Toggle Menu

Você está aqui: Home » Últimas notícias » Artefato da Roma antiga inspira Ciência moderna

Artefato da Roma antiga inspira Ciência moderna

Cadastrado em 21/11/2013

              Pesquisadores da University's Institute for Photonics and Advanced Sensing (IPAS) da University of Adelaide (Austrália) estão investigando a melhor forma de incorporar nanopartículas em vidro – e dessa forma transferir ao vidro algumas propriedades das nanopartículas.

"As nanopartículas e nanocristais são o foco de pesquisa em todo o mundo por causa de suas propriedades únicas que têm o potencial de trazer grandes avanços em uma ampla gama de campos da medicina, óptica e eletrônica", diz o Professor Adjunto Heike Ebendorff - Heidepriem. "Um processo para a incorporação de nanopartículas com sucesso em vidro, abrirá o caminho para aplicações como fontes de ultrabaixo consumo de energia, células solares mais eficientes ou sensores avançados que podem ver dentro do cérebro humano vivo."

"Nós vamos ser capazes de mais facilmente aproveitar essas propriedades em nanoescala em dispositivos práticos . Isso nos dá um material tangível com propriedades de nanopartículas que podemos moldar em formas úteis para aplicações do mundo real. E as propriedades únicas são realmente reforçada pela incorporação de vidro. "

O Copo do Licurgo, uma taça datado do século 4, exposta pelo Museu Britânico, em Londres, é feita de vidro que muda de cor do vermelho para o verde, dependendo se a luz está atravessando a taça ou sendo refletida em sua superfície. Essa propriedade se deve às  nanopartículas de ouro e prata embutidas no vidro.

"O Copo do Licurgo é um belo artefato que, por acidente, faz uso das propriedades interessantes de nanopartículas para efeito decorativo", diz o Professor Ebendorff – Heidepriem. "Queremos usar os mesmos princípios para sermos capazes de usar nanopartículas para todos os tipos de tecnologias avançadas. "

"O vidro é como um líquido congelado", diz o Professor, " Ao incorporar as nanopartículas no vidro,  elas ficam fixadas numa matriz, de forma que podemos tirar partido de suas propriedades".

O grupo de pesquisadores está conduzindo uma pesquisa australiana que investiga a melhor forma de incorporar nanopartículas, considerando a solubilidade de diferentes tipos de nanopartículas em vidro e como isso muda com a temperatura e o tipo de vidro, e como as nanopartículas são controlada e modificadas.

REFERÊNCIAS: 

University of adelaide