A cobertura do automobilismo na era da sustentabilidade

Por Marcelo Cardoso

As primeiras décadas do século 21 começaram quentes, literalmente. As temperaturas no período 2010-2021 são as mais altas já registradas no planeta. Não foi por acaso que no ano de 2015 foi firmado o Acordo de Paris, durante a COP21 – 21ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas.

O compromisso gerou um documento assinado por 195 países, entre eles, o Brasil. A meta é reduzir a emissão de gases do efeito estufa. O acordo passou a vigorar em 2016, mas não impediu o avanço dos problemas: a destruição da camada de ozônio, o aquecimento global e o aumento do consumo e da produção incompatíveis com o desenvolvimento sustentável.

Uma nova relação entre o ser humano e o meio ambiente passou a ser necessária, porém, sem promover a freada do crescimento econômico e social dos países como foi proposto pelo Relatório de Brundtland, publicado em 1987.

A elaboração do documento, chamado ‘Nosso Futuro Comum’, foi coordenada pela então primeira-ministra da Noruega Gro Harlem Brundtland. A ministra chefiou a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento cujo objetivo era detalhar propostas para o meio ambiente global.

O relatório foi o primeiro a trazer o conceito e as palavras “desenvolvimento sustentável” tão falados hoje em dia. O esporte não ficou alheio a isso e, enquanto instituição organizada, foi cobrado pela sociedade e precisou dar uma resposta com o seu engajamento nas causas que movem nações.

No automobilismo, por exemplo, categorias perderam audiência com a redução da aderência das novas gerações que, antes, se identificavam mais com o esporte a motor.

A partir dos anos 2010, porém, nascem iniciativas como a Fórmula E, Jaguar I-Pace e-Trophy e, mais recentemente, Extreme E – Off Road. Em linhas gerais estas categorias automobilísticas “mais ecológicas” têm uma forte ligação com as seguintes ações:

– Demonstrar ser possível o investimento na mobilidade sustentável por um mundo melhor e mais limpo.

– Contribuir para o desenvolvimento de uma consciência socioambiental pelo planeta.

– Propagar a ideia de que é possível o aumento da produção industrial nos países não-industrializados com base em tecnologias ecologicamente adaptadas;

– Gerar marketing positivo ao engajar o automobilismo à finalidade de atingir a sustentabilidade de forma que extrapole o ambiente esportivo.

Se não houver equilíbrio entre a utilização dos recursos naturais e sua exploração sustentável pela sociedade, talvez, algum dia, nem haja esporte a motor.

Como e onde o jornalismo esportivo se encaixa no cenário que descrevemos, o da Responsabilidade Socioambiental?

O jornalista que atua neste segmento deve compreender as pontas que se unem ao esporte a motor para cumprir a sua missão: informar o seu público das novidades ligadas à competição e estimular o debate em torno dos problemas e das soluções para tornar o planeta um lugar melhor para viver.

Pensando neste tema a Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP) oferece gratuitamente o Workshop Automobilismo e Jornalismo: história, conceitos e cobertura. É uma iniciativa do Centro de Jornalismo e Editoração (CJE) da ECA, sob coordenação-geral do professor Luciano Victor Barros Maluly. O workshop será realizado de forma virtual no dia 20 de maio, das 19h às 22 h.

Serão três palestras seguidas de um tempo para perguntas e debates. A primeira participação será do professor e jornalista Rafael Duarte Oliveira Venâncio. Ele abordará parte da história do automobilismo com foco nas corridas nacionais e na trajetória internacional dos grandes pilotos brasileiros.

A segunda palestra será do professor e jornalista Marcelo Cardoso. Ele trará conceitos sobre a sustentabilidade e conhecimentos que ajudarão o jornalista nas pautas sobre o automobilismo no século 21. Cardoso vai demonstrar um dos possíveis caminhos para a especialização de quem cobre o esporte a motor na atualidade.

A última palestra será do jornalista e professor Sergio Quintanilha com o tema sobre a cobertura do automobilismo em si, com dicas e importantes relatos de experiências. No fim do workshop os participantes que se inscreveram receberão um questionário sobre os assuntos abordados nas três palestras. Quem conseguir nota 7 terá um certificado da ECA-USP.

Marcelo Cardoso é jornalista e professor universitário. Pesquisa o jornalismo, o rádio e o podcast em suas várias interfaces com o esporte – contato: FacebookLinkedIn, Instagram @cardosomarcelo68 e Twitter @MCardoso68