Uma hipótese transdiagnóstica a partir da Psicoterapia Analítica Funcional: A formação do Eu e seus problemas

Rafael Ferro-García, Luis Valero-Aguayo

Resumo


O artigo apresenta uma hipótese transdiagnóstica originada nas terapias contextuais, especificamente na Psicoterapia Analítica Funcional (FAP), a qual descreve problemas comuns de formação do Eu em muitos transtornos psicopatológicos. Na FAP, o Eu é considerado um conceito aprendido verbal e social, uma generalização aprendida desde a tenra idade, a partir de frases que incluem o Eu como sujeito ativo, como lugar ou perspectiva de onde o eu atua. A FAP considera que o nível de controle privado e/ou público na aprendizagem do Eu pode dar lugar a problemas leves ou graves, reforçados e mantidos pelo contexto social. A teoria é detalhada em como seria formado o Eu verbal e social por etapas, assim como os outros diversos tipos de problemas psicológicos. Finalmente, é revisada a avaliação e intervenção da FAP nos problemas do Eu, especialmente naqueles relacionados aos transtornos de personalidade. Conclui-se sobre a necessidade de
investigação e teste dessa hipótese nos casos clínicos ou em estudos semelhantes.

Palavras-chave


psicoterapia analítica funcional; eu; transdiagnóstico; problemas do eu

Texto completo: PDF

Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva ISSN 1517 - 5545
Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental