Sala de Imprensa - USP – Universidade de São Paulo
E-mail: 
Fone:   +55 11 3091-3220 / 3300
Blog da USP - 18/02/2011 - Imprimir Imprimir

No mundo da ciência e da cultura

Os novos alunos da USP, que nesta semana chegam à Universidade para fazer matrícula, são convidados a participar da 13ª Semana de Recepção aos Calouros, que ocorrerá entre os dias 21 e 25, com várias atividades culturais, artísticas e acadêmicas

Mais uma vez, a USP dá as boas-vindas aos seus calouros. Nesta segunda e terça-feira, dias 14 e 15, os 10.652 aprovados no maior vestibular do País entram na Universidade como alunos, a fim de fazer suas matrículas. Na semana que vem, entre os dias 21 e 25, participarão da 13ª Semana de Recepção aos Calouros, que promoverá inúmeras atividades culturais, artísticas e acadêmicas nas 42 unidades de ensino e pesquisa da USP, nos sete campi da Universidade.

“A Pró-Reitoria de Graduação, com muita alegria, saúda os novos alunos”, avisa aos calouros a pró-reitora de Graduação da USP, professora Telma Maria Tenorio Zorn. “Na nossa USP, você terá a oportunidade valiosa de construir sólido conhecimento sobre as ciências que darão substrato para a aquisição de aptidões profissionais específicas. Aqui também amadurecerá como pessoa, consolidará suas visões sobre o mundo e se tornará um cidadão, como se espera, consciente e socialmente responsável.”

Disque-Trote

O coordenador do Grupo de Trabalho Pró-Calouro da Pró-Reitoria de Graduação, professor Oswaldo Crivello Júnior, também comemora a vinda dos novos alunos. Ele pede que os calouros cheguem “com espírito aberto”, sem receios, porque serão bem recebidos pela comunidade de alunos, professores e funcionários uspianos.

Crivello lembra que, após 12 edições da Semana de Recepção aos Calouros, já nota uma “mudança de mentalidade e de cultura” na forma de recepcionar os ingressantes na Universidade. “Percebe-se nitidamente que, quando o calouro é bem tratado na sua chegada, ele tende a reproduzir o mesmo comportamento nos anos seguintes, e isso vem se consolidando ao longo dos anos na USP.”

O professor lembra, porém, que “exceções” podem acontecer. Por isso, a Pró-Reitoria de Graduação tomou cuidados para evitar que haja qualquer tipo de constrangimento ao calouro. Um desses cuidados foi colocar à disposição dos novos alunos o Disque-Trote (0800-012-10-90), que receberá denúncias de trote violento. Qualquer calouro que se sentir vítima de tratamento inadequado poderá ligar imediatamente para esse serviço. O Disque-Trote funcionará a partir desta segunda-feira, dia 14, até 14 de março, das 8 às 21 horas. “Queremos que seja uma semana de alegre recepção, e não de decepção”, diz Crivello, lembrando que o trote violento é proibido na Universidade.

Sobre a programação da Semana de Recepção aos Calouros, Crivello destaca que ela está “muito interessante” e variada, incluindo exposições, palestras e shows musicais, entre várias outras atrações. “As unidades elaboraram as atividades com muito cuidado”, finaliza.

Uma ampla visão da academia

Os 10.652 novos alunos da USP receberão no ato da matrícula – que ocorre nesta segunda e terça-feira, dias 14 e 15 – o Manual do Calouro, que traz informações sobre cada unidade da Universidade, além de um Guia de Serviços e do Calendário Acadêmico 2011. Publicado pela primeira vez em 1996, o Manual do Calouro chega à sua 16ª edição. Com 130 páginas coloridas, é produzido pela Coordenadoria de Comunicação Social (CCS) da USP.

Através das páginas do Manual, o calouro tem uma visão ampla da Universidade em que acaba de entrar. Como a publicação informa, a USP possui sete campi – localizados em São Paulo, Bauru, Lorena, Piracicaba, Pirassununga, Ribeirão Preto e São Carlos. Eles abrigam 42 unidades de ensino e pesquisa, que oferecem 239 cursos de graduação e 233 programas de pós-graduação. No total, a USP tem 88 mil estudantes, sendo 56 mil de graduação, 25 mil de pós-graduação e 7 mil de especialização e de extensão. O número de professores passa de 5.700 e os funcionários são 15 mil.

O Guia de Serviços traz informações que ajudam o calouro a aproveitar melhor a infraestrutura da Universidade. Nele estão publicados dados sobre os restaurantes universitários, os postos bancários instalados nos campi e os telefones dos centros acadêmicos. Há também as opções de arte e cultura, como as sessões de cinema, os espaços culturais e os quatro grandes museus da USP – o Museu Paulista (também conhecido como Museu do Ipiranga), o Museu de Zoologia, o Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) e o Museu de Arte Contemporânea (MAC). A seção Assistência e Promoção Social traz dados sobre a bolsa-alimentação e a bolsa-moradia, por exemplo. Bibliotecas, meios de comunicação universitários, editoras e livrarias, esportes e infraestrutura em informática também são temas abordados no Guia de Serviços.

O Manual dá destaque à história da universidade – essa instituição milenar, surgida no século 12, com o objetivo de investigar todas as coisas, “divinas e humanas”. O capítulo sobre “A origem das universidades” cita Paris, Bolonha, Oxford e Heidelberg como as primeiras academias modernas. Outro capítulo aborda o surgimento da USP, fundada em 1934, já com o lema que até hoje estampa seus documentos: Scientia vinces (“Pela ciência vencerás”, em latim).

Na introdução, o Manual do Calouro publica ainda textos do reitor da USP, João Grandino Rodas, e da pró-reitora de Graduação, Telma Maria Tenório Zorn, que dão as boas-vindas aos calouros. “O discente da USP, em virtude de sua seleção, está entre os alunos mais bem preparados do Brasil”, escreve Rodas. “Daí origina-se a obrigação de dedicar-se durante o curso, para que o respectivo diploma seja realmente certificação de conhecimentos adquiridos, colocando-os entre os melhores profissionais do País.”

(Matéria publicada na edição nº 914 do Jornal da USP)

•  •  •  •

Deixe um comentário

Política de moderação de comentários

Este blog reserva-se o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou outros princípios da boa convivência. Dessa forma, serão suprimidos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa ou falsidade ideológica.