experimental compreende duas fases:

– na primeira, que corresponde a um ano de efetivo exercício, poderá o servidor ser dispensado a critério da Administração, independentemente de qualquer formalidade.

– na segunda, que corresponde a quatro anos de efetivo exercício, serão verificados, para efeito de confirmação, os seguintes requisitos:

– idoneidade moral;

– aptidão;

– eficiência;

– dedicação ao serviço;

– disciplina;

– assiduidade.

§2º – Durante a segunda fase do estágio experimental, o chefe imediato do servidor informará, reservadamente, através do Diretor, no mínimo uma vez por ano, nos meses de janeiro ou fevereiro, sobre cada um dos requisitos enumerados na alínea “b” do parágrafo anterior.

§3º – Seis meses antes da conclusão do estágio experimental, o chefe imediato do servidor se manifestará em definitivo sobre os referidos requisitos.

§4º – As informações reservadas relacionadas com o estágio experimental dos servidores serão arquivadas no órgão próprio da Reitoria.

§5º – O chefe imediato do servidor sujeito ao estágio experimental que deixar de atender às exigências dos parágrafos 2º e 3º deste artigo terá suspenso o pagamento de seu salário, até que satisfaça essa obrigação, sem prejuízo da responsabilidade funcional que, no caso, couber.

§6º – Se qualquer das informações a que se refere os §§ 2º e 3º for contrária à confirmação do servidor, será dada vista da mesma ao estagiário pelo prazo de dez dias.

§7º – Julgando as informações e o pronunciamento do servidor, o Reitor, se considerar aconselhável a dispensa, expedirá o respectivo ato.

§8º – Se o despacho do Reitor for favorável à permanência do servidor, a confirmação não dependerá de qualquer novo ato.

§9º – A apuração dos requisitos de que trata a alínea “b” do parágrafo 1º deste artigo deverá processar-se de modo que a dispensa do servidor possa concretizar-se antes de findo o período de estágio.

Artigo 15 – Concluído o estágio, o servidor será considerado estável.

Artigo 16 – Para efeito de estágio, serão contados, desde que não tenha havido solução de continuidade:

I – o período de interinidade no mesmo cargo ou exercício, a título precário, da mesma função autárquica;

II – o tempo de serviço público estadual, prestado na condição de funcionário efetivo, inclusive de autarquias;

III – o tempo de serviço prestado na categoria de extranumerário, em função da mesma natureza.

Artigo 17 – O disposto nos artigos 11 a 16 não se aplica às funções de confiança, de livre provimento, classificadas junto ao Gabinete do Reitor, para as quais não opera a restrição contida no artigo 169.

Artigo 18 – A designação para o servidor exercer os encargos de Secretaria, Chefia e Direção será feita em estágio experimental, aplicando-se à hipótese os dispositivos dos artigos 14 e 15.

§1º – A conveniência ou não da confirmação do servidor nesses encargos será apurada independentemente do processo relacionado com a função para a qual foi admitido por concurso.

§2º – A dispensa dos encargos referidos neste artigo não implica, necessariamente, na dispensa da função a que alude a parte final do parágrafo anterior.

§3º – O disposto no presente artigo não se aplica às funções de Secretário de Diretoria e de Auxiliar do Gabinete do Reitor.

Artigo 19 – O desempenho de função gratificada será atribuído mediante ato expresso.

Artigo 20 – Poderão ser designados servidores para substituições, na forma estabelecida na Seção III do presente Capítulo.

SECÇÃO II

Dos concursos

Artigo 21 – Funcionará, junto ao Departamento de Administração da Reitoria, a Seção de Concursos.

Artigo 22 – Cabe à Seção de Concursos a realização de concursos para o provimento de funções ou cargos autárquicos.

Parágrafo 1º – Na medida da conveniência da USP, poderão ser aproveitados candidatos habilitados em concursos realizados por órgãos oficiais do Estado, destinados a provimento de cargos em caráter efetivo.”. ( incluído pela Portaria GR 1551/71, alterado pela Resolução 1843/80, para visualizar o texto original clique aqui)

Artigo 23 – Na realização dos concursos será obedecida a seguinte regulamentação:

I – Para cada concurso será constituída pelo Reitor uma comissão especial, da qual farão parte, entre outros, o responsável pela Seção de Concursos, um elemento da Divisão de Pessoal do Departamento de Administração da Reitoria e um ou mais elementos das Instituições Universitárias onde forem servir os concursados.

