Uruguai

A Ditadura Civil-Militar uruguaia (1973-1985) teve início com o golpe de Estado de 27 de junho de 1973, pelo qual o presidente civil Juan María Bordaberry, com apoio dos militares, dissolveu o Poder Legislativo e concentrou os poderes no Executivo. O processo uruguaio se diferencia dos demais casos latino-americanos justamente pela manutenção de presidentes civis no cargo diretivo, enquanto o poder de fato era exercido pela cúpula militar. Na prática, os civis encarregavam-se das políticas externa e econômica da ditadura. No período em que vigorou o regime autodenominado “civil-militar” no Uruguai, estiveram à frente desse processo três presidentes civis, Juan María Bordaberry (1973-1976), Alberto Demichelli (1976), Aparicio Méndez (1976-1981) e apenas um militar, o general Gregório Álvarez (1981-1985), que comandou o processo de transição para o regime democrático. Ao longo dessa ditadura, estima-se que mais de 7 mil pessoas foram feitas prisioneiras, sequestradas pelas Forças Armadas, por motivos políticos, das quais ao menos 175 estão desaparecidas (INFORME DE MADRES Y FAMILIARES DE URUGUAYOS DETENIDOS DESAPARECIDOS, 2004)…saiba mais

Sítios de Memória do Uruguai:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *