Terapia de Aceitação e Compromisso para fobia de espaços fechados: Um estudo clínico randomizado

Karen Vogel, Pedro Caldana Gordon, Francisco Lotufo Neto

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar se uma abordagem psicoterapêutica breve poderia ajudar a minimizar o desconforto dos pacientes que sofrem para realizar procedimentos médicos, como é o caso da ressonância magnética (MRI), principalmente naqueles indivíduos com fobia de espaços fechados. Participaram do estudo sujeitos que apresentam esquiva ou recusa de realizar exames de ressonância magnética e que foram divididos em dois grupos com as seguintes intervenções: um grupo recebeu uma sessão de Terapia de Aceitação e Compromisso, e outro grupo recebeu sete sessões do mesmo modelo. Os dois grupos foram avaliados antes e depois do tratamento em escalas de claustrofobia, ansiedade (Idate) e depressão (BDI). O estudo mostrou que o grupo de uma sessão obteve eficácia inferior se comparado com o grupo de sete sessões. Os resultados mostram que o protocolo de psicoterapia breve de sete sessões se mostrou uma alternativa segura e eficaz para os indivíduos com dificuldade de realizar exames de ressonância magnética.

Palavras-chave


claustrofobia; fobia; espaços fechados; ansiedade; terapia de aceitação e compromisso

Texto completo: PDF

Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva ISSN 1517 - 5545
Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental