Os voos flagrados pelas lentes de Zeca Garcia

Por Leonardo Corey Belleza

O pirajuense José Carlos Garcia, conhecido carinhosamente como Zeca Garcia, é pedagogo, ex-funcionário público e, com um dom especial, é observador de aves. 

Morou em São Paulo durante a juventude por aproximadamente oito anos. Lá, possuía a gráfica Script e, quando se casou, voltou à sua amada Piraju, para ser proprietário da gráfica Invicto 70. Além disso, também atuou como agente penitenciário em Itaí. 

Em meados de 1995, a internet comercial se expandiu no Brasil e, em virtude da experiência profissional em gráfica, teve facilidade nesse meio. Depois, nas redes sociais, encontrou um modo de divulgar a cidade, visto que a prefeitura e nenhum órgão tinha um site que a divulgasse. José Carlos tomou a iniciativa, criou um site e um domínio, denominado “Estância Piraju” (https://www.estanciapiraju.com), antes mesmo da cidade receber o título de “Estância Turística”. 

No começo de sua trajetória como fotógrafo, seu equipamento era uma máquina simples, mas assumiu para si o compromisso de divulgar o município. Dessa forma, Zeca vem realizando esse trabalho há vinte e cinco anos, com um portfólio de mais de 200 mil fotos.

O amor pela fotografia está diretamente relacionado ao que sente pela cidade e, inspirado em um parente, seu primo Dario Sanches, quis contemplar ainda mais a fauna e a flora. Ao visitar a zona rural, ele percebeu que, quando fotografava os pássaros, as pessoas que moravam naquela proximidade não sabiam nomeá-las. Falavam nomes populares e até mesmo criados por eles. 

Sentindo a necessidade de informar, passou a pesquisar e, em seu primeiro livro “As aves da minha vida” (2013), Garcia apresenta 310 espécies de aves de Piraju. Foram confeccionados e distribuídos gratuitamente dois mil volumes, doados a crianças e instituições, além dos adquiridos pela prefeitura e aqueles disponibilizados à venda. Esse trabalho ajudou a colocar Piraju entre os dez municípios do Estado e entre os trinta do país em número de espécies cadastradas. 

Atualmente, a segunda edição (agora digital) do livro totaliza 365 espécies de aves em Piraju, trabalho desenvolvido não somente por Zeca, mas também por outros observadores de aves. 

“Alguns observadores de aves já adquiriram o livro, havendo pessoas de fora que têm interesse em conhecer a cidade justamente por causa das aves. O Brasil possui cerca de 80 mil observadores, mas ainda é uma atividade pouco explorada. Além disso, eles têm extremo cuidado com a natureza, com o meio ambiente e possuem interesse no reflorestamento”, reforça.

O segundo livro “Piraju em cena” (2015) é composto por fotos da paisagem e encantos da cidade, contando um pouco da história e fatos interessantes da encantadora Piraju, inserindo, também, uma pitada de músicas e poesias.

Com uma abordagem diferente, o terceiro livro é voltado ao público infantil e batizado de “As aves da floresta dourada” (2017). A ideia de publicar um livro infantil surgiu por meio de trabalhos realizados nas escolas, relacionados à educação ambiental e que não tinha um material específico. Assim, foi organizada a publicação de 3,5 mil volumes, relatando de forma acessível a preocupação com a construção de uma nova usina hidrelétrica em Piraju, que iria inundar o local até então conhecido como Parque do Dourado (hoje Floresta Municipal das Corredeiras). 

Comovido e preocupado sobre a preservação, Zeca Garcia deixa uma mensagem para a população e  para as futuras gerações: “Não temos o direito de destruir o rio e não devemos permitir que o façam. As aves são um grande exemplo de preservação, pois, se existem, é sinal que a natureza está fazendo o papel de abrigá-las e fornecê-las alimentos.  Elas  vivem dentro das florestas, então mantê-las é essencial.” 

A cidade de Piraju recebeu o status de Estância Turística, passando a ser denominada assim a ser denominada a partir de cinco de julho de 2002, fato enaltecido pelo fotógrafo e agora vereador em virtude de suas belezas naturais e do rio totalmente despoluído. “Sua área urbana contempla exuberantes praças, haja vista grandes investimentos e planejamentos urbanísticos, ocorridos nos anos 50 e 60 do século passado, valorizando o antigo slogam da cidade Cidade Jardim.” 

O rio que passa (José Carlos Garcia, livro: Piraju em Cena)

“Eu sou o Rio que passa
nas matas nas rochas
que sobe que desce 
no meio da praça
que nutre a fauna 
que molha o chão 
que mata a sede 
da população
e todo esse povo
me chama de ‘panema’
um jeito amoroso 
de me comentar
eu quero correr
prá água subir
prá chuva cair
não posso parar” 

Os livros de José Carlos Garcia podem ser encontrados nos links abaixo:
Livro “As aves da minha vida” – https://www.piraves.com
Livro “Piraju em Cena” https://www.estanciapiraju.com/piraju-em-cena

Leonardo Corey Belleza é repórter e bolsista do projeto “Registro da Memória e do Turismo na Estância Turística de Piraju: desenvolvimento das habilidades comunicacionais no ensino fundamental I e II” do Programa USP MUNICÍPIOS

4 thoughts on “Os voos flagrados pelas lentes de Zeca Garcia

  • 23 de agosto de 2021 at 19:49
    Permalink

    Matéria muito boa!! Parabéns, Leonardo

    Reply
  • 23 de agosto de 2021 at 19:58
    Permalink

    Parabéns pela matéria, o vereador José Carlos Garcia faz um trabalho, fotografando aves, que éh um espetáculo e éh conhecedor tbm…

    Reply
  • 23 de agosto de 2021 at 20:28
    Permalink

    Maravilhoso o trabalho desse meu amigo ZECA GARCIA junto as AVES e preservação do Rio PARANAPANEMA.
    Sem dúvida um ser humano que está a vários anos luz a frente da sua comunidade.

    Reply
  • 24 de outubro de 2021 at 10:35
    Permalink

    Zeca Garcia é nosso maior ativista ambiental hoje, reúne todas as virtudes de uma pessoa que sabe aliar equilíbrio, imparcialidade, desinteresse pessoal, mansidão e alegria relacionada às causas de Piraju em geral, especialmente ambientais. Além disso tem um senso de organização que o levou a reunir e catalogar todo material inédito que publicou em seus livros. Trabalho admirável. Parabéns a Luciano, USP e equipe do projeto por valorizar essa história.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *