Walden Two: Uma sociedade utópica não aversiva?

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Tatiana Evandro Monteiro Martins
Marcus Bentes de Carvalho Neto
Paulo César Morales Mayer

Resumo

A ficção Walden Two (Skinner, 1948/1975) retrata uma sociedade cujas práticas sociais são baseadas em princípios científicos da Análise do Comportamento. A proposta envolve basicamente o uso de reforço positivo em contraste, com as sociedades reais, nas quais o controle aversivo seria um traço quase onipresente. Seria Walden Two de fato uma sociedade culturalmente planejada apenas em contingências de reforçamento positivo? O controle aversivo estaria ausente das relações sociais? O presente trabalho teve como objetivo geral investigar sistematicamente a presença ou não de controle aversivo no livro Walden Two. A obra foi examinada identificando-se os trechos que continham palavras-chave relacionadas ao controle aversivo. Observou-se que em três momentos específicos o controle aversivo é prescrito. Discute-se o uso inapropriado de Walden Two como um representante de uma sociedade não coercitiva assim como a necessidade de se reavaliar o papel (científico e ético) do próprio controle aversivo nas relações sociais, planejadas ou não.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Palavras-chave:
Walden Two, utopia, controle aversivo, Skinner
Como Citar
Martins, T., Neto, M., & Mayer, P. (2017). Walden Two: Uma sociedade utópica não aversiva?. Revista Brasileira De Terapia Comportamental E Cognitiva, 19(1), 78-93. https://doi.org/10.31505/rbtcc.v19i1.953
Seção
Artigos Conceituais