Sala de Imprensa - USP – Universidade de São Paulo
E-mail: 
Fone:   +55 11 3091-3220 / 3300
Blog da USP - 06/05/2014 - Imprimir Imprimir

Pesquisadora do Ipen aborda a relação entre a chuva na Amazônia e sua capacidade de absorver CO2

Na próxima quinta-feira, dia 8 de maio, às 16h, o Instituto de Física (IF) promove um colóquio no qual será discutida a relação entre as condições de seca na Amazônia e a redução da capacidade da Floresta de absorver dióxido de carbono (CO2).

A palestra será ministrada pela pesquisadora do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), Luciana Vanni Gatti, que, com outros servidores do Ipen e de demais institutos de pesquisa brasileiros, realizou um estudo no qual concluiu que a alteração no regime de chuvas em razão das mudanças climáticas pode fazer com que os ecossistemas tropicais da bacia amazônica liberem mais CO2 do que conseguem absorver, conclusão que foi publicada também na revista Nature.

Efeitos da seca

No evento do IF, será avaliado o impacto da disponibilidade de água no Balanço de Carbono da Bacia Amazônica. Foram estudados os anos de 2010 e 2011, onde foi observado que a seca de 2010 diminuiu a capacidade da Amazônia absorver carbono. Neste ano foi observada uma precipitação durante a estação chuvosa muito inferior a média dos 30 anos anteriores. O estresse hídrico foi tão grande para a vegetação que comprometeu a capacidade da floresta de absorver carbono. Em 2011, por outro lado, ano em que choveu acima da média dos últimos 30 anos, a vegetação conseguiu, não apenas absorver toda a emissão oriunda de processos naturais, como também compensar a maior parte das queimadas na Amazônia. Estes resultados indicam que a precipitação pode interferir no Balanço de Carbono mais fortemente do que a temperatura.

Luciana (foto) possui graduação em Química, mestrado em Química Analítica, ambos pela USP; e doutorado em Química pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Além de pesquisadora, é professora de pós-graduação do curso Tecnologia Nuclear do IPEN / USP e coordena o Laboratório de Química Atmosférica do Centro de Química e Meio Ambiente deste Instituto. Atua desde 2003 principalmente em pesquisas na área de Mudanças Climáticas, focadas no papel da Amazônia na emissão/absorção de Gases de Efeito Estufa; e também nas áreas de Química da atmosfera, com ênfase em Análise de Gases Traços e Química Ambiental, com foco nos temas: gases de efeito estufa, interações atmosféricas, gases traços, compostos orgânicos voláteis.

Este evento é gratuito e aberto ao público em geral, sem necessidade de inscrição prévia, é organizado pela Comissão de Pesquisa do IF e será realizado no auditório Abrahão de Moraes do Instituto. Mas, quem não puder acompanhar pessoalmente pode assistir a transmissão ao vivo pelo site do IPTV.

O Instituto de Física está localizado na Rua do Matão Travessa R 187 – Cidade Universitária, São Paulo.

Mais informações pelo telefone: (11) 3091-7119 ou pelo e-mail: cpqif@if.usp.br

(Foto: Divulgação)

•  •  •  •

Deixe um comentário

Política de moderação de comentários

Este blog reserva-se o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou outros princípios da boa convivência. Dessa forma, serão suprimidos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa ou falsidade ideológica.