II – A comissão organizará instruções especiais para o concurso, onde ficarão determinados:

– as condições gerais de inscrição;

– as condições especiais para provimento da função, referentes ao grau de instrução, diplomas ou experiência de trabalho, capacidade física, limites de idade e sexo;

– a natureza, conteúdo e forma das provas;

– o valor das provas e dos títulos;

– para as provas de conhecimento, as matérias e programas sobre as quais versarão, ou, quando não comportarem programa, o nível de conhecimento exigido;

– o processo de realização dos concursos;

– nível de aprovação das provas;

– prazo de validade do concurso;

– outros dados julgados necessários.

III – Os concursos para provimento de funções técnicas ou científicas pertencentes às diversas Instituições universitárias serão realizados com a colaboração das mesmas, principalmente no que se refere a planejamento, elaboração e realização das provas.

IV – Os concursos serão de provas, ou de provas e títulos, segundo determinem as instruções especiais. ( redação dada pela Portaria GR 352/67, para visualizar o texto original clique aqui )

V – Ficam dispensados do limite de idade para inscrição em concurso, desde que contem mais de dois anos de efetivo exercício, os funcionários públicos estaduais e autárquicos, os ocupantes de cargos providos em comissão ou interinamente, e os extranumerários do serviço público estadual.

VI – A classificação dos concorrentes será feita mediante atribuição de pontos às provas e aos títulos de acordo com o critério que for estabelecido nas instruções especiais de que trata o presente artigo.

VII – Os concursos serão realizados para cada função.

§1º – Na hipótese de funções escalonadas em duas ou mais classes poderá haver um concurso para cada classe, ou concursos comuns para mais de uma classe.

§2º – As instruções especiais para cada concurso disciplinarão o disposto no parágrafo anterior, assim como a forma de aproveitamento dos aprovados nas diversas classes.

VIII – os interinos e os excedentes de função a titulo precário, com menos de dois anos de contínuo e efetivo exercício na data da vigência da Constituição Federal de 1967, serão inscritos “ex officio” no concurso para as funções respectivas, e nesse momento deverão cumprir as exigências do edital. ( redação dada pela Portaria GR 371/67, para visualizar o texto original clique aqui )

IX – Será considerado título o exercício de funções públicas afins.

X – Aos elementos de que trata o item VIII serão atribuídos pontos, na forma do item anterior, pelo desempenho de atividades públicas correlatas à função em concurso, em razão do mérito e do tempo de serviço de cada candidato.

XI – Os pontos referidos no item anterior não poderão ser superiores a um terço do número máximo de pontos atribuído ao conjunto das provas e dos títulos do respectivo concurso.

XII – Em igualdade de condições terão preferência, para a investidura em funções autárquicas, os participantes ativos da Revolução Constitucionalista de 1932 e os componentes das Força Expedicionária Brasileira de São Paulo.

XIII – Haverá inscrições e classificações separadas de candidatos para os Municípios do Interior do Estado onde funcionam dependências da Universidade de São Paulo.

XIV – Os concursos para admissão em Faculdades sediadas no Interior deverão ser realizados nos próprios Estabelecimentos de ensino.

Artigo 24 – As admissões obedecerão à ordem de classificação e de precedência das classes.

§1º – Os candidatos aprovados, obedecida a ordem de que trata o presente artigo, poderão ser provisoriamente admitidos para classes inferiores àquela para a qual fizeram concurso, onde aguardarão em exercício o chamamento para classe superior.

§2º – Na hipótese de que trata o parágrafo anterior, a admissão provisória não prejudicará o direito do concursado ao acesso para quaisquer das classes superiores da função, até a classe para a qual foi aprovado.

§3º – Respeitada a ordem de classificação, terá o candidato, em cada classe, direito a duas recusas de admissão, sem prejuízo de uma terceira e última convocação.

Artigo 25 – O responsável pela Seção de Concursos poderá ser admitido mediante contrato.

SECÇÃO III

Das substituições

Artigo 26 – Poderá ser designado servidor para substituir exercente de cargo isolado ou de função gratificada, durante seus impedimentos.

Parágrafo único – No caso de substituição em função gratificada, o servidor fará jus à percentagem correspondente, que será calculada sobre o padrão de salário de sua classe e função.

