Uma hipótese transdiagnóstica a partir da Psicoterapia Analítica Funcional: A formação do Eu e seus problemas

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Rafael Ferro-García
Luis Valero-Aguayo

Resumo

O artigo apresenta uma hipótese transdiagnóstica originada nas terapias contextuais, especificamente na Psicoterapia Analítica Funcional (FAP), a qual descreve problemas comuns de formação do Eu em muitos transtornos psicopatológicos. Na FAP, o Eu é considerado um conceito aprendido verbal e social, uma generalização aprendida desde a tenra idade, a partir de frases que incluem o Eu como sujeito ativo, como lugar ou perspectiva de onde o eu atua. A FAP considera que o nível de controle privado e/ou público na aprendizagem do Eu pode dar lugar a problemas leves ou graves, reforçados e mantidos pelo contexto social. A teoria é detalhada em como seria formado o Eu verbal e social por etapas, assim como os outros diversos tipos de problemas psicológicos. Finalmente, é revisada a avaliação e intervenção da FAP nos problemas do Eu, especialmente naqueles relacionados aos transtornos de personalidade. Conclui-se sobre a necessidade de
investigação e teste dessa hipótese nos casos clínicos ou em estudos semelhantes.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Ferro-García, R., & Valero-Aguayo, L. (2017). Uma hipótese transdiagnóstica a partir da Psicoterapia Analítica Funcional: A formação do Eu e seus problemas. Revista Brasileira De Terapia Comportamental E Cognitiva, 19(3), 145-165. https://doi.org/10.31505/rbtcc.v19i3.1060
Seção
Artigos Conceituais