contato

agenda

icons

A transgressora dramaturgia latino-americana está na II Bienal de Teatro da USP

A transgressora dramaturgia latino-americana em seus extremos tem encontro marcado na II Bienal Internacional de Teatro da Universidade de São Paulo, que começa dia 27 de novembro e vai até 18 de dezembro. Coerente com a primeira edição, a deste biênio traz para o público produções teatrais incubadas no universo acadêmico. Diferente do festival que aconteceu em 2013, que contou com a apresentação de trabalhos experimentais do Leste Europeu e do Oriente Médio, desta vez, os espetáculos e workshops reproduzem a realidade da América Latina sob o olhar pouco romântico de uma geração que viveu ou testemunhou os reflexos de traumas político-sociais, como a ditadura, a repressão, a esterilização social e o feminicídio.

“A Esquerda do Sol: poéticas e políticas Latino-Americanas”, que dá nome à Bienal da USP, resume o recorte geopolítico que se pretende dar à II edição. Em língua nahuatl, dos povos astecas, “a esquerda do sol” faz referência ao sul, aos países do Terceiro Mundo e da América Latina. Para dissecar e expor as fraturas do continente, a programação artística selecionou dez espetáculos de cinco países: Brasil, Cuba, Colômbia, México, Chile e Argentina. São potentes produções que ultrapassam o teatro clássico em seu conteúdo e estética com alta carga de crítica política, desidratando a caricatura do latino-americano construída na década de 70. Ao contrário, o que vemos são colagens de fatos reais que se comunicam entre si pela violência transversal praticada pelo Estado opressor, pela sociedade repressora e pelo crime organizado.

O traço performativo, o caráter documental e a cena narrativa, presente nos trabalhos, colocam numa mesma trama, artistas de origens distantes, mas semelhantes. A inquietude de suas obras mostram uma América Latina com uma força renovada. A programação conta com companhias e artistas que, apesar da qualidade de seu trabalho atestada, são pouco conhecidos do público em geral, como o cearense Ricardo Guilherme, criador do Teatro Radical. Além dele, citamos:

  • O Projeto 85 que transita entre o real e o ficcional.
  • A Cia El Ciervo Encantado, que a despeito de ter tido permissão do governo cubano para se apresentar no Brasil, desfere críticas ao fechado regime castrista no espetáculo “Cubalandia”, num humor ácido que mostra como o povo, financeiramente quebrado, teve que se “prostituir” para sobreviver, mostrando o país por duas perspectivas, a dos cubanos e a do estrangeiro.
  • O espetáculo “Villa” da Compañia Playa, do dramaturgo chileno Guilhermo Calderón, traz o diálogo de três mulheres, que avaliam diferentes propostas sobre o que fazer com a Villa Grimaldi, um centro de extermínio da ditadura de Pinochet, refletindo dilemas atuais de organizações de direitos humanos e sobre a violência do Estado.
  • O diretor do trabalho argentino Família Museu, Ariel Zagarese, durante um outro processo de criação, descobriu que era uma das crianças desaparecidas durante a ditadura na Argentina. Diante deste quadro, constrói um espetáculo em que ele reconstitui memórias, impressões e opiniões sobre sua própria família.
  • O teatro-documentário-épico Lagartijas Tiradas al Sol, do México, integrado por jovens artistas engajados no pensamento político atual, mergulha no passado de revolucionários tombados na luta por mundos mais justos e lança luz sobre o desejo apaixonado de recuperar a ideia da rebelião, uma herança dos desejos utópicos de seus antecessores.
  • O colombiano “Notas de Cocina”, de Rodrigo Garcia, que alcançou reconhecimento internacional pela força de sua iconoclastia, atualiza e questiona a vida social e suas efemeridades, bem como o consumismo e a irresponsabilidade perante situações sociais, usando uma linguagem poética, entrelaçando o erotismo à gastronomia.
  • O brasileiro Teatro de Operações, coletivo de ex-alunos e alunos de diversos cursos de graduação e pós-graduação da Unirio, dedica-se à pesquisa de forma a conjugar arte e ativismo político, através da criação de operações para teatro de rua e do desenvolvimento de pedagogias periféricas.

A Bienal Internacional de Teatro da USP dá continuidade a seu projeto provocando a reflexão e discutindo a produção teatral em ciclos de dois anos, nos âmbitos da cidade de São Paulo, Estado, nacional e internacional. Nesta edição procura explorar a teatralidade contemporânea latino-americana e, mais do que isso, mantém sua vocação de apresentar ao público paulista uma curadoria livre dos ditames mercadológicos, trazendo ao palco trabalhos e reflexões que dialogam com o âmbito universitário, em especial no contexto brasileiro, argentino e mexicano. Para isso, conta com:

  • A participação de representantes das Universidades com as quais a Universidade de São Paulo mantém convênios internacionais – UNAM (México) e UBA (Argentina);
  • A escola de espectadores, ação coordenada pelo pesquisador argentino Jorge Dubatti, que fomentará a reflexão crítica junto a grupos de espectadores sobre trabalhos participantes;
  • A roda de espectadores, ação coordenada pelos professores e pesquisadores Flávio Desgranges e Giuliana Simões e proposta pelo Inerte – Instável Núcleo de Estudos e Recepção Teatral, propõe encontros cênicos que se organizam como estudos de recepção e efeito da obra de arte e debaterá com o público sobre os espetáculos participantes;
  • Mesas de discussão sobre o feminicídio com performers que trabalham este tema em suas obras;
  • Worshops com grupos participantes;
  • Partilhas de processos que resultarão em apresentações públicas.