Artigo 27 – Na hipótese de determinado servidor possuir a habilitação correspondente, verificada através de concurso para a função, na classe respectiva, ou em classe superior, poderá ser designado para substituir, nessa função e classe, o titular impedido, observada a ordem de classificação naquele concurso.

Artigo 28 – A substituição remunerada dependerá da expedição de ato da Autoridade competente para designar e só se efetuará quando imprescindível, em face das necessidades do serviço.

§1º – Aplica-se, no caso de substituição nas funções de chefia e direção, o disposto na Portaria nº 2, de 14 de janeiro de 1961.

§2º – O substituto exercerá a função enquanto durar o impedimento do respectivo exercente.

§3º – O substituto, durante o tempo que exercer a função, terá direito de perceber o salário e a gratificação respectiva.

§4º – O substituto perderá, durante o tempo da substituição, o salário correspondente à função de que é titular, se pelo mesmo não optar.

§5º – No caso de função gratificada, perceberá o salário cumulativamente com a gratificação respectiva.

Artigo 29 – Os tesoureiros, em caso de impedimento legal ou temporário, serão substituídos pelos auxiliares de tesoureiro ou pessoa de sua confiança que indicarem, respondendo a sua fiança pela gestão do substituto.

CAPÍTULO III

Da reintegração

Artigo 30 – A reintegração decorrerá de decisão judicial transitada em julgado e determinará o ressarcimento de prejuízos decorrentes do afastamento.

§1º – A reintegração será feita na função anteriormente exercida; se esta houver sido transformada, na função resultante da transformação; e se extinta, em função de salário equivalente, respeitada a habilitação profissional do servidor.

§2º – O servidor reintegrado será submetido a inspeção médica.

§3º – Verificada, na inspeção médica, a incapacidade para o exercício da função, será aposentado na função em que houver sido reintegrado, respeitado o disposto nos parágrafos 2º a 5º do artigo 114.

Artigo 31 – Invalidada por sentença a demissão de qualquer servidor, será ele imediatamente reintegrado; e quem lhe houver ocupado o lugar ficará destituído de plano, se foi admitido a título precário, ou será aproveitado em outra função de natureza e salários compatíveis com a que estava ocupando, se foi admitido por concurso; preferencialmente, porém, e se for o caso, será reconduzido à função anterior, sem direito a qualquer indenização.

CAPÍTULO IV

Da reversão

Artigo 32 – Reversão é o ato pelo qual o aposentado nos termos da alínea “b” do §1º do artigo 147 reingressa no serviço, após a verificação de que não subsistem os motivos determinantes da aposentadoria.

§1º – A reversão far-se-á na mesma função, a pedido ou “ex officio”.

§2º – Em nenhum caso poderá efetuar-se a reversão sem que, mediante inspeção médica, fique provada a capacidade para o exercício da função.

§3º – Será cassada a aposentadoria do servidor que reverter e não entrar em exercício dentro do prazo de trinta dias.

Artigo 33 – A reversão dará direito, para nova aposentadoria, à contagem de tempo em que o servidor esteve aposentado.

CAPÍTULO V

Do aproveitamento

Artigo 34 – Extinguindo-se o cargo ou julgada desnecessária a função, o servidor estável será obrigatoriamente aproveitado em função da mesma natureza, com estipêndios não inferiores aos que percebia.

§1º – Se o aproveitamento se der em função de salário inferior, terá o servidor direito à respectiva diferença.

§2º – Se, dentro do prazo de trinta dias, o servidor não entrar em exercício na função em que houver sido aproveitado, será tornado sem efeito o aproveitamento, com perda de todos os direitos decorrentes de sua anterior situação.

CAPÍTULO VI

Da fiança

Artigo 35 – Aquele que for investido em função cujo provimento, por prescrição legal ou regulamentar, exija prestação de fiança, não poderá entrar em exercício sem ter satisfeito previamente essa exigência.

§1º – A fiança poderá ser prestada em apólices de seguro de fidelidade funcional, emitidas por institutos oficiais ou companhias legalmente autorizadas.

§2º – Não poderá ser autorizado o levantamento da fiança antes de tomadas as contas dos servidores.

§3º – O responsável por alcance ou desvio de material não ficará isento da ação administrativa e criminal que couber, ainda que o valor da fiança seja superior ao prejuízo verificado.

