O ex-cortador de cana que ganhou o mundo através do boxe

Por Lucas Rehbaim

É inegável o poder de transformação na vida das pessoas que tem o esporte, o boxe é um dos exemplos de modalidade que consagrou inúmeros lutadores que nem sempre tiveram oportunidades e acessos a outros esportes.

No Brasil o boxe começou a se popularizar no final do século XIX e começo do século XX, o esporte chamou a atenção de empresários que começaram a promover lutas e os talentos surgiram de forma natural. A partir dos anos 60, o boxe ganhou um novo fulgor e isso deveu-se muito ao grande destaque do lutador Éder Jofre que foi campeão mundial em 1961 e 1973. A lista de referências de grandes pugilistas brasileiros ainda conta com ìtalo Hugo, Servílio de Oliveira, Peter Venâncio, Maguila e mais recentemente Acelino Freitas.

O boxe profissional e olímpico, possuem algumas diferenças no que diz respeito as regras, e nosso entrevistado atuou com grande destaque nos dois lados. Laudelino Barros, conhecido como Lino Barros, hoje com 41 anos foi atleta olímpico e atuou também no boxe profissional. Nascido na cidade de Bonito-MS, ex- cortador de cana tem um cartel no boxe profissional de 42 lutas, 39 vitórias sendo 31 por nocaute.

BJE: Como você começou a Lutar boxe?

Lino Barros: Eu morava no interior de São Paulo e vivia na roça e trabalhava cortando cana. Via o boxe pela televisão e sempre tive vontade de ser lutador. Consegui um contato em Osasco, um ginásio e meus primeiros treinadores foram Mario Martiliano e Luizinho do boxe como é conhecido. Com os treinamentos entre amigos e profissionais, dentro eles, considero Lucas França como um divisor de águas na minha formação de atleta, ele me deu muitas dicas que ajudaram a desenvolver minhas técnicas.

BJE: Você disse que gostava de assistir boxe pela televisão. Quais seus principais ídolos?

Lino Barros: Eu tenho 3 ídolos: Muhammad  Ali espetacular, conseguia com o poder da mente desconcentrar qualquer oponente, o mais inteligente e rápido. Sugar Ray Leonard foi o boxeador na minha opinião que chegou mais próximo da perfeição ele dominava as três distancias ele lutava na curta, na média e na longa com o mesmo domínio. Meu terceiro ídolo é o mais jovem peso pesado de todos os tempos Mike Tyson, uma técnica de bater no corpo e jogar os golpes por dentro impressionante, uma explosão incrível.

BJE: Conte-nos um pouco sobre sua carreira

Lino Barros: Com a equipe de Osasco participei de um campeonato de jogos abertos paulista em 96, ganhei uma medalha de ouro e me destaquei, fui selecionado para treinar com a seleção brasileira de boxe em 1997. Na seleção, treinando nocauteei o na época campeão brasileiro da categoria. Em seguida disputando a forja de campeões, nocauteei o Maguila que estava no auge, com 17 segundos do primeiro assalto, o que impulsionou muito minha carreira. Ganhei todos os torneios em nível nacional da minha categoria, duas vezes. Fui vice-campeão Sul-ameircano em 96, em 99 fui prata no pan-americano de Winnipeg e participei das olimpíadas de Sidiney em 2000. Depois disso voltei ao boxe profissional, ao toso foram 42 lutas, 39 vitórias e 31 nocautes. Treinei por anos nos Estados Unidos e tive a oportunidade de conviver com Mike Tayson por conta de um amigo em comum em New Jersey. Fui campeão Latino no meio pesado em Miami, fiquei entre os 4 melhores do mundo durante 4 anos. Fiquei ranqueado entre os 4 melhores do mundo simultaneamente na Associação mundial de boxe, Organização mundial e Conselho mundial de boxe.

BJE: Qual a sua atividade atualmente?

Lino Barros: Sou coordenador da academia de lutas do Jardim Baronesa que fica na periferia de Osasco e é um projeto da prefeitura que tem como objetivo formar cidadãos melhores e deixar as crianças longe das drogas. Outro projeto que tenho é o instituto Lino Barros que tem a ideia de buscar talentos dentro do boxe e também tem o caráter social de ajudar as pessoas.

BJE: De Umas dicas para quem quer começar a praticar boxe

Lino Barros: O mais importante é cuidar do corpo, ter um estilo de vida saudável, se alimentar bem, não fazer uso de drogas, dormir cedo. Mantendo o estilo de vida de maneira saudável, tendo foco nos objetivos e sonhos, o esporte pode fazer sua vida mudar, como a minha mudou.