dolly

O Handebol, suas Peculiaridades e o Panorama Atual do Esporte

Diogo Nuno Ruiz Dias Jorge

Fonte: GloboEsporte.com 22/12/2013.

Seleção brasileira de handebol feminina, campeã mundial de 2013.

 

O handebol (ou andebol) é um esporte coletivo que envolve passes de bola com as mãos e, tem como objetivo máximo fazer um maior número de gols do que o adversário. É praticado entre duas equipes de 7 jogadores cada uma com um goleiro de cada lado, jogado em uma “quadra” de 40m de comprimento por 20m de largura com dois gols de 2m de altura por 3m de largura. O jogo é feito exclusivamente com as mãos por parte dos jogadores de “linha”, com a exceção do goleiro que pode defender com os pés sem ser marcada a infração.
A bola do handebol é feita de couro sendo que para as equipes masculinas ela possui um diâmetro maior. Sendo assim, para homens ela tem 58,4 cm de circunferência e massa de 453,6 gramas para homens. Já para mulheres, ela tem 56,4 cm de circunferência e massa de 368,5 gramas. . A Federação Internacional de Handebol (IHF) é responsável por organizar o esporte no mundo e no Brasil, por sua vez, o tênis é controlado pela Confederação Brasileira de Handebol (CBHb). O esporte entrou como uma modalidade olímpica a partir de 1972. Permanece no grandioso evento até aos dias de hoje.

Em relação à sua história, o esporte foi criado por um alemão de Berlim que jogava ao ar livre durante a primeira guerra mundial. Curiosamente, nos primórdios do esporte, este era jogado exclusivamente por mulheres. Com o passar dos anos o esporte foi se remodelando e se difundiu pela Europa e pelo resto do mundo.
No Brasil, o handebol passa a ser reconhecido a partir dos anos 30. Em 1940 foi fundada em São Paulo a Federação Paulista de Handebol. Esse momento foi um importante passo para a consolidação do esporte no país.
Em 1979 foi fundada a Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) com sede na cidade de Aracaju (Sergipe). Esse órgão é responsável pelos eventos de handebol que ocorrem no país, como já referido acima. Atualmente diversos estados possuem equipes de Handebol com destaque para São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, etc.

Para ilustrar um pouco do que representa o handebol para o público brasileiro interessado no esporte, tive o privilégio e o prazer de fazer uma entrevista com Mário Gennari. Mário atualmente com 53 anos, nunca foi um jogador profissional. Foi durante anos semiprofissional, começando por atuar no colégio Rio Branco, enquanto criança, passando depois por Esporte Clube Pinheiros, jogou também no Campinas, Ourinhos, Paraibuna, Penápolis, atuou em 5 jogos regionais e 2 abertos, um dos quais foi campeão, etc… A vivência com o handebol sempre foi muito grande, e são nestes exemplos, das pessoas apaixonadas pelo esporte que realmente reside a essência de qualquer esporte.

Blog do Jornalismo Esportivo: Bom, para começar a entrevista Mário, gostaria de te perguntar primeiro, desde quando o handebol entrou na sua vida? Como o esporte entrou na sua vida? Qual foi o primeiro ponto de contato e quais foram as principais influências para te incentivar à prática do esporte.

Mário Gennari: Então, o handebol começou a fazer parte da minha vida quando criança, com 12/13 anos. No meu colégio, Rio Branco, eram montadas seleções de cada classe dos principais esportes e foi aí que me comecei a envolver com o handebol. Com o prazer que tinha enquanto o praticava, fui desenvolvendo competências e qualidades que me levaram à seleção do colégio, tudo isto há cerca de 40 anos atrás. Foi assim que surgiu a paixão pelo esporte.

BJE: Para você, quais foram as suas maiores e piores conquistas, memórias e lembranças da sua vida enquanto praticante do esporte?

Mário Gennari: Em relação a memórias e conquistas pessoais, não gostaria de entrar por esse ponto, prefiro valorizar as conquistas que o país teve em relação ao esporte. Um momento de grande surpresa e emoção, para o mundo, não só para todo o brasileiro, nem para todo o brasileiro que joga handebol, em 2013 se não me engano, as meninas terem sido campeãs mundiais. Foi um absurdo. A expectativa era muito pequena e, portanto o momento trouxe uma emoção e um êxtase enorme para quem ama o esporte e também para quem não tem o mínimo interesse por este.

BJE: Perfeito, agora gostaria muito que você desse a sua opinião sobre o momento do handebol brasileiro, se tem vindo a melhorar ou a piorar ao longo dos últimos anos… Se existem reais hipóteses de conquistas de títulos e medalhas em um futuro próximo.

Mário Gennari: O momento atual coletivo não é dos melhores. Acredito que não temos uma perspectiva de futuro muito legal, pois o esporte, infelizmente, não tem um incentivo muito forte, nem infraestruturas capacitadas para desenvolver atletas de ponto. Acho que nunca poderemos chegar ao nível do futebol e do voleibol, por exemplo. Nos quais existe uma produção de craques enorme num curto espaço de tempo. As maiores potências, ainda continuam sendo os países do Norte e do leste Europeu, às vezes pinta uma França, uma Espanha de vez em quando… Mas geralmente é o Leste europeu. Apesar disso, temos alguns jogadores que atuaram e atuam na Europa que se destacam, como o caso do Bruno Bezerra e a Duda Amorim. Grandes jogadores brasileiros.

BJE: Quais são as principais características para uma pessoa se destacar no esporte e gostaria que você desse algumas dicas para iniciantes, que estão em um estágio muito precoce de envolvimento.

Mário Gennari: Como todo o esporte, tanto o individual, quanto o coletivo, depende muito da parte física do atleta. Você vê hoje, grandes jogadores de tênis, por exemplo, que se destacam pela altura e pela imensa envergadura. No próprio voleibol, os melhores levantadores atuais têm todos acima de 1,95m de altura. No handebol, o físico é extremamente importante. Na minha época com 1,70, 1,80, dependendo da posição que jogasse ainda era possível ter um desempenho legal. Mas hoje, se você não tem uma estatura muito bacana, você não consegue jogar. Hoje um ponta europeu, tem no mínimo 1,90. Os centras todos tem 2,00m. O menor do time na minha época era o ponta, hoje é o pivô. Altura aliada com força obviamente. E como em todos os esportes, dedicação e comprometimento são fundamentais para um rendimento acima da média comum. Essas são as principais dicas que eu posso dar a quem quer começar a jogar.

Email para contato: diogo.jorge@usp.br