Sala de Imprensa - USP – Universidade de São Paulo
E-mail: 
Fone:   +55 11 3091-3220 / 3300
Press release - 05/06/2014 - Imprimir Imprimir

USP tem recorde de ingressantes de escola pública e discutirá novas formas de acesso

Número de ingressantes de escolas públicas subiu quatro pontos percentuais em relação ao ano passado. Conselho de Graduação aprovou, hoje (05/06),  mudanças no sistema de bonificação e dará início às discussões sobre novas formas de ingresso na Universidade

O pró-reitor falou sobre as discussões a respeito de novas formas de ingresso na Universidade

Em 2014, o número de ingressantes oriundos de escolas públicas cresceu quatro pontos percentuais em relação ao ano anterior, passando de 28,5% para 32,3%. Para o próximo Vestibular, o Conselho de Graduação (CoG) aprovou mudanças no sistema de bonificação do Programa de Inclusão Social (Inclusp) e dará início às discussões sobre novas formas de ingresso nos cursos de graduação da Universidade. Essas novidades foram anunciadas pelo pró-reitor de Graduação, Antonio Carlos Hernandes, após a sessão do CoG realizada hoje, dia 5 de junho.

Leia, a seguir, os principais tópicos apresentados pelo pró-reitor.

Programa de Inclusão Social (Inclusp)

O número de ingressantes de escolas públicas aprovados no Vestibular (32,3%) foi o maior registrado na Universidade, desde a criação do Programa de Inclusão Social (Inclusp), em 2006. Desses, 30,3% são alunos que se declararam pretos, pardos e indígenas (PPI).

Esse grupo representa um novo rol de beneficiados pelos bônus do Inclusp este ano e podiam receber até 5% de bonificação. No Vestibular 2014, os bônus voltados para alunos oriundos de escolas públicas poderiam chegar a até 25%, dependendo do grupo em que o candidato se inseria.

No total de ingressantes na Universidade, o número de PPI também cresceu, passando de 13,9%, em 2013, para 17,2% neste ano.

Na Faculdade de Medicina, por exemplo, 41,2% dos aprovados são oriundos de escolas públicas e, desses 26,2%, são PPI. Na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, a porcentagem de alunos de escolas públicas foi 37,6% e, de PPI, 36,7%.

Mudança no sistema de bonificação

O Conselho de Graduação aprovou mudanças no sistema de bonificação do Inclusp. A partir do próximo vestibular, o candidato de escola pública receberá a porcentagem total da bonificação, dependendo do grupo em que se inserir (veja tabela abaixo). Até este ano, o bônus era concedido de acordo com o desempenho do candidato na prova da Fuvest. O mínimo de acertos na prova continuará o mesmo: 27 questões. Neste vestibular, a média dos bônus concedidos foi de 9%.

Outra novidade é que a nota de corte será calculada a partir das notas obtidas já com a bonificação. De acordo com Hernandes, simulações mostraram que, com a mudança, a nota de corte deverá subir de um a dois pontos e a expectativa é de que, em 2015, o número de ingressantes de escolas públicas chegue a até 38%.

CandidatoBonificação
Inclusp Ensino Médio - aluno que cursou ou esteja cursando ensino médio em escola pública12%
Inclusp Ensino Básico - aluno que cursou ensino fundamental na rede pública e tenha cursado ou esteja cursando, integralmente, o ensino médio em escola pública.15%
Bônus Pasusp - concedido a candidato que cursou integralmente o ensino fundamental na rede pública e que esteja cursando o 2º ou 3º ano do Ensino Médio em escolas públicas.Até 20%
Bônus PPI –EB: candidato inscrito no vestibular na condição de Inclusp Ensino Básico e que se declararem pretos, pardos e indígenas.5%

Novas formas de ingresso

Um dos principais pontos ressaltados pelo pró-reitor é o início das discussões, a partir do dia 9 de junho, que visam à revisão dos mecanismos de ingresso na Universidade, tendo como meta o vestibular de 2016. As discussões, segundo ele, devem envolver todas as Unidades de Ensino e Pesquisa da Universidade. “A Fuvest continuará existindo, mas a proposta é que deixemos de ter uma apenas entrada para termos mais opções”, afirmou.

Hernandes apresentou como exemplo a busca de talentos em olimpíadas científicas, principalmente as relacionadas às áreas de ciências básicas, como matemática, química e física, ou a utilização da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Há várias possibilidades e essa deverá ser uma decisão colegiada. Temos que aproveitar o que há de melhor”, disse.

Em agosto deste ano, está prevista a realização de um simpósio para debater as formas de acesso à Universidade.

(Fotos: Ernani Coimbra / Marcos Santos)

•  •  •  •