doutorado


as prostitutas na poesia latina

cecília gonçalves lopes

Paul Veyne, em artigo publicado em L’Histoire, afirma que prostitutas e gladiadores eram desprezados mas admitidos porque essenciais à ordem do mundo. Na História, sabe-se de fatos relacionados a Messalina e à Submemmium, a rua das prostitutas. Estuda-se o que sobrou dos lupanares e como eram os bairros onde habitava a escória da cidade: Velabro, Subura e o Trastevere. Como isso aparece, então, nas letras? O objetivo desta tese de Doutorado é, justamente, trabalhar com a imagem dessa figura “indissociável da vida romana” 4 – não nos esqueçamos que a primeira lupa foi, simplesmente, Acca Laurentia, ama de Rômulo e de Remo.


imagines poetarum

irene cristina boschiero

É o poeta capaz de mover os ânimos inconstantes de seus ouvintes com uma arte prescrita em manuais ou será mesmo crível o poder da inspiração? Tem a poesia "o poder de exercer uma ação de um certo modo físico, como fazem uma droga, uma música enfeitiçante (...)"? (Dufrenne, 1969). É de se esperar que cada autor se posicione de maneira diferente diante de seu ato literário e delineie imagens de si, de suas obras e das obras de seus companheiros de ofício como resposta aos questionamentos anteriormente levantados. Com o intuito de conhecer algumas dessas respostas, a presente pesquisa toma, como diretriz, reflexões acerca: do conceito de éthos; da questão da índole do poeta e dos elementos que o distinguem do orador; dos textos poéticos metalingüísticos; da história do poeta, elaborada por historiadores e/ou gramáticos, observando os retratos éticos por eles traçados; da realidade poética e da ficção histórica; dos gêneros de poesia e de poetas.


o tratado de psiognomonia latino

melina rodolpho

A finalidade da pesquisa é, primeiramente, traduzir o tratado latino de fisiognomonia De Physiognomonia Liber, de autoria anônima e cuja datação imprecisa remonta aos séculos XIII ou XIV da nossa era. A partir da tradução, será desenvolvido um breve estudo acerca da ciência fisiognomónica, uma vez que o tratado adota outros mais antigos como base, portanto, insere-se na tradição da doutrina concernente à fisiognomonia. Os tratados citados pelo Anônimo são: Physiognomica, III a.C., de Pseudo-Aristóteles - atribuído a Aristóteles, inclusive no tratado em questão, mas os estudos a respeito já provaram não ser da autoria do estagirista; Physiognomonia, II d.C, de Polemo, cuja versão conhecida é em árabe, mas o texto original é grego; Physiognomonia, IV d.C., de Loxus.


pesquisadores