§4º – Para efeito do que estabelece este Capítulo, prevalecem no que couber, os dispositivos aplicáveis aos servidores públicos da Administração Direta.

CAPÍTULO VII

Do exercício

Artigo 36 – O exercício depende da satisfação, pelo servidor, dos requisitos apontados no artigo 10, e deverá se verificar no prazo de trinta dias a contar da publicação do ato de admissão.

§1º – Esse prazo poderá ser prorrogado por mais trinta dias, mediante solicitação devidamente justificada do admitendo.

§2º – São competentes para conceder a prorrogação do prazo a que se refere o parágrafo anterior o Reitor, o Diretor Geral do Departamento de Administração da Reitoria e os Diretores de Estabelecimentos de ensino superior e de Institutos Universitários.

§3º – Para o servidor afastado do exercício, exceto no caso de licença para tratar de interesses particulares; e para o candidato aprovado em concurso e convocado para o serviço militar antes da publicação do ato de admissão; o prazo a que se referem os parágrafos anteriores será contado a partir da data em que voltar ao serviço, ou que cessar a incorporação.

§4º – O ato de admissão caducará no caso de o servidor não entrar em exercício dentro dos prazos referidos no presente artigo.

Artigo 37 – A Autoridade que der exercício deverá verificar se foram satisfeitas as condições estabelecidas, neste Estatuto e em norma legal especial, para o provimento.

Artigo 38 – O início, a interrupção e o reinício do exercício serão registrados no assentamento individual do servidor.

Parágrafo único – O servidor, ao entrar em exercício, deverá apresentar ao órgão competente os elementos necessários à abertura do assentamento individual.

Artigo 39 – O servidor que não comparecer ao serviço poderá ser chamado a justificar suas faltas e comprovar as razões alegadas.

Parágrafo único – O servidor será punido por falta de assiduidade se não apresentar justificação, ou se esta não for aceita.

CAPÍTULO VIII

Do horário e do ponto

Artigo 40 – No ato de admissão do servidor deverá constar o número de horas semanais de trabalho.

§1º – O número de horas semanais de trabalho poderá ser alterado por ato do Diretor da Instituição universitária, publicada no Órgão Oficial, observadas as respectivas possibilidades orçamentárias.

§2º – As alterações de horário terão vigência coincidente com o início e o término de cada exercício mensal.

§3º – O número de horas semanais de trabalho dos servidores estáveis só poderá ser reduzido com a anuência, em processo, dos mesmos.

§4º – Haverá desconto no salário do servidor se o mesmo, fora das hipóteses previstas neste Estatuto, deixar de prestar o número de horas semanais de trabalho constante dos atos de que trata o presente artigo.

Artigo 41 – O Reitor e os Diretores das Instituições universitárias determinarão o período de trabalho diário da Repartição.

Artigo 42 – O período de trabalho diário, nos casos de comprovada necessidade, poderá ser antecipado, prorrogado ou acrescido de horas suplementares, observadas as condições indicadas no artigo 73.

Parágrafo único – Em casos de necessidade absoluta, e mediante compensação em dia útil, o servidor poderá ser convocado para trabalhar em domingo ou feriado.

Artigo 43 – Em qualquer trabalho, cuja duração exceda de sete horas, é obrigatória a concessão de um intervalo, para alimentação e repouso, de no mínimo uma hora.

Parágrafo único – O intervalo a que se refere o presente artigo não será computado na duração do trabalho.

Artigo 44 – As Instituições universitárias poderão deixar de funcionar nos dias de ponto facultativo.

Artigo 45 – Até o máximo de três vezes por mês, poderá ser concedida autorização para o servidor se retirar, temporária ou definitivamente, durante o expediente, sem qualquer desconto em seu salário, quando, a critério do chefe imediato, a razão invocada para justificar a ausência for procedente.

§1º – Poderá o chefe imediato, sempre que entender conveniente, exigir comprovação do motivo alegado pelo servidor.

§2º – A ausência temporária não poderá exceder de três horas.

§3º – O servidor é obrigado a compensar o tempo correspondente às retiradas.

Artigo 46 – A compensação a que alude o parágrafo 3º do artigo anterior deverá ser feita no mesmo dia ou nos dez primeiros dias úteis subseqüentes, em horário não coincidente com o destinado ao expediente normal ou o reservado à prestação de serviços em horários especiais.

