O “gol de placa” de Pelé e a astúcia de Joelmir Beting

Por Marcelo Cardoso

Foi em um domingo, 5 de março de 1961, no estádio do Maracanã (RJ), símbolo do nosso futebol. Ali surgiu o gol que marcou a história do esporte que identifica o próprio brasileiro. No jogo entre Santos e Fluminense, válido pelo famoso Torneio Rio-São Paulo, nasceu a obra-prima de Pelé, presenciada por 103 mil torcedores.

Naquele momento não importava quem torcia para quem. O fato é que o estádio explodiu com a mistura de gritos de gol, aplausos e admiração. Até o árbitro que apitava a partida cumprimentou o jogador santista.

Pelé partiu da sua grande área, ou seja, do campo de defesa, e seguiu em linha reta, direto para o campo adversário. O craque ia deixando caídos ou perplexos um a um. Há relatos de que a posse de bola durou cerca de um minuto e meio.

O Rei driblou seis jogadores e deslocou o goleiro para fazer o tento final que decretou 3 a 1 para o time alvinegro.

Logo ali, na tribuna reservada para os jornalistas, estava um jovem que iniciava a carreira cobrindo o Santos Futebol Clube pelo jornal ‘O Esporte’. Joelmir Beting (1936 – 2012) ficou maravilhado com aquela “pintura” que testemunhara.

Joelmir Beting teve um insight: por que não fazer uma placa em homenagem ao gol de Pelé?

A história é contada em detalhes por Edvaldo Pereira Lima, autor do livro biográfico sobre o jornalista. Beting estava “ao lado de um dos seus maiores ídolos do jornalismo esportivo, Nelson Rodrigues, fanático torcedor do Fluminense”, conforme escreve Lima, na obra “Joelmir Beting: o jornalista de economia mais influente da história do Brasil” (2021).

Nelson Rodrigues, um dos maiores cronistas esportivos de todos os tempos, chegou às lágrimas e lamentou que emissoras de TV não estivessem presentes para filmar o gol em sua totalidade. Seria um gol sem memória?

Joelmir Beting teve um insight e sugeriu à sua chefia: por que não fazer uma placa de bronze com homenagem ao gol e colocá-la no Maracanã? O jornal encampou a ideia e assim foi feito.

O próprio jornalista escreveu o texto sobre o “tento mais bonito na história do Maracanã”. A placa foi entregue para Pelé antes do jogo seguinte do Santos, no Maracanã, onde se conseguiu um lugar para que fosse “inaugurada” pelo futuro rei do futebol.

Pronto! A expressão “gol de placa” para batizar um gol maravilhoso passou a fazer parte do vocabulário dos jornalistas, dos locutores e dos admiradores do futebol.Joelmir Beting partiu exatamente há 9 anos, no dia 29 de novembro de 2012. A expressão que o jornalista ajudou a criar ficou imortalizada na memória daqueles que amam o futebol brasileiro.

Para conhecer mais:

Edvaldo Pereira Lima. Joelmir Beting: o jornalista de economia mais influente da história do Brasil. São Paulo: Beting Books, 2021.

Portal Terra. Conheça a origem do ‘gol de placa’, expressão criada por Joelmir Beting, 2012. Disponível em: https://www.terra.com.br/esportes/futebol/conheca-a-origem-do-gol-de-placa-expressao-criada-por-joelmir-beting,39a7ba6c5624b310VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html

Portal Santos Futebol Clube. Memória: Rei Pelé marcava “Gol de Placa” no Maracanã. André Mendes, 2018. Disponível em: https://www.santosfc.com.br/memoria-rei-pele-marcava-gol-de-placa-no-maracana/

Marcelo Cardoso é jornalista e professor universitário. Pesquisa o campo da comunicação em suas várias interfaces com o esporte – contato: FacebookLinkedIn, Instagram @cardosomarcelo68 e Twitter @MCardoso68