Terapia de aceitação e compromisso: história, fundamentos, modelo e evidências

Autores

  • Leonardo Martins Barbosa UnB
  • Sheila Giardini Murta UnB

DOI:

https://doi.org/10.31505/rbtcc.v16i3.711

Palavras-chave:

terapia de aceitação e compromisso, contextualismo funcional, teoria dos quadros relacio-nais, flexibilidade psicológica, terapia cognitivo-comportamental

Resumo

Este artigo tem o objetivo de realizar uma revisão histórica e conceitual da terapia de aceitação e compromisso (ACT). Esta é uma terapia cognitivo-comportamental baseada (a) no contextualismo funcional, filosofia que visa à predição e influência do comportamento com precisão, escopo e profundidade; e (b) na teoria dos quadros relacionais, uma abordagem pós-skinneriana da linguagem e da cognição. A ACT propõe um modelo de mudança do comportamento denominado flexibilidade psicológica, que explica o funcionamento saudável e psicopatológico por meio da interação de processos psicológicos normais. As evidências de efetividade e processo sinalizam que a ACT é um sistema terapêutico promissor, diretamente orientado para a identificação de mecanismos de mudança do comportamento humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-01-20

Como Citar

Barbosa, L. M., & Murta, S. G. (2015). Terapia de aceitação e compromisso: história, fundamentos, modelo e evidências. Revista Brasileira De Terapia Comportamental E Cognitiva, 16(3), 34-49. https://doi.org/10.31505/rbtcc.v16i3.711

Edição

Seção

Artigos Conceituais