§1º – O tempo correspondente às retiradas poderá ser compensado em mais de um dia, não podendo essa compensação ser inferior a uma hora diária.

§2º – A critério do chefe imediato, e desde que não haja prejuízo para o bom andamento do serviço, poderá o servidor compensar antecipadamente o respectivo tempo, no mesmo dia em que tiver necessidade de retirar-se do expediente, ficando obrigado, nesse caso, a solicitar a necessária autorização no dia imediatamente anterior.

Artigo 47 – Excedidos os limites fixados nos artigos 45 e 46, perderá o servidor um terço do salário diário. (ver Portaria 127/73 )

Parágrafo único – Perderá o servidor a totalidade do salário quando comparecer à Repartição ou dela retirar-se fora das hipóteses previstas neste Capítulo, registrando-se sua freqüência desde que permaneça no trabalho por mais de dois terços do horário a que estiver obrigado.

Artigo 48 – ( revogado pela Portaria GR 1643/71, para visualizar o texto original clique aqui ).

Artigo 49 – Ponto é o registro pelo qual se verifica a entrada e saída do servidor, nos respectivos períodos diários de trabalho.

§1º – Nos registros de ponto deverão ser lançados todos os elementos necessários à apuração da frequência.

§2º – Para registro de ponto deverão ser usados, de preferência, meios mecânicos.

§3º – Salvo nos casos expressamente previstos neste Estatuto, é vedado, sob pena de responsabilidade, dispensar o servidor do registro de ponto e abonar falta ao serviço.

Artigo 50 – Será dispensado do ponto do dia o servidor que comprovar haver doado sangue para banco mantido por organismo de serviço público ou paraestatal.

Parágrafo único – A dispensa prevista neste artigo não excederá a três vezes ao ano, e desde que as datas sejam previamente acertadas entre o servidor e seu chefe imediato.

CAPÍTULO IX

Da contagem de tempo

Artigo 51 – Compete à Reitoria proceder à contagem de tempo dos servidores da Universidade, mediante elementos fornecidos pelas Instituições universitárias.

Artigo 52 – A apuração do tempo de serviço será feita em dias.

§1º – Serão computados os dias de efetivo exercício, à vista do registro de freqüência.

§2º – O número de dias será convertido em anos, considerados estes como de trezentos e sessenta e cinco dias.

Artigo 53 – Serão considerados como de efetivo exercício, para todos os efeitos, os dias em que o servidor estiver afastado em virtude de:

I – férias;

II – casamento, até oito dias;

III – luto pelo falecimento de pai, mãe, cônjuge, filho ou irmão, até oito dias;

IV – júri e outros serviços gratuitos obrigatórios por lei;

V – trânsito, em caso de mudança de exercício para Instituição localizada em município diverso;

VI – ocorrência das hipóteses indicadas nos itens II, III, IX, XV e XVIII do artigo 108;

VII – ocorrência das hipóteses indicados nos itens XIII, XIV e XVII do artigo 108, desde que tenha sido autorizado o pagamento integral do salário, na forma do artigo 66;

VIII – prisão, se do processo não decorrer condenação por sentença transitada em julgado;

IX – suspensão preventiva, se o servidor for declarado inocente; ou se a pena imposta for de advertência, repreensão ou multa; ou ainda se a pena imposta for de suspensão, por período inferior ao do afastamento preventivo, imputando-se como de ausência, neste caso, apenas o número de dias correspondente à pena imposta.

Artigo 54 – Em regime de acumulação de funções é vedado contar tempo de serviço prestado em uma delas para reconhecimento de direitos e vantagens na outra.

Artigo 55 – Não será computado, para nenhum efeito, o tempo de serviço gratuito.

Artigo 56 – Fica assegurado ao servidor o direito de, mediante requerimento irretratável, ter acrescido em seu tempo de serviço o número de dias correspondente:

I – às férias não gozadas por necessidade de serviço;

II – ao período de licença-prêmio não gozado.

CAPÍTULO X

Da cessação do exercício

Artigo 57 – A cessação do exercício decorrerá de:

I – dispensa;

II – aposentadoria;

III – falecimento.

