1

“O agir econômico é algo que, muitas vezes, atropela os dogmas teóricos”

Conciliar mundos distintos: o intelectual e o prático é uma lição que
os pioneiros nos ensinam com sua história. José Sebastião Witter
discute esse tema em resenha ao segundo volume do projeto...

 

Donec eu mi sed turpis feugiat feugiat. Integer turpis arcu, pellentesque eget, cursus et, fermentum ut, sapien. Fusce metus mi, eleifend sollicitudin, molestie id, varius et, nibh. Donec nec libero.

A História do desenvolvimento

PIONEIROS E EMPREENDEDORES, escrito por Jacques Marcovitch e lançado pela Editora da Universidade de São Paulo (EDUSP), conta a saga do crescimento econômico do Brasil, através da vida de grandes empresários que acreditaram no País e investiram, criando verdadeiros impérios empresariais.

PIONEIROS E EMPREENDEDORES - A saga do desenvolvimento no Brasil - um livro de Jacques Marcovitch; publicado pela EDUSP e Editora Saraiva; São Paulo, Brasil, 2005.

Sai o segundo volume deste empreendimento já vitorioso de Jacques Marcovitch, professor titular da Faculdade de Economia e Administração da USP e ex-Reitor da mesma Universidade.

Como já salientei, quando da edição do primeiro volume desta Saga do desenvolvimento no Brasil, o professor Marcovitch não precisa de apresentação. Reconhecido nacional e internacionalmente ela está, com este projeto, preenchendo uma lacuna dos estudos da História do país. Traz à tona novos personagens e dá a eles a posição que ocuparam no cenário brasileiro. É o resultado de um cuidadoso trabalho de pesquisa e de uma forma correta de transmitir os conhecimentos adquiridos aos leitores acadêmicos ou não.

O professor Jacques escolheu para esta publicação figuras marcantes dos séculos XIX e XX. Alguns ainda presentes e atuantes neste início do terceiro milênio. São eles Mauá, Luiz de Queiroz, Attílio Fontana, Valentim dos Santos Diniz, Guilherme Guinle, As famílias Lafer/Klabin, José Ermírio de Moraes, os Gerdau-Johannpeter.

Vou reproduzir as palavras do autor quando afirma: “O agir econômico é algo que, muitas vezes, atropela os dogmas teóricos. Se olharmos o capitalismo sem o viés de outros tempos, podemos dizer dele o mesmo que disse Eric Hobsbawn (2002) ao fazer um balanço do socialismo: ‘É impossível não reconhecer que fizemos muito mal, mas que também fizemos muito bem’. Os pioneiros do empreendedorismo justificam diante da história o pensamento liberal, compreendido aqui em sua acepção de apoio à livre iniciativa e à propriedade particular”.

Todos os estudos de figuras humanas (para o autor personagens de uma revolução) tão importantes para o Brasil são completados por um capítulo inicial que cuida de fazer Uma História do Trabalho. Para completar o estudo um capítulo conclusivo com o tema Uma lição de futuro, notas agradecimentos e o sempre imprescindível Índice Onamástico

Um livro concebido como este e uma obra desta natureza quase impossibilitam comentários abrangentes. Trata-se de um livro que fala de personalidades e cada uma com suas características e época em que viveu e daí não se poder tratar sem distorções aquilo que aconteceu no início do século XX ou que se passou depois da Segunda Guerra Mundial. Além do mais é uma reunião de biografias. Quem lê uma obra assim acaba por escolher o cidadão que o impressiona ou por quem já nutre uma certa admiração. Assim sendo, creio que o importante é ressaltar o esforço hercúleo do professor Jacques Marcovitch e ressaltar a competência dele pela escolha de cada um. Ainda mais, por saber como introduzir cada qual em seu próprio mundo e o conjunto dessas personagens na História do Brasil.

Creio que a melhor maneira de encerrar estes comentários é, mais uma vez introduzir as palavras do próprio autor. Diz ele, quase ao encerrar o primeiro capítulo deste livro: “... A história empresarial no Brasil também padece desse viés Apologético. Em geral custeadas pelas corporações, desempenham quase sempre uma função de propaganda institucional. As versões positivas substituem os fatos. Dificuldades de percurso, tão necessárias para a compreensão dos negócios, ficam ocultas pelo manto da conveniência. [...]

Dificilmente se acham, nestes volumes de elegante formato, subsídios que ajudem a contar uma história fiel do empreendedorismo.
O nosso projeto é de outra ordem. Tentaremos, nos capítulos seguintes, narrar a trajetória de alguns personagens coma descrição dos respectivos contextos em que atuaram, a evolução dos seus negócios, estilos de gestão e capacidade inovadora. [...] Assim o fazemos porque a história, como foi dito nas primeiras linhas deste capítulo, é uma sucessão de fatos deflagrados pela conjuntura e também pela iniciativa de pessoas dispostas a mudar para melhor o cenário da economia”.

Antes de colocar um ponto final nestas considerações em torno do novo livro de Jacques Marcovitch, quero registrar (eventos quase nunca são marcados e caem no esquecimento) a forma muito especial de como ele foi lançado. Empreendedor e inovador, Jacques organizou um Seminário sobre os temas e os personagens e convidou especialistas e familiares para um debate, sobremaneira, interessante. Como introdução, realizou, também com pesquisadores e especialistas, uma mesa redonda que cuidou de analisar o trabalho de preservação dos acervos empresariais. A organização desses acervos em arquivos e museus é uma nova linha na busca de guardar a nossa História e a deixar para os futuros pesquisadores.

Com isto encerro. Espero que os meus curiosos leitores confiram, nas páginas deste segundo volume de “Pioneiros e Empreendedores”, o trabalho também pioneiro de Jacques Marcovitch.

José Sebastião Witter, O DIÁRIO - Mogi das Cruzes, terça-feira, 13 de setembro de 2005 - CADERNO A-5