Anos 60: Clark e Lotus ditam o ritmo da Fórmula 1

Por Sergio Quintanilha

O australiano Jack Brabham já tinha vencido o último campeonato da década passada com carro e motor ingleses. Foi assim também que começaram os anos 1960 na Fórmula 1: com o domínio de Brabham ao volante de um Cooper equipado com motor Climax. O chassi Cooper venceu 8 das 10 corridas da temporada – cinco seguidas com Jack Brabham, uma com Bruce McLaren e duas com Stirling Moss (sendo a última com Lotus Climax e não com Cooper Climax).

O motor Climax esteve presente também nos dois campeonatos levantados por Jim Clark com a Lotus, em 1963 e 1965. Da mesma forma, Jack Brabham ainda foi campeão em 1966, pilotando um carro com seu próprio nome, o Brabham Repco, e viu sua equipe levantar também o campeonato de 1967, com o neozelandês Denny Hulme. Portanto, Brabham e Climax poderiam ser considerados os nomes mais importantes da década de 60. Seria justo. Porém, a história reservava uma dobradinha que acabou superando todas as outras histórias: a do piloto escocês Jim Clark com a equipe inglesa Lotus.

Como dissemos, os dois títulos de Clark pela Lotus foram conquistados com motor Climax. Mas, ao final da parceria Lotus-Climax, a equipe continuou ganhando corridas com o motor Ford Cosworth e continuou inovando. O gênio criativo de Colin Chapman como chefe de equipe da Lotus representou o ápice do domínio dos garagistas ingleses na Fórmula 1 e se estendeu ao longo dos anos 1970, com outras inovações marcantes. De qualquer ângulo que se olhe, a década de 60 foi uma das mais ricas em histórias da F1.

Os carros já não eram refugo do período pré-guerra, como em grande parte da década anterior, e se tornaram extremamente rápidos e difíceis de guiar. Com mais velocidade e com os motores na traseira, os carros passaram a exigir pilotos profissionais mais jovens. Embora Graham Hill tenha sido campeão de 1968 aos 39 anos e Brabham tenha conquistado o tri, em 1966, aos 40 anos, todos os outros títulos foram ganhos por pilotos com menos de 35 anos. Além disso, Clark foi o campeão mais jovem da Fórmula 1 em 1963, com 27 anos, e este recorde permaneceu até 1972, quando Emerson Fittipaldi ganhou o mundial com 25 anos.

Jim Clark conduz o maravilhoso Lotus 49 número 5 em sua primeira vitória (a 21ª de Clark) no GP da Holanda de 1967, com motor Ford Cosworth

O chassi Lotus 18 ganhou suas primeiras corridas com Stirling Moss, em 1960, mas não pelo Team Lotus e sim pelo RRC Walker Racing Team. Somente na última corrida de 1961 o Team Lotus ganhou uma corrida, com o inglês Innes Ireland ao volante do Lotus 21. Clark já era piloto da equipe oficial de Chapman. A primeira vitória de Clark pela Lotus aconteceu no GP da Bélgica de 1962, com o revolucionário Lotus 25, que exigia uma posição de dirigir praticamente deitada. Clark e a Lotus perderam o mundial de 1962 para o inglês Graham Hill, com a equipe inglesa BRM (British Motor Racing), mas ganharam três corridas e dominaram a Fórmula 1 até a morte do “Escocês Voador” numa corrida de Fórmula 2 em Hockenheim, após o primeiro GP de 1968, na África do Sul, vencido pelo próprio Clark.

Clark e a Lotus ganharam 25 corridas, sendo 14 com o Lotus 25, cinco com o Lotus 33, uma com o Lotus 43 e cinco com o Lotus 49. A dobradinha Clark-Lotus manteve-se vitoriosa também quando Colin Chapman decidiu trocar o motor Climax pelo Ford Cosworth, construído pelos engenheiros Mike Costin e Keith Duckworth, sob chancela da Ford. Todas as vitórias do Lotus 49 foram com este motor. Com a morte de Clark, a Lotus manteve o domínio e deu a Graham Hill mais três vitórias em 1968 e uma em 1969, sendo duas em Mônaco. Com as três vitórias que havia obtido pela BRM nas ruas de Monte Carlo, Hill ganhou o apelido de Mister Mônaco.

Hill, Brabham, Cooper, Climax e BRM foram grandes nomes dos incríveis anos 60 na Fórmula 1, mas nada se comparou à mágica dobradinha formada pelo velocista Jim Clark e pelos carros extraordinários da Lotus. Clark foi o primeiro piloto do mundo a quebrar o recorde de 24 vitórias de Juan Manuel Fangio e deixou seu nome marcado como um dos maiores pilotos de todos os tempos – se não o maior de todos.

ANO PILOTO PAÍS EQUIPE CONSTRUTOR
1960 Jack Brabham AUS Cooper Climax Cooper Climax
1961 Phil Hill EUA Ferrari Ferrari
1962 Graham Hill ING BRM BRM
1963 Jim Clark ESC Lotus Climax Lotus Climax
1964 John Surtees ING Ferrari Ferrari
1965 Jim Clark ESC Lotus Climax Lotus Climax
1966 Jack Brabham AUS Brabham Repco Brabham Repco
1967 Denny Hulme NZE Brabham Repco Brabham Repco
1968 Graham Hill ING Lotus Ford Cosworth Lotus Ford Cosworth
1969 Jackie Stewart ESC Matra Ford Cosworth Matra Ford Cosworth

Sergio Quintanilha é doutorando em Ciências da Comunicação na ECA-USP e escreve sobre automobilismo desde 1989 – twitter: @QuintaSergio