Artigo 58 – Dar-se-á a dispensa:

– a pedido do servidor;

– a critério da Universidade, quando servidor:1 – estiver exercendo a função a título precário ou interinamente;

2 – não satisfizer as condições do estágio experimental;

– quando o servidor, admitido a título precário ou interinamente, não for aprovado e classificado em concurso para a função;

– a título de penalidade.

§1º – No processo de dispensa deve estar provado que o servidor se encontra com sua situação regularizada perante o Instituto de Previdência e a Caixa Econômica do Estado de São Paulo.

§2º – Não se concederá dispensa a pedido quando o servidor estiver respondendo a processo administrativo.

Artigo 59 – O falecimento do servidor será comunicado pelo seu superior imediato, no prazo de quarenta e oito horas, à Divisão de Pessoal do Departamento de Administração da Reitoria.

§1º – Na comunicação mencionar-se-ão nome, idade, filiação, função, órgão de exercício e data do falecimento.

§2º – A Divisão de Pessoal transmitirá a comunicação ao Órgão Oficial, para fins de publicação.

 

TÍTULO III

Dos direitos e vantagens de ordem pecuniária

CAPÍTULO I

Disposições gerais

Artigo 60 – Além do salário, o servidor só poderá receber as seguintes vantagens pecuniárias:

I – adicionais por tempo de serviço;

II – gratificações:

a. – Pela prestação de serviço em horários especiais ou período noturno, este último nos termos da Lei Complementar 506, de 27 de janeiro de 1987; ( redação dada pela Resolução 3370/87, para visualizar o texto original clique aqui)

b. – de função;

c) – gratificação pelo exercício da função em Regime de Dedicação Exclusiva ( incluído pela Portaria GR 563/68, para visualizar o texto original clique aqui)

III – diárias;

IV – ajuda de custo;

V – salário – família;

VI – prêmio a que se refere o artigo 101;

VII – prêmio a que se refere o item I do artigo 141.

Parágrafo único – Não serão atribuídos ao servidor encargo ou função que dêem direito às vantagens constantes deste artigo, se não houver crédito próprio, orçamentário ou adicional.

Artigo 61 – Excetuados os casos expressamente previstos neste Título, o servidor não poderá receber da Universidade de São Paulo, a qualquer título, seja qual for o motivo ou forma de pagamento, nenhuma outra vantagem pecuniária em razão de sua função.

Parágrafo único – O não cumprimento do que preceitua o presente artigo importará na dispensa do servidor e na imediata reposição aos cofres da Universidade da importância recebida.

Artigo 62 – (suprimido pela Portaria GR 352/67, para visualizar o texto original clique aqui).

CAPÍTULO II

Do salário

Artigo 63 – Salário é a retribuição pecuniária paga ao servidor pelo efetivo desempenho de seus encargos, correspondente, para os ocupantes de cargos, a referências numéricas, e, para os exercentes de funções, a padrões designados por letras do alfabeto.

Artigo 64 – É vedado o exercício gratuito de função ou cargo remunerado.

Artigo 65 – O servidor não sofrerá qualquer desconto no salário:

I – durante o período de férias;

II – quando faltar até oito dias consecutivos, por motivo de seu casamento ou falecimento de cônjuge, filho, pai, mãe ou irmão;

III – quando ausente nos termos do artigo 50 e do §2º do artigo 68;

IV – quando afastado nos termos dos itens I, II, III, V, IX, XV e XVIII do artigo 108;

V – quando convocado para a prestação de serviço militar ou de outros encargos obrigatórios por lei, salvo se perceber alguma retribuição por esses serviços, caso em que se fará a redução correspondente.

Artigo 66 – A juízo do Reitor, poderá ser autorizado o pagamento do salário nos casos de afastamento indicados nos itens XIII, XIV e XVII do artigo 108.

§1º – No caso do item XVII do artigo 108, somente poderá ser autorizado o pagamento do salário se o servidor nada perceber em razão da atividade desempenhada no outro órgão oficial e se houver interesse para a Universidade de São Paulo nesse desempenho.

§2º – Se o servidor perceber, pelos serviços de que trata o parágrafo anterior, retribuição pecuniária inferior à de sua função na Universidade, poderá ser concedida a respectiva diferença.

Artigo 67 – O salário do servidor não poderá sofrer outros descontos que não os obrigatórios e os autorizados pelo presente Estatuto.

