Anos 2000: Schumacher e Ferrari dominam F1 como nunca se viu

Por Sergio Quintanilha

O casamento entre o alemão Michael Schumacher e a italiana Ferrari demorou para dar frutos. Quando propôs a vida em conjunto, a Scuderia imaginava ter filhos, se possível dois ou três, mas pelo menos um. Os filhos, nesse caso, seriam os títulos de campeão do mundo, que a Ferrari não conquistava desde 1979. Afinal de contas, a Ferrari chegou ao ano 2000 com duas décadas de jejum. Mas as coisas iam mudar.

Depois de seis corridas ausentes em 1999, Michael tinha voltado com dois segundos lugares nas duas corridas finais da década anterior. E começou a temporada de 2000 arrasando. Ganhou os três primeiros GPs (Austrália, Brasil e San Marino), abrindo 24 pontos de vantagem sobre o bicampeão Mika Hakkinen, da McLaren Mercedes (isso numa época em que a vitória valia 10 pontos e não 25). Outra novidade é que a Ferrari tinha como segundo piloto o brasileiro Rubens Barrichello, que voltava a sonhar com vitórias sete anos depois de estrear como promessa.

Com nove vitórias, Schumacher finalmente conseguiu ter um filho da Ferrari: o sonhado (para ela) título mundial. Hakkinen ganhou quatro e foi vice. Para o público brasileiro, a emocionante vitória de Barrichello no GP da Alemanha também quebrou um jejum que vinha desde o GP da Austrália de 1993 (vitória de Ayrton Senna). Em 2001, Schumacher repetiu a dose, com mais nove vitórias, e a Ferrari ficou feliz com o segundo filhote da parceria. Foi uma campanha humilhante, com quase o dobro de pontos sobre o escocês David Coulthard (McLaren), vice-campeão.

Michael Schumacher com a Ferrari em 2002: era apenas o terceiro dos cinco títulos que ganharam juntos

Em 2002, já que os adversários não reagiam, a Ferrari não apenas chegou ao tricampeonato com Schumacher, mas também permitiu o vice-campeonato de Barrichello (porém com metade dos pontos do campeão). Rubinho ganhou quatro corridas, mas teria sido cinco se o GP da Áustria não fosse palco de uma das cenas mais tristes da história da Fórmula 1. Barrichello dominou a corrida na Áustria e liderou todas as voltas de forma impecável. Porém, nas últimas voltas, a Ferrari fez enorme pressão sobre ele para ceder a vitória a Schumacher, que era o primeiro piloto. O brasileiro resistiu até o fim, mas a poucos metros da bandeirada, sob fortíssimo terror emocional recebia pelo rádio do carro, cedeu a vitória ao alemão. O público vaiou e Michael deu o troféu de vencedor a Rubinho.

O GP da Áustria mostrou que a cúpula da Scuderia Ferrari, formada por Jean Todt e Ross Brawn, estava fechada até o pescoço com Schumacher. O objetivo era ganhar todos os títulos e bater todos os recordes possíveis para compensar os 20 anos de jejum. Barrichello precisou se contentar com seu papel de coadjuvante. Em 2003, apesar da disputa duríssima com outro finlandês, Kimi Raikkonen (que era o herdeiro de Mika Hakkinen na McLaren Mercedes), Schumacher chegou ao que parecia impossível: o sexto campeonato mundial de pilotos, superando o feito de Juan Manuel Fangio nos anos 1950.

Schumacher ganharia ainda seu sétimo título em 2004, conquistando 13 vitórias e tendo Barrichello novamente como vice. Em 2005, finalmente, surgiu um jovem piloto para acabar com a hegemonia da dupla Schumacher-Ferrari. O espanhol Fernando Alonso teve um casamento perfeito com a Renault e ganhou seu primeiro mundial. A Espanha entrava, finalmente, na lista dos países campeões mundiais de Fórmula 1. Justiça também para a Renault, que iniciou a era turbo em 1977 e não conseguiu ser campeã naquela fase; agora era, não apenas com o motor (fato ocorrido nos anos 90), mas também com o carro. Em duas temporadas, a dobradinha Alonso-Renault conquistou 14 vitórias e o bicampeonato de 2005 e 2006. Nesse ano, porém, por pouco Schumacher não chegou ao oitavo título, pois ganhou mais sete corridas (mesmo número de Alonso), chegando à impressionante marca de 91 vitórias no GP da China.

Fernando Alonso e a Renault: dois títulos mundiais na década para quebrar a hegemonia ferrarista

Uma nova era estava começando em 2007. Depois de muitos anos, não havia Michael Schumacher no grid. Mas, em compensação, havia um jovem piloto inglês que tinha algo especial: era o primeiro preto a guiar um carro de Fórmula 1. Seu nome: Lewis Hamilton. Dividindo a equipe McLaren Mercedes com o bicampeão Fernando Alonso, Hamilton não quis perder tempo aprendendo. Fez uma temporada incrível, terminou apenas um ponto atrás do campeão (Raikkonen) e empatado com Alonso. Placar: Raikkonen, 110 pontos; Hamilton e Alonso, 109 cada. Mas o jovem Lewis teve mais segundos lugares do que o campeoníssimo Dom Fernando de Espanha e levou o vice.

