Relações funcionais entre estímulos condicionais sociais, atenção conjunta, tato e mando em crianças com autismo

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Flávia Teresa Neves Silva Bacelar
Elizabeth Bezerra Neves
Carlos Barbosa Alves de Souza

Resumo

Déficits na atenção conjunta (AC), caracterizada como resposta de atenção conjunta (RAC) e iniciação de atenção conjunta (IAC), têm sido relacionados com os problemas de linguagem observados em pessoas com autismo. O estabelecimento do comportamento de outras pessoas como estímulos discriminativos/reforçadores condicionais pode ser importante para AC. Este estudo investigou, em três crianças com autismo, as relações funcionais que podem ocorrer entre o estabelecimento do comportamento de outras pessoas como estímulos discriminativos/reforçadores condicionais e os repertórios de RAC, IAC, tato e mando. Foram realizados treinos de repertórios de sessão e pré-testes da efetividade reforçadora/discriminativa de estímulos condicionais sociais, de RAC, IAC, mando e tato. Com base nos prétestes, foram definidas diferentes linhas de base entre os participantes para iniciar os treinos dos repertórios inexistentes e poder avaliar os efeitos de um ou mais repertórios sobre os demais. Os resultados sugerem uma independência funcional entre a aquisição de RAC, mando e tato e o estabelecimento de respostas a estímulos sociais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Pesquisas originais