Parágrafo único – O salário não poderá ser objeto de arresto, seqüestro ou penhora, salvo quando se tratar:

– de prestação de alimentos, na forma da lei civil;

– de dívidas por impostos e taxas para com a Fazenda Pública, em razão de cobrança judicial;

– dos casos previstos no artigo 69.

Artigo 68 – O servidor perderá:

I – O salário do dia, quando não comparecer ao serviço, salvo o caso previsto no parágrafo 2º deste artigo;

II – Um terço do salário diário, quando comparecer ao serviço, com atraso, dentro da primeira hora de trabalho, ou quando se retirar dentro da última hora do expediente.

§1º – No caso de faltas sucessivas, serão computados, para efeito de desconto, os domingos e feriados intercalados.

§2º – ( revogado pela Resolução 2137/81,para visualizar o texto original clique aqui ).

Artigo 69 – As reposições devidas pelo servidor e as indenizações por prejuízos que causar à Fazenda Pública serão descontadas do salário.

§1º – Nos casos decorrentes de procedimento culposo do servidor, o desconto mensal não poderá exceder a quinta parte do salário.

§2º – Havendo dolo, o desconto se fará sobre a totalidade do estipêndio do servidor, até a satisfação integral do débito.

CAPÍTULO III

Dos adicionais por tempo de serviço

Artigo 70 – O servidor fará jus a um adicional calculado à razão de cinco por cento sobre o valor da referência numérica ou padrão básico de salário de sua função, ao fim de cada período de cinco anos, contínuos ou não, de efetivo exercício.

§1º – Para efeito do que dispõe o presente artigo, será computado o tempo de serviço público prestado nos órgãos da Administração direta do Estado de São Paulo ou em suas Autarquias.

§2º – Ficam vedadas, para os fins deste artigo, as contagens de tempo de serviço em dobro.

§3º – O adicional será devido a partir do primeiro dia do mês em que o servidor completar cada qüinqüênio.

Artigo 71 – O adicional a que se refere o artigo anterior incorpora-se ao salário somente para efeito de aposentadoria.

Parágrafo único – O adicional por tempo de serviço não será computado para o cálculo de qualquer vantagem pecuniária por regime especial de trabalho, ainda que incorporada ao salário para todos os efeitos legais.

CAPÍTULO IV

Das gratificações

SECÇÃO I

Das gratificações pela prestação de serviços em horários especiais

(ver Resolução 3278/86)

Artigo 72 – Os serviços prestados nos domingos e feriados, ou após as vinte e duas horas de cada dia, serão remunerados através de uma gratificação de vinte por cento, calculada sobre a referência ou o padrão básico de salário do servidor, acrescidos da respectiva gratificação de função, quando houver.

Parágrafo único – O servidor convocado para trabalhar nos domingos e feriados terá direito a descanso em dias úteis da semana imediatamente seguinte, em número correspondente aos dias de convocação.

Artigo 73 – O servidor fará jus à gratificação de que trata o artigo anterior se convocado para prestar serviços por período superior a quarenta e quatro horas semanais de trabalho.

§1º – A gratificação incidirá apenas sobre as horas excedentes às quarenta e quatro horas.

§2º – A convocação a que se refere o presente artigo não poderá exceder o período de três meses em cada ano, nem se prolongar além de uma hora diária.

Artigo 74 – A convocação para a prestação de serviço em horários especiais será proposta pelo Chefe imediato do servidor e dependerá em cada caso de autorização ou referendo do Reitor.

Parágrafo único – As convocações para a prestação de serviço em horários especiais só poderão ser autorizadas ou referendadas quando as necessidades do serviço as reclamem de forma irrecusável, não podendo exceder, em cada Instituição Universitária, a dez por cento de suas dotações próprias e específicas para pagamento de salários.

SECÇÃO II

Das gratificações de função

Artigo 75 – Gratificação de função é a vantagem instituída para atender aos encargos de secretaria, chefia e direção.

Parágrafo único – O encargo de que trata o presente artigo será remunerado de acordo com a seguinte tabela de adicionais, calculados sobre o padrão básico de salário correspondente à função exercida pelo servidor; ( ver artigo 3º da Portaria GR 563/68 )

Encarregado de Setor, Secretário de Diretoria, Secretário de Departamento e Auxiliar do Gabinete do Reitor …………………….. 20%

Chefe de Seção ………………………………………………………………… 40%

Diretor de Serviço ……………………………………………………………… 60%

Diretor de Divisão, Consultor Jurídico-Chefe e Secretário de Estabelecimento de ensino superior ……………………………. 80%

Diretor de Departamento……………………………………………………….100%

Secretário Geral da Universidade …………………………………………..120%

Artigo 76 – Aplicam-se à gratificação de função, para sua percepção integral ou com desconto, as mesmas normas estabelecidas para os salários.