Nunca houve um prodígio como Hamilton. Ele estreou no pódio, com um terceiro lugar. Depois, nas quatro corridas seguintes, ficou em segundo. Venceu sua sétima e oitava corridas. Com oito GPs, Hamilton já tinha duas vitórias na carreira. Depois fez mais dois pódios seguidos em terceiro. Ficou uma prova sem marcar pontos e ganhou em sua 11ª corrida. Em apenas 11 corridas, Hamilton tinha conquistado três vitórias, quatro segundos lugares e três terceiros, além de 10 pódios e três poles. Ele ainda ganharia mais um GP em sua temporada de estreia. Foi em 2007 também que o brasileiro Felipe Massa estrearia na Ferrari, vencendo um GP e terminando o mundial em quarto lugar. Ele ganharia também o GP do Brasil, último da temporada, para permitir que seu companheiro na Ferrari, Kimi Raikkonen, fosse campeão do mundo.

Massa se impôs na equipe em 2008 e teria conquistado o nono título da Fórmula 1 para o Brasil. Venceu seis GPs e quando recebeu a bandeirada em Interlagos era campeão do mundo. Mas ainda havia uma disputa pelo quinto lugar, lá atrás. Enquanto Felipe Massa e a torcida comemoravam, Lewis Hamilton ultrapassou Timo Glock na penúltima curva do circuito e cruzou em quinto lugar, ganhando o título por apenas um ponto e com uma vitória a menos. Foi frustrante para a torcida brasileira, mas, pelo menos, ela podia esperar por mais vitórias e um possível título de Massa na poderosa Ferrari.

A temporada de 2009, porém, guardava uma enorme surpresa para a comunidade da Fórmula 1. A Honda decidiu abandonar a F1 em 2008 e o que restou da equipe foi passado para a nova Brawn GP, criada pelo ex-chefe de Schumacher na Ferrari, Ross Brawn. Talvez por sentir alguma culpa pelo episódio do GP da Áustria de 2002, Brawn convidou Barrichello para formar na equipe junto com o inglês Jenson Button. Rubinho já estava em fim de carreira. A equipe conseguiu motores da Mercedes, mas não conseguiu o que mais procurava: um patrocinador. Para os especialistas, a Brawn GP não duraria nem dois GPS, pois foi para o GP da Austrália, na abertura da temporada, com os carros pintados de branco, sem um patrocinador oficial. Há muitos anos não se via aquilo na Fórmula 1, pois os custos haviam se tornado altíssimos.

Para surpresa de todos, a Brawn venceu fazendo o famoso “1-2”, com Button em primeiro e Barrichello em segundo. Na Malásia, nova vitória de Button, numa corrida interrompida antes do final e que contou apenas metade dos pontos. Finalmente, na China, a Brawn estava voltando ao seu devido lugar, pensaram, pois Button foi “apenas” terceiro colocado. Porém, Button ganhou as quatro corridas seguintes com seu carro branco. Em duas delas, Barrichello foi segundo colocado. Mesmo com uma chance inesperada no final de sua carreira, o brasileiro não conseguiu aproveitar porque seu carro tinha um problema crônico nos freios. Finalmente, na 11ª e na 13ª etapa (GPs da Europa e da Itália), Rubinho teve o carro em condições e venceu duas corridas. Mas era tarde para ser campeão. Button estava disparado na frente e a Brawn deixara de ser a equipe mais forte.

O jovem alemão Sebastian Vettel e o australiano Mark Webber estavam dominando com a equipe Red Bull Renault, em ascensão. O GP da Itália de 2009 foi a última vitória do Brasil na Fórmula 1. Felipe Massa disputou apenas metade da temporada. No GP da Hungria, uma mola do carro de seu compatriota, Rubens Barrichello, se soltou e atingiu sua cabeça. O capacete impediu a morte de Massa, mas ele bateu o carro devido ao impacto e ficou em coma. Quando voltou a correr, no ano seguinte, não era mais o mesmo. Da mesma forma, o tempo estava passando para Barrichello. Ele fez a pole-position no GP do Brasil, penúltima corrida da década, mas chegou apenas em oitavo lugar e seu futuro seria a decadente Williams com o velho motor Cosworth.

ANO PILOTO PAÍS EQUIPE CONSTRUTOR
2000 Michael Schumacher ALE Ferrari Ferrari
2001 Michael Schumacher ALE Ferrari Ferrari
2002 Michael Schumacher ALE Ferrari Ferrari
2003 Michael Schumacher ALE Ferrari Ferrari
2004 Michael Schumacher ALE Ferrari Ferrari
2005 Fernando Alonso ESP Renault Renault
2006 Fernando Alonso ESP Renault Renault
2007 Kimi Raikkonen FIN Ferrari Ferrari
2008 Lewis Hamilton ING McLaren Mercedes Ferrari
2009 Jenson Button ING Brawn Mercedes Brawn Mercedes

Sergio Quintanilha é doutorando em Ciências da Comunicação na ECA-USP e escreve sobre automobilismo desde 1989 – twitter: @QuintaSergio