A segunda edição da Bienal Internacional de Teatro da Universidade de São Paulo será uma ação de grande relevância para o TUSP, na medida em que dialogar diretamente com as metas de internacionalização e de cultura e extensão universitárias, ao preencher uma importante lacuna de iniciativas como esta na esfera pública. A exemplo da primeira edição, o enquadramento escolhido, bem como a curadoria sobre ele, não tem o mercado ou o retorno midiático imediato como objetivo central, o que geralmente acontece em outros festivais de teatro.

Confira o catálogo da Bienal em: http://issuu.com/tusp/docs/catalogo_web_issuu/1

Sala de Imprensa: http://www.rapportcomunica.com/sala-de-imprensa/


PROGRAMAÇÃO

Ingresso dos espetáculos

Inteira: R$ 10,00. Meia: R$ 5,00.
Para o espetáculo Anatomia do Fauno o valor dos ingressos será de R$ 40,00 inteira e R$ 20,00 meia-entrada.
* Entrada gratuita nos workshops, mesas e rodas de discussão.

27 de novembro

Espetáculo – Anatomia do Fauno – Teatro da Pomba Gira
SP Escola de Teatro – Praça Franklin Roosevelt, 210, às 22h.

28 de novembro
Abertura  – Maria Arminda do Nascimento
Conferência – Alberto Villareal da UNAM – “Des-estetización de los campamentos de lo real”
TUSP – Centro Universitário Maria Antonia, 294 – Salão Nobre, às 17h.

Espetáculo – O Rumor do Incêndio – Lagartijas Tiradas al Sol
TUSP, 20h.

Espetáculo – Anatomia do Fauno – Teatro da Pomba Gira
SP Escola de Teatro – Praça Franklin Roosevelt, 210, às 22h.

29 de novembro
Espetáculo: O Rumor do Incêndio – Lagartijas Tiradas al Sol
TUSP, 20h.

Roda de Espectadores РO Rumor do Inc̻ndio
TUSP, após a apresentação do espetáculo.

Espetáculo: Anatomia do Fauno – Teatro da Pomba Gira
SP Escola de Teatro – Praça Franklin Roosevelt, 210, às 22h.

30 de novembro
Workshop Teatro de Operações – 14h (selecionados)

Mostra de Atuação do CAC/USP – Ensaio sobre o Vácuo
Ágora – Rua Rui Barbosa, 672, às 18h.

Espetáculo – Stereo Franz (Brasil)
TUSP, às 20h.

01 de dezembro
Workshop Teatro de Operações – 14h (selecionados)

Mostra de Atuação do CAC/USP – Primeiras Pessoas

Ágora – Rua Rui Barbosa, 672, às 18h.

Espetáculo – O que Fazíamos em 85?
TUSP, às 20h.

02 de dezembro
Abertura da Exposição Sudários 
Igreja Nossa Senhora da Paz, às 18h (Exposição até 16 de dezembro).

Workshop Teatro de Operações – 14h (selecionados)

Mostra de Atuação do CAC/USP – 448 Fragmentos Desorientados
Ágora – Rua Rui Barbosa, 672, às 18h.

Espetáculo – O que Fazíamos em 85?
TUSP, às 20h.

Espetáculo – Cubalândia – El Ciervo Encantado
SP Escola de Teatro – Sede Praça Roosevelt, 210, às 21h30.

03 de dezembro
Workshop Teatro de Operações – 14h (selecionados)

Mostra de Atuação do CAC/USP – Lágrimas de um Orgasmo Sincero
Ágora – Rua Rui Barbosa, 672, às 18h.

Espetáculo – Cubalândia – El Ciervo Encantado
SP Escola de Teatro – Sede Praça Roosevelt, 210, às 21h30.

04 de dezembro
Teatro de Operações – 14h (selecionados)

Mesa – Feminicídio I – O Corpo como Espaço da Objetivação da Dor - Ileana Dieguez e Erika Diettes
Lançamento livro “Memento Mori” de Erika Diettes
TUSP, às 19h.

Performance – Teatro de Operações – grátis
Largo do Paissandu, às 19h.

05 de dezembro
Espetáculo – Notas de Cocina – Marc Caellas e Teatro Odeón
TUSP, às 20h.

06 de dezembro
Workshop – La Pocha Nostra (Selecionados)
SP Escola de Teatro – Sede Marquês, Rua Marquês de Itu, 273-285, das 14h às 21h.

Espetáculo – Notas de Cocina – Marc Caellas e Teatro Odeón
TUSP, 20h.

07 de dezembro
Workshop – La Pocha Nostra (Selecionados)
SP Escola de Teatro – Sede Marquês, Rua Marquês de Itu, 273-285, das 14h às 21h.

Escola de Espectadores – Notas de Cocina
Pequeno Ato, às 15h.

08 de dezembro
Workshop – La Pocha Nostra (Selecionados)
SP Escola de Teatro – Sede Marquês, Rua Marquês de Itu, 273-285, das 14h às 21h.

Mesa – É Possível Pensar uma Pedagogia da Critica?
TUSP, às 19h.

09 de dezembro
Workshop – La Pocha Nostra (Selecionados)
SP Escola de Teatro – Sede Marquês, Rua Marquês de Itu, 273-285, das 14h às 21h.

Espetáculo: Bravíssimo – Ricardo Guilherme
SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt, às 21h30

10 de dezembro
Workshop – La Pocha Nostra (Selecionados)
SP Escola de Teatro – Sede Marquês, Rua Marquês de Itu, 273-285, das 14h às 21h.

Roda de Espectadores – Bravíssimo
Pequeno Ato, às 15h.

Espetáculo – Flor de Obsessão – Ricardo Guilherme
SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt, às 21h30.

11 de Dezembro
Workshop – La Pocha Nostra (Selecionados)
SP Escola de Teatro – Sede Marquês, Rua Marquês de Itu, 273-285, das 14h às 21h.

Roda de Espectadores
Mesa I – A Relação Histórica entre o Teatro Argentino e seu Espectador - 
Com Jorge Dubatti e mediação de Celso Frateschi.
Ágora – Rua Rui Barbosa, 672, às 15h.

Espetáculo – Ramadança – Ricardo Guilherme
SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt, às 21h30.

12 de dezembro
Apresentação – Performance – La Pocha Nostra
SP Escola de Teatro – Sede Marquês, Rua Marquês de Itu, 273-285, às 20h.

Espetáculo – Villa – Guillermo Calderón e Compañia Playa
TUSP, às 20h.

13 de dezembro

Roda de Espectadores
Mesa II: Entre a Roda e a Escola: o Espectador como Parceiro Artístico
Espetáculo Villa – Guillermo Calderón e Compañia Playa. Mediação: Cláudia Alves Fabiano
Pequeno Ato, Rua Dr. Teodoro Baima, 78, às 15h.

Espetáculo – Villa – Guillermo Calderón e Compañia Playa
TUSP, às 20h.

14 de dezembro
Mesa – Feminicídio II – O Corpo como Território Político - Ileana Diéguez e Violeta Luna
TUSP, às 19h.

15 de dezembro
Mesa – Feminicídio III – O Corpo da Artista e a Fabricação do Corpo Feminino – Nina Caetano, Coletivo Rubro Obsceno e Violeta Luna
TUSP, às 19h.

16 de dezembro
Performance – Espaço do Silêncio – Nina Caetano (Brasil)
Rua Dr. Teodoro Baima, 78 – Praça da República, às 16h.

Espetáculo – Família Museu – Ariel Zagarese e Alarido Mariposa
TUSP, às 20h.

17 de dezembro
Espetáculo – Família Museu – Ariel Zagarese e Alarido Mariposa
TUSP, às 20h.

18 de dezembro
Performance – Para Aquelas que não mais Estão – Violeta Luna e Coletivo Rubro Obsceno
TUSP, às 20h.

Serviço

Apresentações inteira: R$ 10,00 ∙ meia-entrada: R$ 5,00 *
* O valor dos ingressos para a peça Anatomia do Fauno será de R$ 40,00 inteira e R$ 20,00 meia-entrada.
Ingressos antecipados à venda na bilheteria.
Workshops sujeitos à prévia inscrição. Mais informações em:
Demais eventos gratuitos.

Locais
Teatro da USP ∙ Centro Universitário Maria Antônia
Rua Maria Antônia, 294 ∙ Consolação ∙ 11 3123.5233/5205
SP Escola de Teatro ∙ Sede Marquês
R. Marquês de Itu, 273-285 ∙ V. Buarque ∙ 11 3121.3200
SP Escola de Teatro ∙ Sede Roosevelt
Pç. Roosevelt, 210 ∙ Centro ∙ 11 3775.8600
Ágora Teatro
Rua Rui Barbosa, 672 ∙ Bela Vista ∙ 11 3284.0290
Teatro Pequeno Ato
R. Dr. Teodoro Baima, 78 ∙ República ∙ 11 99642.8350
Missão Paz ∙ Igreja Nossa Senhora da Paz
R. do Glicério, 225 ∙ Liberdade ∙ 11 3340.6950
Exposição Sudários ∙ Horários de visitação:
seg., qua., qui., sex., sáb. ∙ 18-20h
domingos ∙ 7h30-10h30, 18-20h