CAPÍTULO V

Das diárias

Artigo 77 – Ao servidor que se deslocar temporariamente da respectiva sede, no desempenho de suas atribuições, poderá ser concedida, além do transporte, uma diária a título de indenização das despesas de alimentação e pousada.

§1º – Não será concedida diária ao servidor nos casos de afastamento a que se refere o artigo 136 deste Estatuto.

§2º – Não caberá a concessão de diária quando o deslocamento do servidor constituir exigência permanente da função.

Artigo 78 – As diárias serão concedidas em base fracionada do padrão “A”, a saber:

I – um quinze avos para os servidores cujas funções correspondam aos padrões de “A” até “D”;

II – um dez avos para os servidores cujas funções correspondam aos padrões “E” até “H”.

Parágrafo único – As diárias serão pagas em dobro quando o deslocamento se der para o Distrito Federal, Estado da Guanabara ou Capital do Estado de São Paulo.

Artigo 79 – As diárias serão calculadas por período de vinte e quatro horas, contado do momento da partida ao da chegada de regresso à sede da repartição ou serviço.

Parágrafo único – Será concedida diária integral pela fração de tempo superior a doze horas, e meia diária pela fração compreendida entre quatro e doze horas, inclusive.

Artigo 80 – Deverá ser fracionada ou não paga a diária, nos casos em que ocorrer fornecimento gratuito de alimentação ou pousada.

Artigo 81 – O servidor que fizer jus a diárias deverá apresentar ao superior hierárquico, até o terceiro dia útil após o regresso, relação circunstanciada das diárias vencidas, consignando os seguintes informes:

I – Nome;

II – Função;

III – Salário;

IV – Local para onde se afastou;

V – Motivo do afastamento;

VI – Dia e hora da partida e da chegada de regresso;

VII – Número de diárias, especificados os dias do afastamento;

VIII – Valor de uma diária e importância total.

Artigo 82 – Fica atribuída aos diretores de Institutos Universitários e Estabelecimentos de Ensino Superior competência para autorizar despesas relativas a diárias até dez dias.

Parágrafo único – Caberá ao Reitor autorizar o pagamento de diárias em número superior ao previsto neste artigo, sendo vedada a concessão por período superior a sessenta dias consecutivos.

CAPÍTULO VI

Das ajudas de custo

Artigo 83 – Poderá ser concedida ajuda de custo ao servidor que, em virtude de mudança de exercício ou designação para serviço ou estudo fora do Estado, passar a exercer funções em nova sede.

Parágrafo único – A ajuda de custo destina-se a indenizar o servidor das despesas de viagem, que compreendem o transporte do servidor, sua família, e respectiva bagagem.

Artigo 84 – A ajuda de custo será arbitrada a critério da Administração, tendo em conta o uso de meios razoáveis de transporte, a distância percorrida e o número das pessoas que acompanharam o servidor.

§1º – Consideram-se membros da família, para os fins deste Capítulo, desde que vivam às expensas do servidor, sob o mesmo teto, e constem do seu assentamento individual: o cônjuge, os filhos e enteados, os irmãos menores, as irmãs solteiras ou viúvas, os pais, os netos e os avós.

§2º – O servidor apresentará, antes da viagem, a relação das pessoas que, achando-se nas condições previstas no parágrafo anterior, deverão necessariamente acompanhá-lo.

Artigo 85 – Não será concedida ajuda de custo ao servidor que for posto à disposição da União, de outros Estados, ou de Municípios.

Artigo 86 – Quando o servidor for incumbido de serviço que o obrigue a permanecer fora da sede por mais de trinta dias, poderá receber ajuda de custo, sem prejuízo das diárias que lhe couberem.

Artigo 87 – Restituirá a ajuda de custo que tiver recebido:

I – O servidor que não seguir para a nova sede dentro do prazo fixado;

II – O servidor que, antes de terminado o desempenho da incumbência que lhe foi cometida, regressar da nova sede, pedir